domingo, março 26, 2017
Direitos LGBT
Diretos LGBTs no Brasil e no mundo.

A Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo – APOGLBT, por meio de uma Petição Online, vêm publicamente solicitar ao nosso Governador do Estado de São Paulo, que dê continuidade ao processo de transferência do Museu da Diversidade Sexual (MDS), da sua atual sede, no Piso Mezanino da Estação República do Metrô de São Paulo, para a sua sede definitiva, na Avenida Paulista, nº 1.919, no Palacete Franco de Mello.
 .
Para isso, solicita a todas as pessoas interessadas neste processo, a assinar a Petição Online abaixo:
.

http://paradasp.org.br/peticaomds

 

Nosso Ato Basta! Chega de LGBTFobia, realizado agora dia 18/03, além da diretoria da APOGLBT SP, contou com a participação da Família Stronger, Mães pela Diversidade, Associação Cultural Dynamite, Familia Lobos,  Familia Vallentiny, Roda de Conversa, Comissão da oab de Jundiaí, Ong Liberdade de Amar, Instituto Nice, ONG Aliados (Aliança Pela Livre Identidade e Apoio â Diversidade de Orientação Sexual) de Jundiaí/SP, Cursinho Transformação, Forum LGBT de Mogi das Cruzes, Associação Casarão Brasil, Instituto Omindaré, Diversidade Tucana Municipal, Revolta da Lâmpada, Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual e de Gênero, IBRAT, Ato a Comissão de Diversidade Sexual e Combate à Homofobia da OAB-SP, Revista Arco Iris, CAIS – Centro de Apoio e Inclusão Social de Travestis e Transexuais e diversos militantes independentes.

Em 65 dias de 2017, 70 LGBTS foram ASSASSINADOS no Brasil! O cruel assassinato da trans DANDARA no Ceará é apenas mais um de um genocídio diário. 338 HOMOCÍDIOS no ano passado.

Confira alguns vídeos do evento:

Algumas fotos:

ATO BASTA, CHEGA DE LGBTFOBIA!

Em 65 dias de 2017, 70 LGBTS ASSASSINADOS no Brasil!

O cruel assassinato da trans DANDARA no Ceará é apenas mais um de um genocídio diário. 338 HOMOCÍDIOS no ano passado. Precisamos pressionar o Governo Temer para aprovar a criminalização da homofobia!

A APOGLBT SP convoca todas as ONGs de militância, coletivos e militantes independentes para se unirem a este ATO BASTA, CHEGA DE LGBTFOBIA!

O ato será no dia 18/03/2017 na Praça Roosevelt, com concentração as 16h e início as 17h. Sairemos em caminhada pela Av. Ipiranga, Praça da República, Vieira de Carvalho e Largo do Arouche.

Até o momento, estão com a gente:
– Família Stronger
– Mães pela Diversidade
– Associação Cultural Dynamite
– Familia Lobos
– Familia Vallentiny.
– Roda de Conversa
– Comissão da oab de Jundiaí
– Ong Liberdade de Amar
– Instituto Nice
– ONG Aliados (Aliança Pela Livre Identidade e Apoio â Diversidade de Orientação Sexual) de Jundiaí/SP
– Cursinho Transformação
– Forum LGBT de Mogi das Cruzes
– Associação Casarão Brasil
– Instituto Omindaré
– Diversidade Tucana Municipal
– Revolta da Lâmpada
– Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual e de Gênero
– IBRAT
– CAIS – Centro de Apoio e Inclusão Social de Travestis e Transexuais

Faça parte desta lista. Mande um e-mail para parada@paradasp.org.br e vamos, todas as pessoas juntas, promover este ato contra a LGBTFobia que, em 65 dias, já matou 70 pessoas LGBTs.

Serviço:

ATO BASTA, CHEGA DE LGBTFOBIA!
Dia 18/03, concentração as 16h
Local Praça Roosevelt – São Paulo / SP
Link do evento http://paradasp.org.br/atobasta

A Associação da Parada LGBT de São Paulo (APOGLBT SP) convida outras ONGs de direitos LGBTs, coletivos e militantes independentes para a reunião de apresentação do planejamento de trabalhos dos GTs (Grupos de Trabalho) para o Mês do Orgulho LGBT em 2017.

A reunião será dia 11/03, às 13h30, na União Geral dos Trabalhadores: Rua Aguiar de Barros, 144

Pedimos a gentileza para que, todas as pessoas interessadas, cadastre seus dados abaixo (caso já tenha se cadastrado em outro momento, não é necessário cadastrar-se novamente!):

A cidade de Lins, no interior de São Paulo, tornou-se a primeira cidade brasileira a ter um prefeito assumidamente gay e casado. Neste sábado (4), o prefeito Edgar de Souza (PSDB) se casou com o empresário Alexsandro Luciano Trindade, com quem mantinha uma união estável há 13 anos.

Edgar começou na política em 2000 e foi eleito vereador. Em 2012, antes de ser eleito prefeito, ele decidiu assumir sua homossexualidade durante a campanha: ˜Falei no palanque: eu não tenho que esconder com quem vivo e quem eu amo. Se esconder não mereço ser prefeito de vocês.”

A declaração foi ótima para a oposição que disse que ele tornaria o “mundo gay” caso fosse eleito. A repercussão ficou tão grande que distribuíram cartazes pela cidade com ele e seu companheiro abraçados e os dizeres “Se votar no 45, essa família vai governar a sua”.

Porém, nada disso resolveu. Por mais que o meio político seja homofóbico, Edgard foi eleito e esta fazendo um bom trabalho. Em várias entrevistas, ele sempre disse que ele se propôs a ter uma vida aberta para que as pessoas pudessem ver que os homossexuais não são diferentes dos heterossexuais. E que política e ser um bom prefeito não tem relação com orientação sexual.

O casamento, com presença de familiares, pajens, daminhas de honra e integrantes da Diversidade Tucana contou até com a presença do governador Geraldo Alckmin.

Vida longa ao casal. E que mais políticos tomem isso como exemplo: saiam do armário e lutem por uma sociedade mais diversa para todos.


Hoje temos mais uma missão cumprida. Tivemos o Bloco da Diversidade que reuniu nas ruas as pessoas que vivem a diversidade.

Em nome da APOGLBT SP, agradeço à Prefeitura de São Paulo, Polícia Militar, CET, Guarda Civil, aos que trabalharam nas unidades de saúde, AMBEV que nos patrocinou, Alinne Rosa que abrilhantou o bloco, DJ Adipe Neto, Drag Queen Tchaka e Carla Rangell como madrinha do Bloco.

Agora estamos focados preparando o Mês do Orgulho junto à 21ª edição da maior Parada LGBT do mundo para todos que vão para a Av. Paulista, no dia 18 de Junho, em busca de viver a diversidade que temos em nossa sociedade.

Fernando Quaresma
Presidente da APOGLBT SP

A Associação da Parada do Orgulho LGBT (APOGLBT SP) realizará no dia 16/06/2017 a 17ª edição do Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade e conta com a participação da sociedade para a indicação de personalidades, entidades, autoridades políticas e ações culturais que contribuíram para o avanço dos direitos humanos da população LGBT em 2016.

Para participar:

Para participar e indicar é simples. Basta preencher o formulário abaixo atentando-se para os campos obrigatórios. Cada pessoa pode participar apenas uma vez e fazer indicações em todas ou em apenas algumas das categorias propostas. Após a indicação, por favor, justifique e, se possível, forneça maiores informações (como links, contatos, detalhes, etc)

O formulário de indicação ficará disponível até o dia 31 de março de 2017. Convidem xs amigxs para participar também.

Dúvidas e outras informações podem ser tiradas pelo e-mail premio@paradasp.org.br com Diego Oliveira.

Sobre a premiação

.

O Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade (o vídeo acima é do prêmio no ano passado!) surgiu com o objetivo de lembrar os fatos mais significativos no cenário político, social e cultural para a população LGBT, contribuindo na promoção dos Direitos Humanos. Reconhecendo a atuação dos premiados como sendo de alta representatividade na vida de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. É também um momento de divulgação e valorização das atividades que contribuíram com o movimento na consolidação do respeito à diversidade, bem como um estímulo às práticas socialmente responsáveis.

O troféu para a cerimônia foi desenhado e doado à APOGLBTSP pelo arquiteto e jornalista Duílio Ferronato, desde a primeira edição do Prêmio. Uma réplica estará disponível no dia do evento, na Exposição 21 Anos de Parada, uma pequena amostra com os cartazes usados para divulgação dos temas da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo.

Participe, preencha o formulário e faça suas indicações:

No detalhe, Ágatha Mont; abaixo, o corpo dela encontrado em Itapevi pela Guarda Civil Municipal (GCM) de Itapevi, Grande São Paulo. (Foto: Divulgação / Guarda Civil Municipal (GCM) de Itapevi)

O corpo da universitária transexual foi encontrado na madrugada deste sábado (4) em Itapevi, Grande São Paulo, e enterrado ontem (7) no cemitério da mesma cidade onde ela morava com a família. O caso, registrado como “homicídio simples de autoria desconhecida” ainda está sendo investigado para determinar se ela foi realmente assassinada.

Estudante do curso de Artes Visuais na FMU em São Paulo, Ágatha Mont, de 26 anos, trabalhava como garota de programa nas ruas de Itapevi para pagar a faculdade. Segundo sua amiga, Glaciene Oliveira, ela pode ter sido morta por um cliente ou até mesmo outra transexual. Porém, existe outra suspeita, como a do irmão Arthur Rodrigues que, em uma entrevista ao G1, disse “Para mim foi um assassinato e acho que foi motivado por preconceito. Acho que foi crime de transfobia porque ele era transexual e já tinha sido vítima de preconceito no passado”.

Arthur fala sobre o caso noticiado inclusive pelo G1 em 2011 com o título “Aluna trans diz sofrer preconceito ao usar banheiro feminino em faculdade“, onde, na porta do banheiro da faculdade estava a mensagem pichada “Macho de saia, não”.

Segundo o delegado-titular Marcos Antonio Manfrin, o caso está sendo tratado como homicídio, mas pelo fato da vítima estar nua, sem documentos, com marcas no corpo e sangramento no queixo e braços, tudo indica que ela pode ter sido agredida e este ser um crime de transfobia.

Bruna Maria, que estudava com Ágatha, disse que este seria o último semestre do curso e que todos sentirão muita falta dela, “ela era a luz da classe”, disse também na reportagem do G1.

Em entrevista ao Guia Gay São Paulo, um dos veículos LGBTs mais atuantes da comunidade, Ivan Batista, 46 anos, disse que irá priorizar o projeto Transcidadania, criar capacitação para o respeito LGBT, estabelecer parcerias com empresas e trabalhar junto com a APOLGBT SP para a realização da 21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo e outros trabalhos da comunidade.

Para quem não conhece, Iva Batista sempre foi um nome conhecido dentro do movimento social LGBT. Isso porque ele já trabalhou no órgão municipal de ações pró-LGBT do município paulista. O convite, para retornar como coordenador, partiu da secretária de Direitos Humanos Patrícia Bezerra.

Segundo Ivan, ainda em nota ao Guia Gay, o convite só foi aceito por conta de sua atuação em programas como o Programa Operação Trabalho (POT), hoje chamado de “Transcidadania”.

Com uma personalidade impar, Ivan não comenta sobre a administração passada, diz apenas que irá aproveitar todas iniciativas positivas, ampliar e melhorar.

Ontem mesmo, Ivan recebeu a diretoria da APOGLBT SP, Ong responsável pela Parada LGBT de São Paulo, para conversar sobre possíveis projetos e trabalhos em conjunto. Reunião, inclusive, publicada no Instagram oficial da APOGLBT.

O que todxs esperamos, e torcemos, é que Ivan realize um ótimo trabalho. Competência ele sempre teve. Vamos aguardar.

Nesta última reunião, realizada sábado (04/02), foi decidido em conjunto alguns GTs (Grupos de Trabalho) que deverão realizar projetos e atividades antes, durante e/ou após o Mês do Orgulho LGBT.

Ficou decidido democraticamente (assim como seus membros participantes):

01 – GT – JUVENTUDE
Elvis, Jal, Cristiano, Franklin, Kadu e Carlos Henrique

02 – GT – FAMÍLIA LGBT
Lolita Sala e Nelson Matias

03 – GT – Inter-religioso
Wellington, Jean, Mafra, Cássio, Miguel, Pérsio, Gabriel, Renato e Franklin

04 – GT – Movimentos Sociais e Coletivos
Jean, Nelson, Cleide, Patricia, Miguel, Mafra, Brunna Valin, Diego Veiga e Gabriel

05 – GT – Articulação Política
06 – GT – Mulheres LB
Lolita Sala, Tâmara Smith, Gorete e Bruna Svetlic

07 – GT – Gays e Bi
Renato Viterbo, Gilson Ney e Welton.

08 – GT – Identidades Trans, Não-binários e Intersexo
Brunna Valin, Adriana Bonita e Flávia Carvalhaes

09 – GT – Pessoas com deficiência
Cássio Rodrigo, Claudio Rubino, Ivone Oliveira e Adilson Vieira

10 – GT – Comunicação Cidadã/Ações de Divulgação do tema Estado Laico
Welton, Diego Veiga, Miguel, Cristiano, Gilson Ney e Clovis Casemiro

11 – GT – Esportes
Erico, Diego Oliveira, Adilson, Renato, Fátima, Cássio e Mafra

Para a próxima reunião que informaremos aqui no site e em nossas redes sociais, os GTs deverão apresentar proposta de trabalho e cronograma. Os GTs que não apresentarem, serão excluídos.

Aproveitando sua visita, participe também dos nossos eventos no Facebook:

Bloco da Diversidade – Carnaval 2017
https://www.facebook.com/events/1851424821805060/

21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo 2017 – Evento Oficial
https://www.facebook.com/events/105978123240834/