domingo, março 26, 2017
Cultura LGBT
Informações e notícias sobre a Cultura LGBT no Brasil e no mundo.

Mostra “Será que el_ é” é marcada pela presença de figurinos, fotografias, instrumentos musicais e homenagens a ícones do Carnaval LGBT

O Museu da Diversidade Sexual, instituição cultural do Governo do Estado de São Paulo, abre no dia 18 de fevereiro, sábado, a exposição “Será que el_ é?”. Inspirada no Carnaval, a mostra, com curadoria do carnavalesco Sidney França, faz um panorama da relação histórica entre a comunidade LGBT e a maior manifestação cultural do Brasil e fica em cartaz até o dia 27 de maio de 2017. A entrada é gratuita.

“Será que el_ é?” aponta a importância da diversidade na construção do Carnaval, um espaço que sempre foi acolhedor e livre para as mais variadas manifestações e expressões da sexualidade, um período onde muitas pessoas “saíam do armário” para viver sua sexualidade reprimida durante o ano.

O Museu da Diversidade Sexual se transforma em um grande carro alegórico, dentro do qual ficam expostos figurinos, fotografias, histórias e instrumentos musicais. A exposição presta ainda homenagem a alguns ícones da comunidade LGBT que simbolizaram como ninguém a festa, como Elke Maravilha e Clóvis Bornay.

O título da exposição faz referência à famosa marchinha, grande sucesso dos bailes de Carnaval desde os anos 60. Muito embora seu tom jocoso possa parecer politicamente incorreto e seja muitas vezes cantada acompanhada de um coro entoando uma palavra ofensiva no final de suas estrofes, o mesmo termo foi incorporado pela comunidade LGBT e requalificado, sendo utilizado nos bailes, blocos e ruas como grito de empoderamento.

Integram também a exposição objetos do Grêmio Arco-Íris, primeira escola de samba LGBT de São Paulo, e fantasias de estilistas e destaques consagrados do Carnaval, como Michelly Xis, Bruno Oliveira, Isaac Rodrigues e Mauricio Pina.

“Será que el_ é?” tem ainda uma simulação de uma oficina de fantasias de Carnaval, onde os visitantes podem conferir como funciona o processo de confecção de um adereço, e um espaço interativo, onde poderão customizar suas roupas para brincar nos bloquinhos.

SERVIÇO:

Exposição “Será que el_ é?”, no Museu da Diversidade Sexual
Curadoria: Sidney França
Abertura: 18 de fevereiro, às 15h00 – Em cartaz até 27 de maio de 2017
Endereço: Rua do Arouche, 24 – piso mezanino da estação República do metrô
Horário de funcionamento: terça a domingo, das 10h00 às 18h00
Telefone: (11) 3882-8080
Site: www.mds.org.br
Entrada gratuita

Dia 19/02, domingo, acontece mais uma edição do Festival da Diversidade na Fábrica de Cultura Belém. É o Freedom Festival que, como o nome já diz, ˜Festival da Liberdade˜. A liberdade de expressão, seja ela racial, sexual, religiosa e outras.

Presença e shows de drag queen’s, bailarinos, jovens talentosos e grupos de dança realizam performances inéditas mostrando que todos são iguais e realmente livres.

O evento é composto por 15 apresentações, entre os intervalos, vídeos sobre preconceito serão apresentados, levando informações, brincadeiras e prêmios à comunidade.

Confirme sua presença no evento do Facebook:

https://www.facebook.com/events/236118483468060/

Serviço:

Freedom Festival – O Festival da Diversidade
Yarkäan Produções
Data: 19/02 a partir das 13h
Fabrica de Cultura Belém
Avenida Celso Garcia, 2231
Belenzinho – São Paulo / SP

0 330

Até o dia 21/02/2017, o Governo do Estado de São Paulo e a Secretaria da Cultura, por meio da APAA (Associação Paulista dos Amigos da Arte) irão receber propostas para todos os seus programas, projetos e equipamentos simultaneamente, entre eles a Virada Cultural Paulista, o Circuito Cultural Paulista, o Teatro Sérgio Cardoso e o Festival Paulista de Circo.

Os projetos serão avaliados conforme demanda anual, seguindo o cronograma de projetos, programas e equipamentos. A seleção será feita por especialistas de cada área e não terá lista de aprovados.

O envio das propostas deverá ser feita por meio de formulário online

Artistas LGBTs, projetos ligados a Diversidade Sexual e afins também podem participar.

Outras informações podem ser obtidas aqui.

Não é porque um livro é digital que ele será automaticamente gratuito. Porém, livros digitais são – muitas vezes – bem mais baratos do que os livros impressos. E melhor, eles podem ser lidos no smartphone, tablet, PC ou MAC, como é o caso dos ebooks disponíveis na loja da Amazon Brasil.

O funcionamento deles é simples. Você cria uma conta, instala gratuitamente o aplicativo chamado Kindle (tem para todas as plataformas) ou compra o e-reader (leitor de livros digitais). Em seguida, caso não tenha cartão de crédito, pode adquirir um cartão de crédito pré-pago e fazer suas compras. Os livros custam em média de R$ 5,99 a R$ 13,00. Mais barato que isso? Geralmente são contos ou livros curtos. O único cuidado é que, como a loja disponibiliza uma plataforma para novos autores publicarem suas obras, tem muito conteúdo ruim e que não vale o investimento: nem de dinheiro e nem de tempo.

Por isso, aqui vai a primeira seleção de 12 livros com temática LGBT que merecem sua atenção na Amazon Brasil. Em breve publicaremos outras seleções. Se você leu algum livro por lá e recomenda, deixe nos comentários.

Boa leitura!

THEUS: Do fogo à busca de si mesmo
Autor: Fabrício Viana
Sinopse: A história narra a vida do jovem Junior, também conhecido como “Theus” por causa de seu estranho nome “Prometheus”, e a busca inconsciente por um grande amor. Começa exatamente em uma balada gay no centro da capital de São Paulo. Porém, não é de lá que vem toda a história. Junior passou por poucas e boas. Ele morava no Interior. Foi na roça que ele conheceu Ronaldo, começou a ter relações sexuais com ele e foi pego em flagrante por seu pai que, sem saber o que fazer, o internou em uma fazenda que prometia “curar homossexuais” em BH. Parece surreal? Não, estes lugares ainda existem! E são muitos! Junior ficou lá por vários meses seguindo uma rígida rotina religiosa. Mas algo estranho aconteceu. Algo tão estranho que fez Junior fugir desesperadamente, pegar a primeira carona na estrada e vim parar na capital, bem na Praça da República. Sem ter para onde ir ou dormir, Junior conhece Gabriel, seu anjo, e sua namorada Michele. E é aqui que uma segunda história começa. Sua nova vida. Sua nova família. Junior, que desde o início buscava seu grande amor, até mesmo dos pais, finalmente o encontra. Talvez ele estivesse o tempo todo ao seu lado. Talvez não. O que aconteceu? Seria tarde demais? O que significavam aqueles códigos? Números aleatórios espalhados na capa e por todo o livro? A revelação é surpreendente e vai abalar as estruturas de qualquer leitor. Afinal, não tem como esquecer a mais bela, sensível e autêntica declaração de amor: “Te amo, Junior. Sempre te amarei!”.

Legado de Paixão
Autora: Diedra Roiz
Sinopse: Uma herança inesperada poderia resolver todos os problemas de Isabela. Porém, ela só receberia tudo que lhe foi deixado se atendesse à cláusula feita em testamento por sua tia: que se mudasse do Rio de Janeiro para um pequeno sítio no interior de Goiás. Além de gerar novas e diversas dificuldades, cumpriressa exigência pode transformar sua vida completamente. Embarque no primeiro livro da Coleção Arco-Íris: o romance de estreia de uma das autoras de literatura com temática lésbica mais aclamadas da web.

JR: Romance Gay
Autor: Ton Cordeiro
Sinopse: JR é a abreviação de Júlio e Reinaldo. Dois amigos que cresceram juntos, tiveram namoradas, sonham em cursar medicina e, quando menos esperam, se apaixonam. Uma estória incrível!

 

 

Garoto à Venda
Autor: Icaro Trindade

Sinopse: Em um planeta fictício semelhante a Terra, no país de Alendor, as pessoas são divididas por castas e vigoram leis rígidas contra a criminalidade. Ianto pertence a uma das mais baixas dessas castas, e em um momento de desespero tenta roubar comida para ajudar sua família, mas é apreendido pela policia especial. Quando acreditava que a pena de morte seria seu único destino, ele é surpreendido ao ser levado até um lugar luxuoso, onde é leiloado para alguns dos homens mais ricos e poderosos do país, num comércio ilegal de escravos sexuais. Após ser comprado pelo magnata Eric Pitz, sua relação com o novo dono toma rumos inesperados e terá que aprender a lidar com novos sentimentos que irão surgir em si. Afinal, o dinheiro é capaz de comprar amor? Descubra nesse livro excitante e surpreendente! Inspirado em Okane ga Nai e A Seleção, Garoto à Venda é um livro cheio de sexo, paixão, drama, surpresas e reviravoltas.

Primarius
Autora: Lorena Miyuki
Sinopse: Primarius em latim significa primeiro. O primeiro é aquilo ou aquele que precede a todos, que é o mais antigo, o inicial. É essencial, fundamental. Esta é a história do passado de Alessandro e as primeiras experiências, mudanças e dificuldades que surgem em sua vida ao descobrir, certo dia, que seu irmão mais velho é gay. Afinal, passado a gente não esconde nem condena, né, Alessandro? “Primarius” é a prequel, história prólogo de “Anistia”, também disponível em ebook na Amazon. Publicada originalmente desde 06/2011, também disponível em versão física.

O príncipe; o mocinho ou o herói podem ser gays
Autor: Roberto Muniz Dias
Sinopse: Lidar com a diversidade sexual; sob o ponto de vista da orientação sexual; é matéria obrigatória na sala de aula. O tema ainda é um tabu; vez que esta prática é claramente tímida dentro da escola. Infelizmente; não existe ainda uma política centralizadora desses assuntos. Pesquisando sobre o tema; o escritor Roberto Muniz Dias desenvolveu um trabalho acadêmico voltado à análise de dois livros infantis que chamam atenção por tratar a homossexualidade sob dois temas diferentes: a fantasia e a biologia. Assim surgiu a obra O príncipe; o mocinho ou o herói podem ser gays; lançamento 2013 da Editora Escândalo. Ambas as histórias analisadas pelo autor retratam a desconstrução dos parâmetros nos quais a sociedade é fundamentada: um alicerce estático. A sociedade é dinâmica e plural. Ela pode normalmente conviver; respeitosamente; com todos os tipos de orientação sexual. O interessante é observar que os assuntos são abordados de forma espontânea. Constata-se; portanto; que a questão é mais cultural do que qualquer outra perspectiva. Sobre esse assunto existe pouca literatura. Mas Roberto Muniz Dias traz à tona o tema de forma clara; abordando a análise do discurso embutido nessa Literatura Infantil LGBT.

Um Gay Suicida em Shangri-la
Autor: Enrique Coimbra
Sinopse: Em vez de se entregar à depressão após sobreviver a uma falha tentativa de suicídio, Eduardo pensa: “se cheguei no extremo de tirar minha própria vida, por que não faço tudo que quero?”. Com isso em mente, abandona São Paulo e a família opressora, deixa o namorado preconceituoso para trás e pede carona até chegar na cidade Estrelas, interior do estado do Rio de Janeiro, em busca de novos motivos para se interessar em viver: as primeiras amizades sinceras, a família que nunca teve, novos medos e a possibilidade de um romance inteiro com outro homem. Na jornada à própria Shangri-la, verá que alguns fantasmas são impossíveis de despistar, não importando quantas caronas peça.

Nicotina zero: Desintoxicação em uma noite
Autor: Alexandre Rabelo
Sinopse: Esta noite, o DJ está de folga. Não fará os corpos despejarem de prazer pelos toques mágicos de seus dedos. Esta noite, não será um deus. Não consegue sequer imaginar uma boa trilha sonora para embalar sua caminhada noturna pelo centro de uma São Paulo. Decide então que esta noite não haverá nem mesmo sexo. Sente que precisa sobreviver a seus 27 anos, idade crítica dos astros suicidas. Talvez esteja na hora de parar de fumar, ao menos para distrair-se de si mesmo. Ter uma boa causa, algo que faça contrair novamente uns músculos para além da euforia da juventude. Num beco, longe de todas as ilusões de neon, encontra um rapaz de preto, que só pode ser o diabo. Mas o diabo existe? E o que lhe ofereceria o diabo numa cidade que dá fácil acesso a toda espécie de prazer? Qual dádiva seria mais desafiadora que a do amor incondicional? O rapaz de preto ri com malícia e encanto diante desse pedido.

Em Busca de Mim Mesmo
Autor: Sergio Viula
Sinopse: Fui pastor batista, casado com uma mulher, pai de dois filhos, militante entre o que acreditam ser possível reverter a orientação sexual de uma pessoa homossexual. Decidi reavaliar “aquela velha opinião formada sobre tudo” que caracteriza o fundamentalismo religioso e passei por uma tremenda metamorfose nos na estrutura do pensamento, da crença, da maneira de lidar com a afetividade e, consequentemente, com a vida, sem contudo modificar meu verdadeiro eu, o qual encontrou terra fértil, luz e oxigênio para desabrochar. As páginas que você vai começar a ler trazem os detalhes dessa metamorfose. Dogmas serão questionados, comportamentos serão modificados, coisas consideradas inquestionáveis serão postas em xeque, mas o resultado é belo, assim como belo é o resultado da metamorfose que a lagarta experimenta para finalmente se transformar numa bela borboleta – o que, no meu caso, é uma metáfora absolutamente apropriada. Confira!

Azul
Autor: Moa Sipriano
Sinopse: Você já parou para pensar em quantas vezes, por ignorância, nós julgamos e desprezamos pessoas que não fazem parte do nosso círculo dito “social”? Quantas histórias de vida nós ignoramos solenemente todos os dias, já que fazemos questão de permanecer preocupados apenas com o que acontece no centro do nosso umbigo fétido? Seria possível viver uma união fantástica, transformando-a numa bela e real história de amor, com alguém que jamais imaginaríamos passar o resto de nossas existências? Azul cultiva a resposta. E você – com toda certeza! – vai vibrar em alegrias!

Ela conta tudo…: Contos lésbicos por Katia Viula
Autor: Katia Viula
Sinopse: Ela Conta Tudo… é uma reunião de contos lésbicos recheados de muito romance, amor, encantamento, desejo e erotismo. Katia Viula conta, em sua obra, histórias fictícias, algumas das quais, baseadas em fatos reais, outras, totalmente inventadas. Alguns de seus contos foram inspirados em experiências vividas por ela mesma.

 

SEM DESTINO: Depois que ela partiu…
Autor: Karina Dias
Sinopse: Depois do sucesso dos livros “Aquele dia junto ao mar”, “As Rosas e a Revolução” e “Diário de uma garota atrevida”, Karina Dias, premiada escritora de literatura homoafetiva, traz para o público uma nova trama. Desta vez, o primeiro livro de conto e poesias da carreira. Baseado na história de amor que viveu com Paula, com quem esteve casada por 6 anos, o trabalho foi escrito após o falecimento da esposa.

 

 

A Campus Party é um dos principais eventos de tecnologia do mundo. Ele surgiu na Espanha em 1997 e uma vez por ano tem sua edição em vários países, inclusive no Brasil. Nele, grupos de geeks (similar ao “nerd”, pessoas que tem muita afinidade com tecnologia, jogos eletrônicos ou de tabuleiros, eletrônicos, etc) se encontram para trocar informações, assistir palestras e terem contato com novos produtos e empresas.

No Brasil, a ultima edição do evento ocorreu entre os dias 31 de janeiro e 5 de fevereiro de 2017, e há 3 anos lá dentro, existe um grupo de Geeks LGBTs que se encontram chamado “Campus Pride”.

A ideia, segundo um dos responsáveis, Marcio Brito, é promover o que a Estela Camargo e o Renato Massaro (idealizadores do grupo) desejaram: formar um grupo com interesses em comum, onde todos sejam ou tenham afinidades com o tema LGBT.

Como a Campus Party é anual e tem possibilidade de acampamento, as pessoas geralmente vem de várias regiões do Brasil.

Para participar do grupo do Facebook e, consequentemente das próximas edições da Campus Party junto com eles, basta entrar em contato com o Márcio Brito por meio do seu perfil no Facebook.

Confira algumas fotos do grupo Campus Pride e seu empoderamento LGBT:

Que outros grupos LGBTs, em diversos eventos, se formem. Afinal, somos muitxs e estamos realmente em todas as partes!

Folia começa no Largo do Arouche, tem Drag Queen Tchaka como apresentadora e a trans Carla Rangell como Madrinha.

Em sua quarta edição, o Bloco da Diversidade da APOGLBT, ONG responsável pela maior Parada LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) do mundo, vai às ruas do centro de São Paulo levar alegria, diversão e muita música com Alinne Rosa e diversas atrações logo após a quarta-feira de cinzas.

O Bloco da Diversidade tem como tradição divulgar a cultura do carnaval por meio de samba de raiz, samba enredo, axé e marchinhas para relembrar os bailes carnavalescos LGBT que aconteciam na capital paulista. Trata-se de uma série de ações da ONG para começar a divulgar o tema da Parada do Orgulho de 2017 que ocorrerá no dia 18 de Junho: “Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico”

Dentre as atrações do bloco estão a cantora Alinne Rosa e o DJ Adipe Neto. A folia, que tem concentração as 15h, terá apresentação da Rainha das Festas Tchaka e a participação da madrinha trans Carla Rangell.

“Todas as pessoas, de todas as orientações sexuais e identidade de gênero são bem-vindas. Não por acaso somos o Bloco da Diversidade! Nosso objetivo é unir pessoas, sem preconceito, em uma grande festa cultural que reúne alegria, diversão e respeito!”, enfatiza Fernando Quaresma, presidente da APOGLBT.

Com concentração no Largo do Arouche as 15h, o Bloco da Diversidade começa seu trajeto entre 16h e 18h, passando pela Avenida São João, Avenida Ipiranga, Praça da República/Avenida São Luis/Praça da República, Rua Vieira de Carvalho e Largo do Arouche.

A marca de cerveja Skol, mais uma vez, demonstra sua atitude pró-respeito às minorias e também confirma sua presença no Bloco da Diversidade. É o #CarnavalRedondo. Para facilitar a lembrança da data, a APOLGBT criou o link http://paradasp.org.br/blocodadiversidade e sugere que as pessoas também confirmem a participação no evento do Facebook.

SERVIÇO:

Bloco da Diversidade da Parada LGBT de São Paulo
– Data: 05 de março de 2017
– Horário: concentração as 15h, início do percurso entre 16h e 18h
– Local: Largo do Arouche – Ao lado do metrô República
– Realização: APOGLBT (http://paradasp.org.br)
– Evento no Facebook: http://paradasp.org.br/blocodadiversidade

Em entrevista ao Guia Gay São Paulo, um dos veículos LGBTs mais atuantes da comunidade, Ivan Batista, 46 anos, disse que irá priorizar o projeto Transcidadania, criar capacitação para o respeito LGBT, estabelecer parcerias com empresas e trabalhar junto com a APOLGBT SP para a realização da 21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo e outros trabalhos da comunidade.

Para quem não conhece, Iva Batista sempre foi um nome conhecido dentro do movimento social LGBT. Isso porque ele já trabalhou no órgão municipal de ações pró-LGBT do município paulista. O convite, para retornar como coordenador, partiu da secretária de Direitos Humanos Patrícia Bezerra.

Segundo Ivan, ainda em nota ao Guia Gay, o convite só foi aceito por conta de sua atuação em programas como o Programa Operação Trabalho (POT), hoje chamado de “Transcidadania”.

Com uma personalidade impar, Ivan não comenta sobre a administração passada, diz apenas que irá aproveitar todas iniciativas positivas, ampliar e melhorar.

Ontem mesmo, Ivan recebeu a diretoria da APOGLBT SP, Ong responsável pela Parada LGBT de São Paulo, para conversar sobre possíveis projetos e trabalhos em conjunto. Reunião, inclusive, publicada no Instagram oficial da APOGLBT.

O que todxs esperamos, e torcemos, é que Ivan realize um ótimo trabalho. Competência ele sempre teve. Vamos aguardar.

Idealizado e organizado por Roberto Mafra, a Banda do Fuxico já é tradição no Carnaval de São Paulo. Neste ano o evento homenageará a APOLGBT (e outras ONGs e personalidades), contará com feira cultural, concursos de melhor fantasia, corrida de salto alto, arremessos de bolsas, shows e muito fervo.

Confira a programação completa:

Das 10h ás 22h -Feira Cultural Banda do Fuxico com barracas e comidas típicas, miudezas, produtos de beleza, roupas e muita diversão.
10h – Abertura do Palco: Roberto Mafra- Divulgação da Programação Geral
10h30 – Esquenta da Banda do Fuxico- Palco: Ritmos com Dj Oficial Fabio Lima
12h – Abertura Oficial do Evento- Hino Nacional – Apresentação Bella Balony. Palco: Shows Convidados Bella Balony
13h – Concursos: Apresentação Bella Balony
* Concurso de Arremessos de Bolsa -com premiação
* Corrida de Salto Alto- com premiação
*Concurso Melhor Fantasia- com premiação
* Concurso de Fantasia do Cachorro Fashion- Prêmio: Kit Natural Pet
*Shows: Athena Joy, Alex Furttado, Rosa do Quenia, Diana Pequeno, Rubia Vegas, Aysla Oliver
15h – Apresentação Lully Fashion

Palco: Concurso Bate Cabelo- Prêmio: 01 Peruca Natural Lully Fashion
Shows: Mikaela Pitt, Robbyt Moon, Star Pop

16h -Homenageados Banda do Fuxico 2017: Cássio Rodrigo de Oliveira, Familia Elke Maravilha, Gandia Silva, Jean Nascimento (Sociedade Negra Pauslitana), Elisa Mascaro, Esquadrão das Drags, Associação da Parada do Orgulho LGBT, Walerio Araujo e Elisa Mascaro

16h 30m- Concurso Eleição do garoto Chilli Pepper- Apresentação: TCHAKA

17h-Coroação da Corte Banda do Fuxico 2017- Apresentação: Silvetty Montilla
show: Marcia Pantera

18h 30m – INICIO DO DESFILE COM O TRIO ELÉTRICO NO PERCURSO: VIERA DE CARVALHO, PRAÇA DA REPUBLICA, AVENIDA SÃO LUIZ, RUA XAVIER DE TOLEDO, PRAÇA RAMOS DE AZEVEDO- TEATRO MUNICIPAL, RUA CONSELHEIRO CRISPINIANO, LARGO DO PAIÇANDU, AVENIDA SÃO JOÃO, AVENIDA IPIRANGA, RUA DA CONSOLAÇÃO,IGREJA DA CONSOLAÇÃO, RUA REGO FREITAS, FINALIZANDO NO LARGO DO AROUCHE AS 22H

Serviço:

Banda do Fuxico
19/02 a partir das 10h – Largo do Arouche
Mais informações no site http://www.bandadofuxico.com.br

Idealizado por Isadora Fraga, 23 anos, e Vicky Fechine, 25 anos, o objetivo do canal no Youtube é falar sobre o “mundo das lésbicas”.

Com o nome de “Vlog Censuradas”, Fraga e Fechine contam que falar sobre o “mundo das lésbicas” é desmistificar a imagem criada pela sociedade sobre a comunidade LGBT, mostrando seu estilo de vida que, se formos observar, não é tão diferente da maioria.

Com atualizações frequentes, o canal tem fanpage no Facebook e conta no Instagram. Só o perfil no Youtube já conta com mais de 3 mil pessoas inscritas totalizando mais de 170 mil visualizações.

Entre os vídeos mais acessados, estão:

5 apps de paquera lésbica

10 séries para Lésbicas

5 filmes de Comédia Lésbica

Para conhecer outros vídeos, acesse o canal:
https://www.youtube.com/CensuradasVlog

E se tiver mais canais interessantes, de gays, lésbicas, bissexuais ou pessoas trans, indique pra gente! 🙂

Muitos que não participam dos movimentos de direitos LGBTs se perguntam: afinal, como foi escolhido a data 29 de Janeiro para o Dia da Visibilidade Trans? Como surgiu? O que buscam? E nós explicamos! Foi no dia 29 de Janeiro de 2004 que 27 travestis, mulheres transexuais e homens trans entraram no Congresso Nacional em Brasília para lançar a campanha “Travesti e Respeito”, do Departamento de DST, AIDS e Hepatites do Ministério da Saúde.

Foi a primeira campanha nacional idealizada e organizada pelas próprias trans para a promoção do respeito e da cidadania. Desde então, a data não é só lembrada mas também é comemorada por ativistas travestis, transexuais, gays, lésbicas e parceiros em geral com diversas ações de visibilidade positiva desta população.

Em 2016, por exemplo, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, hoje considerada a maior do mundo, durante diversas reuniões que fez com coletivos, outras ONGs de direitos humanos e militantes independentes, desde o ano anterior, constatou que o segmento T (trans), de todas as letrinhas que compõe o LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros), era, de fato, a mais vulnerável. Por isso o tema da 20ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo no ano passado foi “LEI DE IDENTIDADE DE GÊNERO, JÁ! – Todas as pessoas juntas contra a Transfobia!”. Uma forma de mostrar a sociedade, além de lutar pelos direitos das pessoas do segmento T, que travestis, mulheres transexuais e homens trans existem e que todos nós estamos cansados de tanta transfobia.

O tema da Parada de 2016 repercutiu tanto que a APOGBLT SP, ONG responsável pela Parada LGBT de São Paulo, lançou inclusive a campanha “Marque-se” com a tag #ChegaDeTransfobia nas redes sociais. Deu tão certo que muita gente “se marcou” não só na Parada como nas redes.

Porém, a luta continua e felizmente, no dia 29 de Janeiro ou nos dias próximos a esta data, diversos militantes em todo o Brasil promovem atividades, palestras, workshops ou passeatas para se fazer ouvir. É o caso, por exemplo, da II Caminhada pela Paz: Sou Trans, Quero Dignidade e Emprego que, neste ano em São Paulo, será realizado no dia 28 de Janeiro no vão livre do Masp a partir das 14h. Diversas ONGs, inclusive a APOGLBT SP, estará presente. No dia 29, Dia da Visibilidade Trans, o mesmo grupo estará lançando o projeto K-Lendárias na Galeria Olido as 15h.

Segundo Renata Peron, responsável pelo Centro de Apoio e Inclusão Social de Travestis e Transexuais (CAIS) e que organiza a caminhada, “Somos apartidários. Queremos que população e a sociedade perceba que travestis, transexuais e homens trans estão a margem mas não queremos estar lá. Por isso estamos gritando até que alguém nos ouça.

Por isso a luta pelos direitos LGBTs, em especial aos grupos mais vulneráveis, é importante e merece a colaboração de todas as pessoas. Aqui mesmo em nosso portal, por exemplo, já noticiamos muitos casos tristes de transfobia que, infelizmente, acontecem diariamente.

Que o dia 29 de Janeiro, o Dia da Visibilidade Trans, ecoe e, como disse Renata Peron, “vamos gritar até que alguém nos ouça“.

 
(Vídeo produzido pelo PreparaNem em 2016 para o Dia de Visibilidade Trans)