domingo, abril 30, 2017
Notícias
Notícias

Parceria com SP Escola de Teatro, Assessoria de Cultura para Gêneros e Etnias (ACGE) e Governo do Estado de São Paulo permitem encontros a partir de dia 20 de abril de 2017, quinta-feira, na histórica casa da instituição de ensino no Brás

A Câmara de Comércio Lésbica, Gay, Bissexual e Transgênera Brasileira (CCLGBTB) anuncia a data do primeiro ensaio da CCLGBTB pelo Maestro Ettore Veríssimo.

O Coral CCLGBTB, regido pelo Maestro Ettore Veríssimo com direção artística de Bruna Dias e acompanhamento do pianista Rodrigo Hyppólito, tem como objetivo central reunir a população LGBT representando o Brasil nesse movimento global de combate ao preconceito e respeito à diversidade. Os encontros acontecerão na histórica sede da SP Escola de Teatro no Brás, mesmo edifício que acolheu a artista Pagu nos primeiros anos de sua formação educacional. A casa é localizada na Avenida Rangel Pestana, 2401, Brás e os encontros acontecerão todas as quintas-feiras, a partir do dia 20 de abril, das 20h às 22h.

“Os corais são capazes de reunir diferentes vozes em uma canção uníssona, numa metáfora semelhante à comunidade LGBT no mundo: a diversidade que cria a união”, anunciou Ricardo Gomes sobre o novo projeto.

“Agradeço ao presidente Ricardo Gomes e toda a diretoria da Câmara pela oportunidade iniciada com nosso Coral da CCLGBTB, que com muito prazer irei reger e coordenar desde seu início. Os interessados podem se cadastrar no site da CCLGBTB: www.camaradecomerciolgbt.com.br, link Serviços/ Coral da CCLGBTB. Que 2017 marque um novo ponto de celebração LGBT no mundo e que a intolerância e a homofobia comecem a retroceder diante de nossa força e união. Boa sorte a todos nós!”, afirmou o maestro no discurso oficial de abertura.

O Coral não exige experiência anterior e os ensaios são abertos a pessoas LGBT ou simpatizantes.

SERVIÇO:

Primeiro Ensaio do Coral CCLGBTB por Maestro Ettore Veríssimo
Data: 20 de abril de 2017 – Quinta-feira
Horário: 20h às 22h
Local: SP Escola de Teatro
Avenida Rangel Pestana, 2401, Brás
(próximo às estações Bresser e Brás do Metrô e do Trem)
Inscrições pelo site www.camaradecomerciolgbt.com.br
Link Serviços / Coral da CCLGBTB

Durante a CCXP Tour Nordeste, que aconteceu entre os dias 13 e 16 de Abril, a Netflix apresentou os três primeiros minutos da segunda temporada de Sense8 onde cenas da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo aparecem.

No primeiro trecho, Will Gorski (Brian J. Smith) aparece dormindo do lado de Riley (Tuppence Middleton) e tendo um pesadelo. Ele acorda e vê Nomi (Jamie Clayton). Ela ira passar por um estranho experimento e pede ajuda. Nesta hora Nomi some do quarto de Will, que acorda em transe assustado.

No segundo trecho, Will e Riley saem de um museu. Seguranças estão escoltando as pessoas de um ataque terrorista. Lito (Mighel Ángel Silvestre) toma o controle do corpo da Riley e eles passam ser serem vistos.

Já no terceiro trecho mostra Lito na Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. Ele é chamado no palco do trio na Parada e diz que está muito assustado. Ele comenta que sempre teve que esconder sua sexualidade mas agora declara ao mundo que é gay. O pessoal vai a loucura e chama seu namorado Hernando (Afonso Herrera) para o palco. Os dois se beijam em grande festa. Outros protagonistas da série aparecem.

Durante a parada, nós registramos algumas imagens das gravações, publicadas em nosso Instagram e Facebook, confira:

A segunda temporada de Sense8 começa a ser exibida na Netflix dia 5 de Maio.

Para ver outras fotos, acesse:
http://paradasp.org.br/veja-as-fotos-da-nossa-20o-parada-do-orgulho-lgbt-de-sao-paulo

Neste ano, a diretoria da APOLGBT SP selecionou algumas propostas e escolheu a do Heitor Werneck para comandar a direção artística da 17ª Feira Cultural LGBT e do show de encerramento da 21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo.

Heitor Werneck é estilista, produtor cultural, figurinista e criador da marca Escola de Divinos.

Como figurinista fez diversos trabalhos para a Rede Globo (VAMP, Pecado Capital, A Viagem, Malhação, Sai de Baixo, Chico Anysio Show, Casseta & Planeta), assina minisséries, comerciais e videoclipes de artistas como Rita Lee, RPM, J. Quest, Exalta Samba, Banda Rouge, O Rappa, entre outros.

Como Produtor de Eventos é criador do Pulgueiro – um evento multimídia multicultural realizado em parceria com o munícipio e o estado de São Paulo. Participou de diversas edições da Virada Cultura SP, produzindo palcos com o tema Cabaré. Criou as casas noturnas Limelight, Constantine Club e o Clube Luxúria. Ao lado de Bia Guedes produziu o filme “Freak Gallery” e criou o zoológico humano onde vários artistas realizavam performances de arte corporal.

Há mais de vinte anos desenvolve uma vasta pesquisa sobre os temas cabaret e o burlesco. É caracterizador das dragqueens Dimmy Kier, Paulete Pink e Normanda Bastos, além de ser idealizador de eventos de dragqueens e gays.

Seu Facebook:
https://www.facebook.com/heitor.werneck

 

Inédito, o documentário Ingrid apresenta as memórias de uma mulher transexual, sua busca por autoconhecimento e a luta pela igualdade de direitos

Ganhador do Prêmio Aquisição SescTV, na categoria Melhor Filme, durante a 16ª edição do Goiânia Mostra Curtas, realizada no ano passado, o documentário Ingrid (2016, 6’45”, MG), dirigido por Maick Hannder, traz depoimentos de Ingrid Leão, uma jovem que nasceu em um corpo masculino. Ela relembra a infância, a adolescência e o dia em que se tornou mulher. O curta, filmado em preto e branco, será exibido pela primeira vez no SescTV, no dia 20/4, quinta, às 21h (assista também em sesctv.org.br/avivo).

Ingrid recorda seu sofrimento, quando ainda era criança, ao se descobrir em um corpo que, segundo ela, não a pertencia. Sem entender o que estava acontecendo, a menina só queria ter cabelos longos. “Minha mãe sempre me obrigava a cortá-lo e aquilo me machucava de certa forma”, relata. Ela conta que o que mais marcou a sua infância foi ter que ir ao barbeiro, local frequentado apenas por homens. “Eu não me sentia à vontade”.

Com um corpo que não retratava o que se passava em sua cabeça, Ingrid rememora quando começou a entrar em conflitos consigo mesma. “Eu sabia que não ia ter seios, não ia ter quadril largo, não ia ter pernas torneadas. Eu sabia que minha voz não seria delicada”, fala. “Mas uma coisa eu sabia que poderia ser minha, meu cabelo grande, e sempre me tiravam isso”, completa. Ingrid diz que sentiu medo ao pensar sobre as transformações que viriam na puberdade e, na adolescência, começou sua busca por um corpo feminino. Ela também comenta sobre os problemas que devido ao uso de hormônios e sobre o dia em que se tornou mulher. “Ali é onde eu comecei a sentir a verdadeira pessoa que eu sou”.

O filme surgiu da necessidade do diretor de falar sobre a autoimagem, mas por tratar de questões sobre sexualidade e gênero, acabou ganhando um contexto social importante, ao representar minorias invisíveis. “Para um diretor, isso significa uma responsabilidade a mais. Aprendi muito com todo o processo e fico muito grato pela Ingrid ter confiado em mim para contar sua história”, comenta Hannder.

Sobre o SescTV:

SescTV é um canal de difusão cultural do Sesc em São Paulo, distribuído gratuitamente, que tem como missão ampliar a ação do Sesc para todo o Brasil. Sua grade de programação é permeada por espetáculos, documentários, filmes e entrevistas. As atrações apresentam shows gravados ao vivo com grandes nomes da música e da dança. Documentários sobre artes visuais, teatro e sociedade abordam nomes, fatos e ideias da cultura brasileira. Ciclos temáticos de filmes e programas de entrevistas sobre literatura, cinema e outras artes também estão presentes na programação.

SERVIÇO:

Prêmio Aquisição SescTV, na categoria Melhor Filme, na Goiânia Mostra Curtas 2016
Ingrid
Direção: Maick Hannder
Duração: 6’45”
Ano: 2016

Estreia: 20/4, quinta, às 21h
Reapresentações: 22/4, sábado, às 20h; 23/4, domingo, às 6h30; 24/4, segunda, às 22h; e 26/4, quarta, às 6h30.. Classificação indicativa: 14 anos

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

A APOGLBT SP, ONG responsável pela maior parada LGBT do mundo e outros eventos que compreendem o Mês do Orgulho (agenda aqui http://paradasp.org.br/agenda2017) abre uma vaga de estágio na área de jornalismo/assessoria de imprensa para o mês de Abril, Maio e Junho.

Perfil que buscamos:

– Boa redação;
– Vivência em redes sociais/hootsuite;
– Conhecimento/contato com veículos de imprensa;
– Conhecimentos sobre os movimentos sociais LGBTs (história, termos utilizados, vivência, etc);
– Estar devidamente matriculadx (a partir do quarto semestre) no curso de jornalismo ou comunicação social com habilitação em jornalismo;

Sobre o estágio:

O estágio será de segunda a sexta, das 10h as 17h30, com horário de almoço e ajuda de custos. A ONG está localizada na Praça da República em São Paulo (precisa ter fácil acesso ao local).

Envio de currículos:

Os currículos devem ser enviados para o e-mail fabricio.viana@paradasp.org.br até 13/04. Todxs xs candidatxs precisam ter disponibilidade para início imediato. Dúvidas? Apenas por e-mail.

Divulgado a jornalistas, o Ministério da Educação apresentou uma prévia do documento que servirá como referência sobre o que deve ser ensinado em todas as escolas públicas e privadas do país. Um verdadeiro retrocesso.

A nova versão da base nacional curricular foi alterada e as expressões “identidade de gênero” e “orientação sexual” não fazem mais parte do programa. Apresentada na quinta (06), no site oficial da base, promove um retrocesso as questões ligadas a educação sobre diversidade sexual.

No trecho antigo, dizia “A equidade requer que a instituição escolar seja deliberadamente aberta à pluralidade e à diversidade, e que a experiência escolar seja acessível, eficaz e agradável para todos, sem exceção, independentemente de aparência, etnia, religião, sexo, identidade de gênero, orientação sexual ou quaisquer outros atributos, garantindo que todos possam aprender.”

Já no novo trecho, “”a equidade requer que a instituição escolar seja deliberadamente aberta à pluralidade e à diversidade, e que a experiência escolar seja acessível, eficaz e agradável para todos, sem exceção, independentemente de aparência, etnia, religião, sexo ou quaisquer outros atributos, garantindo que todos possam aprender.”

Para o educador, escritor e mestre em literatura Roberto Muniz Dias, “As crianças e pré-adolescentes convivem num mundo repleto de diversas individualidades. Como colocá-las à parte disso, excluindo da discussão sociolinguística, o contato, o convívio e experiência com o outro? E este outro é um menino ou menina trans; um menino ou uma menina com orientação sexual diferente, como estabelecer um discurso de empatia e respeito sem nominá-los?’ Não é um erro técnico do MEC; é um erro proposital de uma ideologia essencialmente conservadora e anacrônica.”

 

A Associação da Parada LGBT de São Paulo (APOGLBT SP) convida outras ONGs de direitos LGBTs, coletivos e militantes independentes para a reunião de continuação dos trabalhos dos GTs (Grupos de Trabalho) para o Mês do Orgulho LGBT em 2017.

A reunião será neste sábado, 08/04, às 13h30, na União Geral dos Trabalhadores: Rua Aguiar de Barros, 144

Pedimos a gentileza para que, todas as pessoas interessadas, cadastre seus dados abaixo (caso já tenha se cadastrado em outro momento, não é necessário cadastrar-se novamente!):

Segundo nota no site do Sindicato dos Bancários/SP desta segunda (03/04), com um ano e seis meses de banco, o trabalhador era gerente de relacionamento Uniclass/PF do Itau no Núcleo de Relacionamentos de Gerentes do ITM.

Mesmo tendo recebido 10 prêmios pelo cumprimento de metas, com resultados acima da média, o trabalhador (não identificado na matéria) foi demitido por ser homossexual e postado fotos com o noivo nas redes sociais.

Segundo a nota, as reações discriminatórias apareceram após ele ter recebido destaque.

“Me repreendiam dizendo que eu me ‘soltava demais’ quando ganhava um prêmio, e que esta postura não é adequada. Também diziam que minhas roupas não eram as ideais para o trabalho, que meus ternos não estavam dentro dos padrões”, relembra o trabalhador.

A discriminação homofóbica chegou no limite na última semana, quando ele retornou de férias e postou fotos e vídeos nas redes sociais. Foi neste momento que ele foi chamado pelo gestor da área e informado que sua demissão era por conta de sua postura não adequada.

Segundo Fábio Pereira, dirigente sindical, “Não é a primeira vez que isso acontece no Itaú e, recentemente, denunciamos demissões de pessoas com deficiência. É preciso que o banco reveja suas posturas, e nós cobramos que esse tipo de coisa não aconteça novamente”.

A GLAAD (Gay & Lesbian Alliance Against Defamation) é um das maiores e mais respeitadas organizações de pesquisas dos EUA. Entre seus trabalhos conhecidos, ela orienta jornalistas e profissionais da mídia a retratar de forma não estereotipada gays e lésbicas. E mais, anualmente, premia atores, personalidades e profissionais que fazem um bom trabalho ligados à diversidade sexual. Esta premiação deles é semelhante ao nosso Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade.

Recentemente, a GLAAD publicou uma pesquisa onde mostra que, 20% da chamada Geração Y, se identificam com uma das siglas LGBT. Para quem não sabe, dentro da sociologia, o conceito “Geração Y”, para alguns autores são pessoas que nasceram após 1980 ou segundo outros, pessoas que nasceram entre 1970 e 1990: em outras palavras, que possuem mais afinidade com a Internet.

A pesquisa foi realizada com mais de 200 adultos em novembro/16 para o estudo chamado “Aceleração e Aceitação 2017”. O resultado analisado demonstrou que, aqueles que tinha entre 18 e 34 anos, são mais sucetíveis a se identificarem com as identidades LGBTs.

Segundo Sarah Kate Ellis, presidente da GLAAD, disse que “Esse estudo mostra que uma maravilhosa era de entendimento e tolerância entre as pessoas mais jovens – um sinal inspirador de esperança para o futuro”.

A pesquisa completa (em inglês) pode ser consultada aqui:
http://www.glaad.org/publications/accelerating-acceptance-2017

A Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo (APOGLBT/SP), comunica aos seus associados que a partir desta data (03/04), o Sr. Fenando Quaresma de Azevedo, por motivos pessoais e a pedido do mesmo, deixa a Presidência da APOGLBT/SP.

Informa ainda que, quem ocupará o cargo de Presidente, conforme determina o Estatuto da ONG, é a Sra. Claudia Regina dos Santos Garcia, até então Vice-Presidente da APOGLBT/SP.

Em nome de toda a Diretoria agradecemos ao Sr. Fernando Quaresma de Azevedo pelos serviços prestados como Presidente e associado, trabalhos estes de grande valia para a comunidade LGBT.

Aproveitamos para dar boas-vindas à nossa Presidenta Claudia Regina dos Santos Garcia.

Sem mais,

Atenciosamente,
DIRETORIA APOGLBT/SP