Alexandre Frota é condenado por associar pedofilia a Jean Wyllys

Não é de hoje que pessoas, muitas vezes religiosos homofóbicos, tentam associar pedofilia e outras práticas criminosas a homossexualidade ou a personalidades assumidamente gays, tentando demostrar que tudo é “uma coisa só”. Sendo que nunca foi: a homossexualidade é apenas uma vertente saudável da sexualidade humana e não tem ligação alguma com pedofilia.

E esse erro grotesco aconteceu com o deputado eleito Alexandre Frota (PSL-SP) por ter divulgado notícia falsa na qual o deputado federal e gay assumido Jean Wyllys (PSOL-RJ) foi mostrado como defensor da pedofilia.

A condenação, fruto do processo de Wyllys por injúria e difamação contra Frota, saiu nesta semana e foi de dois anos e 26 dias de prisão em regime aberto. Porém, a Juíza federal Adriana Freisleben de Zenett trocou a pena por serviços comunitários e multa de R$ 300 mil. Alexandre Frota terá que destruir papéis por cinco horas diárias no fórum mais próximo a sua residência.

Tudo começou quando Frota, em 2017, publicou nas suas redes sociais uma falsa declaração de Wyllys onde o mesmo se dizia a favor da pedofilia. O texto, com uma foto de Wyllys, era “A pedofilia é uma prática normal, em diversas espécies (sic), anormal é seu preconceito”. A publicação teve quase 10 mil compartilhamentos e mais de 2 mil comentários, sendo compartilhado por Frota mais de uma vez.

Que esse processo sirva de exemplo para outras fake news espalhadas por diversas pessoas por aí. E que nada fique impune perante a justiça brasileira..


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Nosso evento no Facebook para 2020 foi criado: ParadaSP 2020
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é o jornalista (MTB 80753/SP) responsável pela assessoria de imprensa e comunicação da APOGLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Para a página de Imprensa, aqui. Contato com a Diretoria da ONG, aqui. Seja um Associado/a, aqui