quarta-feira, agosto 23, 2017
Direitos LGBT
Diretos LGBTs no Brasil e no mundo.

Essa situação infelizmente acontece todos os dias em estabelecimentos públicos e privados

Alguns locais possuem normas sobre não ter qualquer tipo de discriminação entre colaboradores e clientes, mas e os lugares que ignoram a Lei Estadual 10.948/2001 e expulsam clientes ou até mesmo funcionários por conta da orientação sexual e identidade de gênero?

Artigo 1.º – Será punida, nos termos desta lei, toda manifestação atentatória ou discriminatória praticada contra cidadão homossexual, bissexual ou transgênero.
Artigo 2.º – Consideram-se atos atentatórios e discriminatórios dos direitos individuais e coletivos dos cidadãos homossexuais, bissexuais ou transgêneros, para os efeitos desta lei:
I – praticar qualquer tipo de ação violenta, constrangedora, intimidatória ou vexatória, de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica;
II – proibir o ingresso ou permanência em qualquer ambiente ou estabelecimento público ou privado, aberto ao público;
III – praticar atendimento selecionado que não esteja devidamente determinado em lei.”

Para denunciar o ato discriminatório é necessário o registro via internet, escrita, carta, telegrama ou similar em órgãos públicos (Delegacia Civil, DECRADI) e/ou organizações não governamentais em defesa dos direitos humanos. O sigilo do autor da denúncia é garantido para segurança do mesmo, pois é importante detalhar o fato com identidade, características dos autores do ato discriminatório, local, data e horário.

Feito esse procedimento, a Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania analisará a denúncia para impor as penalidades cabíveis que varia desde multa até cassação definitiva da licença estadual para funcionamento.

Onde denunciar? Acesse o materiais de apoio da Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

http://www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/repositorio/34/documentos/cartilhas/DirTrans.pdf

http://www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/repositorio/34/documentos/cartilhas/dscrmn.pdf

Fonte: http://www.defensoria.sp.gov.br

Tâmara Smith*

* Tâmara Smith tem 27 anos, é lésbica, estudante de Comunicação Social/Jornalismo, militante LGBT e assessora de imprensa da APOGLBT. Seu twitter é http://twitter.com/aboiola

 

0 1928

Nem tudo é paz e amor, infelizmente.

Existem lésbicas racistas, ”gayfóbicas” e transfóbicas, como existem gays transfóbicos, gays lesbofóbicos, pessoas bissexuais transfóbicas, bissexuais machistas… enfim, há intolerância entre nós, LGBTs. Por quê?

”Sou lésbica e não sou obrigada defender os gays, eles que se virem.”
”Sou travesti e não sou obrigada defender as pessoas bissexuais.”
”Sou gay e não sou obrigada defender as pessoas transgêneros.”

A mulher cis é vítima da intolerância religiosa, racismo, machismo, misoginia…

A mulher trans também é vítima da intolerância religiosa, racismo, machismo, misoginia…

Essa desunião provocada na seletividade nos relacionamentos que algumas pessoas exigem para manter um padrão, facilitam os argumentos de quem se unem para torturar, xingar e matar noss@s amig@s e familiares lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros (ou transexuais); para provar a ”inocência” graças a falta de leis vigentes em todo território nacional que de fato punem esses criminosos é a frase: ”A minha religião diz que é pecado.”, os assassinos aumentarão os tristes índices de violência e o Brasil está no topo.

Quando você lutou somente por algo que te satisfaça, alguém morreu em seu lugar.

Enquanto houver desunião, desrespeito, machismo, racismo, transfobia e outros delitos de intolerância; seremos argumentos de quem não respeita o Estado Laico para atrair mais público por meio de verdades criadas em troca de votos, dinheiro, poder.

No momento que você está aproveitando uma noite especial naquela festa badalada, a família de um LGBT está em um velório sem reações diante da impunidade garantida por leis frágeis.

O que é mais importante, evitar que alguém interrompa os sonhos dos LGBTs ou grande quantidade de ”likes” nas redes sociais com textões sem sentido algum?

Não adianta mostrar ao mundo que é uma pessoa ”de bem”, se na verdade tem um espírito de porco.

Faça amor, não faça guerra!

Precisamos de sororidade entre as mulheres!
Precisamos de união contra o machismo!
Precisamos lutar contra o racismo!
Precisamos lutar contra a transfobia!
Somos pessoas iguais e diferentes.

Meu corpo, minhas regras, meu gênero.

Tâmara Smith*

* Tâmara Smith tem 27 anos, é lésbica, estudante de Comunicação Social/Jornalismo, militante LGBT e assessora de imprensa da APOGLBT. Seu twitter é http://twitter.com/aboiola

 

 

 

 

18ª PARADA LGBT-SP-04-05-2014-FOTOS JOCA DUARTE (201 de 489)

Publicado originalmente na Revista G Magazine, em 2006.

Desde que me entendo por gay e estudioso do assunto, reparo que inúmeras pessoas protestam, reclamam e criticam a Parada do Orgulho LGBT, independentemente do local onde ela é feita. Eu entendo todas elas pois no início eu também criticava, como também não concordava com o jeito de ser de outros gays, principalmente aqueles que apresentavam trejeitos ou afeminações (sim, eu também já reproduzi, sem saber, esse machismo ridículo). Acredito que tudo é uma fase e só abrindo mais a cabeça para a diversidade é que podemos entendê-la, respeitá-la e admirá-la. Além de ter plena consciência de sua realização (como é feita) e principalmente: o que nós, que tanto reclamamos e criticamos, fazemos para que as coisas melhorem.

Esse artigo foi pensado na virada deste ano, quando eu estava na praia e uma menina muito simpática comentou na rodinha de amigos sobre um detalhe da Parada LGBT de São Paulo. Ela falava com muita indignação sobre a grande distância entre dois trios elétricos durante o percurso, dando a entender que isso era um problema gravíssimo dos organizadores da manifestação social. Nesta hora eu perguntei a ela: Você tem ideia de quantas pessoas organizam este evento? Você tem ideia do trabalho que eles têm e das dificuldades que possuem para organizar a parada do orgulho LGBT?

Depois disso fiquei pensando, se tivessem mais pessoas trabalhando e fazendo algo, talvez tivesse uma equipe só pra ver esse problema “gravíssimo” que ela apresentava. Mas não. Não tem tanta equipe assim e as pessoas que estão lá, batalhando o ano inteiro (e não só meses antes como pensam alguns) têm que se preocupar com coisas muito mais importantes que a distância dos carros. Citei-a para entrar neste assunto, mas as críticas são gerais. Como disse, eu também já compactuei com algumas, mas quando não entendia o real valor da palavra DIVERSIDADE. Para mim, no PASSADO, todo homem gay deveria ser homem (sem trejeitos), a parada gay não poderia ter drags, pessoas fantasiadas, palhaços e muito menos se parecer com um carnaval. Achava que tudo isso não ajudava em nada em nossa imagem. Mas qual seria nossa imagem? Hoje, eu entendo que nossa imagem é a imagem da DIVERSIDADE HUMANA. Não podemos discriminar e nem recriminar todas as “expressões” da nossa comunidade. Existem gays, travestis, transexuais, barbies, fashionistas, ursos, simpatizantes, pessoas fantasiadas, drags, crianças, famílias e tudo isso faz parte da comunidade dita “gay”, ou “LGBT” (sendo mais politicamente correto). E a Parada do Orgulho LGBT, de São Paulo ou de qualquer outra região, nada mais é que um grande dia para mostrarmos a sociedade que nós, que sempre somos invisíveis para eles, EXISTIMOS. E existimos com todo o prisma de cores que o arco-íris possui.

Para aqueles que acham que falta política, falta mais protesto neste grande dia, que faça alguma coisa e lute por aquilo que acredita. Leve uma faixa, faça um cartaz, coloque uma camiseta com dizeres de protesto e“grite” para o mundo a militância que sente falta. Não espere que os outros façam aquilo que você acha “ideal” em uma Parada do Orgulho LGBT. E se puder, convença até amigos mais próximos a fazerem a mesma coisa. Mesmo porque, política e luta não é feita em apenas um dia. É necessário lutarmos todos os dias por nossos direitos. Mas ninguém pensa nisso. Ninguém se compromete. Ninguém dá a cara à tapa e faz alguma coisa. Só criticam, criticam e criticam tudo.

Quando era mais novo, trabalhei ao lado do Teatro Municipal de São Paulo e ao meio dia havia um protesto de camelôs. Olhei para meu chefe e fiz uma crítica tremenda sobre a administração da cidade. Ele olhou pra mim e pediu para parar de criticar. Falou que críticas tanto eu quanto metade da cidade teríamos contra ela, mas ir lá e fazer alguma coisa pra melhorar, ninguém fazia. Que, ao invés de criticar qualquer coisa, deveria arregaçar as mãos e partir para ação de melhoria ou permanecer calado. Mas jamais criticar por criticar. Qualquer coisa que seja. Foi uma lição e tanto. Hoje vejo que tem muita gente que precisaria dela. Para “acordar” e finalmente fazer algo por todos nós. Ao invés de só reclamar. Então, antes de criticar a parada, antes de falar mal de alguma coisa que se refere a luta por nossos direitos, olhe pra si, veja o que você faz para ajudar ou melhor, o que poderá fazer para contribuir na luta por uma sociedade melhor. E não só neste dia, mas durante todo o ano.

Fabrício Viana*

*Fabrício Viana é jornalista, bacharel em psicologia com pós em marketing, autor de vários livros com temática LGBT, entre eles O Armário (sobre a homossexualidade), Ursos Perversos (contos), Orgias Literárias da Tribo (coletânea premiada duas vezes) e seu mais recente sucesso chamado Theus. Do fogo à busca de si mesmo (romance gay). Seu site com suas redes sociais é www.fabricioviana.com

Mãe, lésbica, pobre e negra.

Há quase uma semana em Ribeirão Preto/SP, ela foi na hora errada cumprimentar um amigo que estava em um bar. O que ninguém imaginava é que ela seria abordada, agredida, ignorada e morta. 

            ”Ela pagou o preço por parecer homem negro e pobre, ela foi abordada como outros homens da periferia. Lésbica, negra e periférica com passagem pela polícia, ela já era considerada culpada.” afirmou Roseli, irmã da Luana, em entrevista ao Alê Alves da Ponte Jornalismo (fonte: http://ponte.org/a-historia-de-luana-mae-negra-pobre-e-lesbica-ela-morreu-apos-ser-espancada-por-tres-pms)

Familiares e ONGs de direitos humanos protestaram contra a lesbofobia, racismo e impunidade dos autores dia 23/04 em frente ao Teatro Pedro II, em Ribeirão Preto.

Outros casos similares aconteceram, como o da Dayane Ramos e Priscila Aparecida Santos da Costa, vítimas da lesbofobia. Assim como o de Laís R. Castanho, morta por ser bissexual.

Por isso nossa luta contra o preconceito é importante. Por elas e por tod@s nós.

Tâmara Smith*

* Tâmara Smith tem 27 anos, é lésbica, estudante de Comunicação Social/Jornalismo, militante LGBT e assessora de imprensa da APOGLBT. Seu twitter é http://twitter.com/aboiola

 

0 655

Butches, ladies, relativas, passivas, ativas, caminhoneiras, dykes, úrsulas…

Uma letra significa gigante diversidade entre nós, não existe um padrão obrigatório para as mulheres cis e trans que amam mulheres. Somos brasileiras, africanas, argentinas, americanas, europeias… unidas contra o feminicídio, o racismo, machismo, misoginia, xenofobia e gordofobia.

Estamos nas periferias invisíveis aos olhos do governo, nas vilas tranquilas do interior, no litoral, no exterior, na correria de uma metrópole; estamos atrás da felicidade, satisfação em realizar os sonhos e ter merecido respeito quando estamos de mãos dadas com a nossa namorada, noiva, esposa.

Graças a velocidade fantástica que as informações circulam nos meios de comunicação, temos acesso ao conhecimento, estastísticas sociais, movimentos militantes feministas/transfeministas, eventos cheios de amor com empoderamento, organizações LGBTs, aprendizados sobre direitos e deveres civis; nos sentimos seguras e ao mesmo tempo em constante descoberta sobre a nossa capacidade de amar sem se preocupar com opiniões alheias.

”… Minha vida só pertence a mim
Eu não devo nada dela a você
Faço o que eu tiver a fim
Não me importo com o que você vê!..”
(Cuida da tua vida – Teu pai já sabe?)

Tudo acontece no seu devido tempo, claro, pois quando se trata de atitudes, precisamos analisar o motivo, tem lésbicas que saem do armário na adolescência, aos 30 anos, 50 anos, o importante é que saem, mostram ao mundo o quanto está feliz por amar alguém que planeja ter uma vida inteira, constituir família, ter filhos, ter gatos, planejar viagens… mas não esqueça:

VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA E SEJA FELIZ!
Vamos celebrar a diversidade com amor e respeito!
Tâmara Smith*

* Tâmara Smith tem 27 anos, é lésbica, estudante de Comunicação Social/Jornalismo, militante LGBT e assessora de imprensa da APOGLBT. Seu twitter é http://twitter.com/aboiola