domingo, março 26, 2017
Segmento G
Segmento - Gays

Folia começa no Largo do Arouche, tem Drag Queen Tchaka como apresentadora e a trans Carla Rangell como Madrinha.

Em sua quarta edição, o Bloco da Diversidade da APOGLBT, ONG responsável pela maior Parada LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) do mundo, vai às ruas do centro de São Paulo levar alegria, diversão e muita música com Alinne Rosa e diversas atrações logo após a quarta-feira de cinzas.

O Bloco da Diversidade tem como tradição divulgar a cultura do carnaval por meio de samba de raiz, samba enredo, axé e marchinhas para relembrar os bailes carnavalescos LGBT que aconteciam na capital paulista. Trata-se de uma série de ações da ONG para começar a divulgar o tema da Parada do Orgulho de 2017 que ocorrerá no dia 18 de Junho: “Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico”

Dentre as atrações do bloco estão a cantora Alinne Rosa e o DJ Adipe Neto. A folia, que tem concentração as 15h, terá apresentação da Rainha das Festas Tchaka e a participação da madrinha trans Carla Rangell.

“Todas as pessoas, de todas as orientações sexuais e identidade de gênero são bem-vindas. Não por acaso somos o Bloco da Diversidade! Nosso objetivo é unir pessoas, sem preconceito, em uma grande festa cultural que reúne alegria, diversão e respeito!”, enfatiza Fernando Quaresma, presidente da APOGLBT.

Com concentração no Largo do Arouche as 15h, o Bloco da Diversidade começa seu trajeto entre 16h e 18h, passando pela Avenida São João, Avenida Ipiranga, Praça da República/Avenida São Luis/Praça da República, Rua Vieira de Carvalho e Largo do Arouche.

A marca de cerveja Skol, mais uma vez, demonstra sua atitude pró-respeito às minorias e também confirma sua presença no Bloco da Diversidade. É o #CarnavalRedondo. Para facilitar a lembrança da data, a APOLGBT criou o link http://paradasp.org.br/blocodadiversidade e sugere que as pessoas também confirmem a participação no evento do Facebook.

SERVIÇO:

Bloco da Diversidade da Parada LGBT de São Paulo
– Data: 05 de março de 2017
– Horário: concentração as 15h, início do percurso entre 16h e 18h
– Local: Largo do Arouche – Ao lado do metrô República
– Realização: APOGLBT (http://paradasp.org.br)
– Evento no Facebook: http://paradasp.org.br/blocodadiversidade

Em entrevista ao Guia Gay São Paulo, um dos veículos LGBTs mais atuantes da comunidade, Ivan Batista, 46 anos, disse que irá priorizar o projeto Transcidadania, criar capacitação para o respeito LGBT, estabelecer parcerias com empresas e trabalhar junto com a APOLGBT SP para a realização da 21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo e outros trabalhos da comunidade.

Para quem não conhece, Iva Batista sempre foi um nome conhecido dentro do movimento social LGBT. Isso porque ele já trabalhou no órgão municipal de ações pró-LGBT do município paulista. O convite, para retornar como coordenador, partiu da secretária de Direitos Humanos Patrícia Bezerra.

Segundo Ivan, ainda em nota ao Guia Gay, o convite só foi aceito por conta de sua atuação em programas como o Programa Operação Trabalho (POT), hoje chamado de “Transcidadania”.

Com uma personalidade impar, Ivan não comenta sobre a administração passada, diz apenas que irá aproveitar todas iniciativas positivas, ampliar e melhorar.

Ontem mesmo, Ivan recebeu a diretoria da APOGLBT SP, Ong responsável pela Parada LGBT de São Paulo, para conversar sobre possíveis projetos e trabalhos em conjunto. Reunião, inclusive, publicada no Instagram oficial da APOGLBT.

O que todxs esperamos, e torcemos, é que Ivan realize um ótimo trabalho. Competência ele sempre teve. Vamos aguardar.

Nesta última reunião, realizada sábado (04/02), foi decidido em conjunto alguns GTs (Grupos de Trabalho) que deverão realizar projetos e atividades antes, durante e/ou após o Mês do Orgulho LGBT.

Ficou decidido democraticamente (assim como seus membros participantes):

01 – GT – JUVENTUDE
Elvis, Jal, Cristiano, Franklin, Kadu e Carlos Henrique

02 – GT – FAMÍLIA LGBT
Lolita Sala e Nelson Matias

03 – GT – Inter-religioso
Wellington, Jean, Mafra, Cássio, Miguel, Pérsio, Gabriel, Renato e Franklin

04 – GT – Movimentos Sociais e Coletivos
Jean, Nelson, Cleide, Patricia, Miguel, Mafra, Brunna Valin, Diego Veiga e Gabriel

05 – GT – Articulação Política
06 – GT – Mulheres LB
Lolita Sala, Tâmara Smith, Gorete e Bruna Svetlic

07 – GT – Gays e Bi
Renato Viterbo, Gilson Ney e Welton.

08 – GT – Identidades Trans, Não-binários e Intersexo
Brunna Valin, Adriana Bonita e Flávia Carvalhaes

09 – GT – Pessoas com deficiência
Cássio Rodrigo, Claudio Rubino, Ivone Oliveira e Adilson Vieira

10 – GT – Comunicação Cidadã/Ações de Divulgação do tema Estado Laico
Welton, Diego Veiga, Miguel, Cristiano, Gilson Ney e Clovis Casemiro

11 – GT – Esportes
Erico, Diego Oliveira, Adilson, Renato, Fátima, Cássio e Mafra

Para a próxima reunião que informaremos aqui no site e em nossas redes sociais, os GTs deverão apresentar proposta de trabalho e cronograma. Os GTs que não apresentarem, serão excluídos.

Aproveitando sua visita, participe também dos nossos eventos no Facebook:

Bloco da Diversidade – Carnaval 2017
https://www.facebook.com/events/1851424821805060/

21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo 2017 – Evento Oficial
https://www.facebook.com/events/105978123240834/

Após a diretoria da APOGLBT SP detectar um perfil fake da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo no Facebook com mais de 25 mil curtidas, Fabrício Viana, que é jornalista e assessor de comunicação da ONG, entrou em contato com o Facebook para que a página fake fosse excluída e o perfil oficial da Parada fosse autenticado.

“Apesar de ser um evento público de luta pelos direitos LGBTs, hoje considerado a maior manifestação LGBT do mundo, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo tem um responsável, que é a ONG APOGLBT SP. Caso ocorra algo durante a Parada, por exemplo, a única responsável é a ONG. Logo, não podemos deixar que perfis nas redes sociais se passem por nós. Inclusive se comunicando com uma linguagem não apropriada.”, ressalta Viana.

O perfil fake foi deletado pela equipe do Facebook e a página oficial da Parada do Orgulho LGBT de SP foi finalmente autenticada. Ela ganhou um “selo azul” ao lado do nome. O endereço da página é:
http://facebook.com/paradasp

Com relação as outras redes sociais, o link do perfil da Parada LGBT de SP é:
Twitter: http://twitter.com/paradasp
Instagram: http://instagram.com/paradasp

Desde 2016 a APOLGBT SP aumentou seus esforços para atualizar constantemente seu portal http://www.paradasp.org.br e suas redes sociais, garantindo assim uma presença digital mais forte: levando informações sobre a comunidade LGBT, sobre a ONG APOGLBT SP e sua atuação que, ao contrário do que muitos imaginam, ocorre ao longo do ano (e não somente na época da Parada).

Aliás, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo já tem tema, data e slogan neste ano. Será no dia 18/06/2017 a partir das 10h na Avenida Paulista.

O evento oficial da Parada LGBT no Facebook (diferente da página) é:
https://www.facebook.com/events/105978123240834/

Tema de 2017:
Estado Laico
“Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico.”

O ministro do Turismo Marx Beltrão (PMDB) recebeu nesta terça (10) em Brasília o presidente da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, o advogado Fernando Quaresma, junto com ativistas e empresários LGBTs para discutir ações de interesse da comunidade LGBT.

Na reunião, também estiveram presentes Welton Trindade, sócio-proprietário da Guiya Editora, Michel Platini e Rafael Lira, da Associação da Parada do Orgulho LGBT de Brasília, Maria do Céu, representante do Ministério da Cultura no Nordeste e empresária LGBT, Nildo Correia, presidente do Grupo Gay de Alagoas, Tuca Sutanum, organizador do festival LGBT Love Noronha, Toni Reis, presidente da Aliança Nacional LGBTI e Thiago Malva, sócio-proprietário do clube Victoria Haus.

O coletivo entregou ao ministro o documento “Turismo LGBT: Cidadania, Diversidade e Desenvolvimento Econômico”, com propostas para o setor.

Marx Beltrão disse que atenderá às seis demandas apresentadas:

– Criação de Comitê pelo Desenvolvimento do Tursimo LGBT;
– Inclusão de homossexuais em campanhas de mídia feitas pelo órgão;
– Divulgação no exterior do Brasil como destino turístico LGBT;
– Envio de carta ao Congresso Nacional com pedido para apoio da aprovação da Lei João W. Nery;
– Realização de oficina de capacitação em turismo para as Paradas;
– Apoio financeiro aos eventos de grande potencial de atração de viajantes por todo o País.

Para Fernando Quaresma, advogado e presidente da APOGLBT SP, esse encontro significa o início de uma grande parceria uma vez que a Parada LGBT de São Paulo traz um grande número de turistas, gerando renda para diversos segmentos.

(Foto: Reprodução/EPTV)

Tatiana Lozano Pereira e Alex Pereira, mãe e padrasto, foram presos nesta quarta (11) em Cravinhos (SP) após terem confessado à polícia terem matado a facadas o filho homossexual Itaberli Lozano, de 17 anos.

Segundo um tio paterno, Dario Rosa, a mãe não aceitava a homossexualidade do filho, que foi encontrado carbonizado em um canavial. Gerente de supermercado, Tatiana, de 32 anos, e o padrasto e tratorista, Alex, de 30 anos, disse por meio de seu advogado que as facadas foram desferidas em legítima defesa após uma discussão com o jovem. Depois, o corpo foi levado por eles até o canavial onde o queimaram.

“A mãe dele não aceitava e a gente já desconfiava, porque ela não quis prestar queixa. Acho que a mãe tem que cuidar do filho e não fazer o que ela fez. Ele era um rapaz que trabalhava, era educado, era um menino, mas estava na fase de trabalhador”, disse o tio ao jornal JB.

Foto: Reprodução Facebook. Itaberli Lozano

Ainda segundo Dario, a mãe não aceitava o fato do filho ser gay e, por isso, Itaberli foi morar com os familiares por um tempo. Dario acredita que o crime tenha motivações homofóbicas.

“Esse caso trágico é um dos muitos retratos que temos da LGBTFOBIAfobia em nossa sociedade. Embora tenhamos a maior Parada do Orgulho LGBT do mundo, anda é triste saber que a intolerância, inclusive dentro das famílias de LGBTS, ainda persiste e pode matar. E mata. Que esses atos bárbaros fortaleçam a luta por uma lei que puna os requintes de crueldade existentes nos crimes de LGBTFOBIA.”, enfatiza Fernando Quaresma, advogado e presidente da APOGLBT SP.

Grupos, ativistas e coletivos estão promovendo um ato dia 29/01 no Masp, em São Paulo, contra essa violência às pessoas LGBTS, para confirmar sua presença, o link no Facebook é:
https://www.facebook.com/events/347664998950730

Após ser fotografado beijando um rapaz em uma festa fechada para gays, lésbicas e simpatizantes, Leonardo Vieira, ator, ganha as redes sociais e, para não deixar dúvidas, publica carta com o título “Manifesto contra a Homofobia”.

Depois, Leonardo foi até a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), na Cidade da Polícia, no Jacaré, na Zona Norte do Rio de Janeiro, depor sobre o caso. Afinal, após a notícia do beijo, começou a receber ameças em seu perfil social.

“Vim na delegacia para prestar queixa sobre os ataques homofóbicos que estou recebendo. A delegacia tem instrumentos para identificar essas pessoas que eu não tenho”, contou à imprensa.

A carta, publicada originalmente no portal Extra Globo, pode ser lida aqui:

Manifesto contra a homofobia.

“Quero iniciar essa carta primeiramente desejando a todos um feliz 2017! Desejo que o ano novo seja cheio de realizações para todos, mas que seja principalmente um ano de mais tolerância, respeito e amor entre todos os povos, crenças, religiões, cores, classes sociais, ideologias e orientações sexuais.

O ano de 2016 terminou e com ele recebi uma tarefa para enfrentar em 2017, a qual quero dividir com vocês. Encarar essa missão será uma grande mudança em minha vida, talvez a maior e uma efetiva quebra de um paradigma. Ainda não sei que consequências estão por vir, mas quero transformar o episódio e as consequências que vivencio em algo que tenha algum valor para um número maior de pessoas.

No dia 28 de dezembro, comemorei meu aniversário e, para celebrar, fui a uma festa privada de um conhecido. Lá reencontrei um amigo que já não mora mais no Brasil e acabamos nos beijando. Um fotógrafo não perdeu a oportunidade e disparou uma rajada de cliques registrando a situação. O que era para ser um momento meu, acabou se tornando público. No dia seguinte, a foto do beijo entre dois homens estava estampada na capa de um grande site de celebridades e replicada em diversos outros espaços.

Nunca escondi minha sexualidade, quem me conhece sabe disso. Não estou “saindo do armário”, porque nunca estive dentro de um. Também nunca fui um enrustido. Meus pais souberam da minha orientação sexual desde quando eu ainda era muito jovem. No início não foi fácil pra eles, pois somos de famílias católicas e com características bem conservadoras, mas com o tempo eles passaram a me respeitar e aceitar a minha orientação. Eles puderam perceber através da minha conduta que isso era apenas um detalhe da minha personalidade. Eles entenderam que o filho deles podia ser uma boa pessoa, honesto, bom caráter, bom filho, bom amigo, mesmo sendo “gay”. Hoje, a única preocupação da minha mãe é que eu não seja feliz. Eu posso afirmar para ela que sou feliz. Tenho um trabalho que me realiza, amigos que me amam e uma família que me conhece de verdade e que me aceita como eu sou, sem hipocrisias. Meu caso não é nem o primeiro e nem será o último.

Desde cedo já sabia que eu queria ser ator. Já fazia teatro amador na escola, antes mesmo de me descobrir sexualmente. Aos 22 anos, fui alçado para a fama como um foguete. Em quatro capítulos de uma novela fiquei famoso nacionalmente e me tornaram o galã do momento, um “namoradinho do Brasil”. Em pouco tempo estava em todas as capas de revistas e jornais. Passei a receber inúmeras cartas, convites para comerciais de televisão, festas, desfiles, presenças VIPs. A mídia me classificou como símbolo sexual e jornalistas me perguntavam como eu me sentia sendo o novo “símbolo sexual”. Eu era novo e não sabia responder, dizia apenas que estava feliz com a repercussão do meu trabalho. Eu nem me achava tão bonito e sexy assim para ser tido como um símbolo sexual. Sempre me achei um cara normal. Convivi com uma dúvida pessoal que me tirou a paz por um tempo. Como eu poderia ser um símbolo sexual para tantas meninas e mulheres quando a minha sexualidade na “vida real” apontava em outra direção? Como lidar com isso? O que fazer? Declaro minha sexualidade? A pressão era enorme de todos os lados, eu não sabia o que fazer e acabei não me declarando publicamente, mantive uma vida discreta e tratei o assunto em meio a círculos de amizade, trabalho e família como algo natural.

Sempre achei que um ator deve ser como uma tela em branco. Ali colocaremos tintas, cores, formas e sentimentos para dar vida a diferentes personagens. Respeito, mas nunca concordei com atores que expõem sua vida íntima ou levantam bandeiras ideológicas, exatamente porque no meu entender isso poderia macular essa tela em branco e correr o risco de tirar a credibilidade de um trabalho. O público passa a ver o ator antes da personagem e para mim isso nunca foi bom. Um dos motivos de nunca ter feito o meu “outing” foi esse e isso não é uma desculpa. Provavelmente, se eu fosse hétero, manteria a mesma postura discreta em relação a minha vida privada.

Infelizmente, vivemos em um país ainda cheio de preconceitos e a homofobia é um deles. Revelar-se homosexual não é fácil pra ninguém e acredito que seja ainda mais difícil para uma pessoa pública. Sempre achei “assumir” um termo pesado demais. Assume-se um crime, um delito, um erro e uma falta grave. Será que estou errado em ser quem sou? Será que tenho alguma culpa para assumir? Esse termo “assumir” me perseguiu como se eu tivesse cometido algum crime e que eu teria que fazer o “mea culpa” e ser condenado. Nunca me senti criminoso ou culpado por ser homosexual, eu me sentiria assim se tivesse matado alguém, ou roubado alguém ou a nação. O fato de ser gay nunca prejudicou ou feriu alguém, a não ser a mim mesmo; e não escolhi ser gay. Se pudesse escolher, escolheria ser heterosexual com certeza. Seria muito mais fácil a vida, não teria que ter enfrentado as dificuldades que enfrentei com meus pais, não seria discriminado em certos círculos sociais, teria uma família com filhos (sempre sonhei em ser pai), não sofreria preconceito de colegas, não seria atacado nas ruas, não seria xingado nas redes sociais, não deixaria de ser escolhido para certos personagens, seria convidado para mais campanhas publicitárias e capas de revista. Tenho vivido e venho sofrendo preconceito durante toda a minha vida e na maioria das vezes ninguém percebeu, só eu senti na pele, mas nem por isso me vitimizei.

Nunca deixei de fazer nada na minha vida privada por ser ator famoso. Sempre fui a lugares gays, namorei caras incríveis, tenho vários amigos e amigas gays e também frequento lugares héteros, tenho amigos héteros, vou ao supermercado, à feira… Sempre tive uma vida normal como todo ser humano merece ter. Nunca me senti especial por ser ator e sempre fiz questão de transitar livremente, mesmo que muitas vezes tivesse que parar um minuto da minha existência para tirar uma foto ou dar um autógrafo. Agora, pessoas do público as quais dediquei meu tempo, atenção e carinho, me atacam nas redes sociais de maneira vil e violenta, porque “descobriram” que eu sou gay. Eu nunca disse que não era, só não saí por aí com uma bandeira hasteada. Eu não traí a confiança de ninguém, sempre fui o que sou. Algo muito simples de ser entendido se em nossa sociedade essa questão ainda não fosse um tabu no ano de 2017.

Sobre o episódio do “beijo gay”, que a princípio parecia ser um “escândalo do último minuto” ou uma pedra no caminho, eu parei para refletir e vi que era, na verdade, um presente. Uma ótima oportunidade para tirar das minhas costas algo que me fez sofrer por muitos anos. Agradeço sinceramente ao site e ao fotógrafo que publicaram as fotos do beijo, pois assim me vi na obrigação de escrever essa carta e deixar clara a minha posição, tirando, assim, um peso que carrego há anos nas costas, além de poder ajudar a tantas pessoas que sofrem preconceitos, discriminação ou ainda não assumiram sua sexualidade. Estou me sentindo bem mais leve, mas poderia estar me sentindo bem mais pesado, caso eu não tivesse o suporte de minha família e amigos. Embora a publicação tenha me feito um grande favor, pode ter me prejudicado imensamente profissionalmente (só saberemos no futuro) ou poderia ter destruído minha família, se por acaso eles já não soubessem da minha situação. Infelizmente a mesma mídia que se diz contra a intolerância, a discriminação e o preconceito, alimenta esses sentimentos irresponsavelmente, sem medir as consequências. É incrível que obras como o ” Beijo no Asfalto”, de Nelson Rodrigues, baseada em um beijo entre homens e transformado em sensacionalismo midiático, ainda sejam atuais.

Essa carta aberta aqui não é um pedido de desculpa, pois não acho que deva pedir desculpas por ser gay. Pelo contrário: sempre tive orgulho de ser quem eu sou. Essa carta é um manifesto contra a homofobia. Descobri estupefato que homofobia não leva ninguém à cadeia. Este crime, que pode ser devastador na vida das pessoas, não tem defesa à altura. Algumas cometem suicídio e outras matam por simples preconceito, que, aliado à violência verbal, psicológica ou física, é uma das mazelas de nossa sociedade.

Não gostaria de me colocar no papel de vítima, mas sou e não posso deixar de querer meus direitos como cidadão de bem e exigir justiça para mim e, quiçá, para tantos outros homosexuais em meu país que também sofrem com isso diariamente e por anos em suas vidas. Homofobia precisa ser tratada com seriedade pela justiça e pela sociedade.

O objetivo dessa carta não é só esclarecer, de uma vez por todas e a quem interessar possa, a minha orientação sexual, mas também alertar para o verdadeiro crime psicológico e letal que as pessoas cometem ao perderem tempo de suas vidas para atacar os outros na internet ou nas ruas.

O que ainda me surpreende é a violência, a guerra, a discriminação, a intolerância, a falta de respeito entre pessoas iguais que se atacam pela diferença, seja pelo fato de alguém ser gay, hétero, preto , branco, rico, pobre, evangélico ou muçulmano. Se sou gay, isso não vai mudar em nada a vida de ninguém ou a de quem estiver lendo isso, mas meu caso talvez possa ajudar pessoas que sofrem com a discriminação sexual ou com qualquer outra forma de discriminação e preconceito. Não consigo entender porque as pessoas ainda se preocupam tanto com a sexualidade alheia e fazem disso motivo de discórdia e violência.

Existem mulheres e homens na internet dizendo coisas horríveis a meu respeito. Tenho sofrido ataques homofóbicos pelo fato de ter sido fotografado beijando um homem. Se eu fosse hétero jamais me envolveria com uma mulher preconceituosa e deselegante, porque também não me envolveria com um homem preconceituoso e deselegante. Ser um ser humano com bom caráter, honesto, amigo, leal, educado, gentil, generoso e outras qualidades é muito mais importante do que quem você beija ou se relaciona sexualmente, independentemente se você é homem ou mulher.

Por isso estou indo esta tarde à comissão dos direitos humanos entender quais são os meus direitos como cidadão e quem sabe assim servir de exemplo para que meu caso não seja mais um e isso possa mudar algo em nossa legislação.

Para terminar esse manifesto gostaria de homenagear e agradecer algumas pessoas que, antes de mim, tiveram a coragem de dar sua cara à tapa e declararam suas orientações sexuais sem medo de enfrentar as consequências: Kevin Spacey, Rick Martin, Ian McKellen, Alessandra Maestrine, Marco Nanini, Ney Matogrosso, Daniela Mercury e tantos outros. Deixo aqui meu muito obrigado e todo meu respeito a todos que lutam por esta causa: a da liberdade para que todos possam ser quem são.

Bom, a vida continua e quem quiser conferir meu trabalho, estou em cartaz no teatro Folha em São Paulo, a partir do dia 11 de janeiro, sempre as quartas e quintas, às 21 horas, na comédia Nove em Ponto, de Rui Vilhena.”

Leonardo Vieira

A União das Escolas de Samba Paulistanas vai promover concurso para eleger a Corte UESP LGBT, que será composta por Rainha Trans, Rainha Transformista, Rainha Drag e Passista LGBT.

As inscrições devem ser feitas entre os dias 9 e 23 de janeiro. Para se inscrever, o(a) candidato(a) deve ter entre 18 anos e 40 anos e apresentar carta de indicação de uma agremiação filiada à UESP, foto e ficha de inscrição preenchida, a serem entregues na sede da UESP.

Ao buscar uma maior integração com a comunidade LGBT, a UESP quer dar visibilidade à arte transformista e drag queen e valorizar a diversidade no Carnaval”, destaca Kaxitu Ricardo Campos, presidente da UESP.

O concurso será realizado no dia 9 de fevereiro, a partir das 20 horas, na quadra da Unidos de Vila Maria (Rua Cabo João Monteiro da Rocha, 448).

Mais informações: (11) 96173-3388.

Centro Cultural Banco do Brasil do Rio demitiu uma funcionária acusada de homofobia. O fato ocorreu na última sexta-feira, 30, quando um casal de lésbicas visitava o local. Ao saírem dali, modificaram um quadro e escreveram “Fora Lésbica!”

Em uma publicação na página oficial do CCBB Rio de Janeiro, o CCBB pede desculpas pelo lamentável fato ter ocorrido dentro do seu espaço e que repudia qualquer tipo de preconceito. Também, na mesma publicação, informam que fizeram o registro do boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia Centro Rio, relatando a discriminação sofrida pelas duas frequentadoras.

Para ilustrar a postagem, o CCBB usou uma foto tirada no Programa Educativo realizado em 17/05/2016 – Dia Internacional Contra a Homofobia:

Foto/Reprodução CCBB – Programa Educativo realizado em 17/05/2016 – Dia Internacional Contra a Homofobia

Além da funcionária, que teria visto e debochou da situação, um homem que também estava junto, foi considerado suspeito do ato e também estará sendo investigado. Se comprovado sua participação, ele poderá ser acusado pelos crimes de constrangimento ilegal e injúria.

Para Claudio Nascimento, coordenador do programa Rio Sem Homofobia, em entrevista ao site G1, “Após registrar a ocorrência, ela vai continuar recebendo nosso apoio jurídico e psicológico. A companheira dela está tão desconfortável com a situação que não quis vir registrar a ocorrência. Mas ainda espero que, após ver que a companheira foi bem tratada na delegacia, ela se anime a fazer o registro.”

E que mais gente não se cale diante das agressões homofóbicas.

Já estava tudo programado: nesta quinta, 05/01, a cantora Kim Burrell interpretaria uma canção ao lado de Pharrel Williamns no programa de Ellen DeGeneres. Entretanto, a participação de Burrell foi cancelada após ela deixar claro que não pediria desculpas sobre um vídeo onde ela aparece discursando contra homossexuais dentro de uma igreja.

No vídeo, Burrell se refere aos homossexuais como “pervertidos” e diz que “Deus os ama, mas odeia o pecado deles”. O discurso homofóbico foi feito na Igreja de Amor e Liberdade de Houston, nos Estados Unidos.

Ellen DeGeneres, uma das lésbicas mais respeitadas da televisão americana, postou em seu twitter:

Traduzindo:

“Para quem perguntou, Kim Burrell não aparecerá em meu show”.

E assim começamos bem o ano. Homofobia? Não!

Tchau querida Burrell!