terça-feira, maio 23, 2017
Segmento G
Segmento - Gays

Inclusão em um grupo maior é sempre um problema. Não seguir o padrão de sexualidade e gênero impostos pela sociedade significa ser alvo de críticas, preconceitos e olhares tortos em quase todos os lugares. Essa carga de preconceito pode ficar ainda mais pesada quando além de LGBT, você também tem algum tipo de deficiência.

A fim de dar visibilidade aos LGBTs com deficiência e proporcionar a criação de amizades fora do cenário virtual, a página do Facebook “Menino Gay“, está organizando o “1º Piquenique – LGBT com deficiência”, que acontecerá no Parque do Ibirapuera, no próximo dia 30.

Segundo os organizadores, o evento nasceu a partir da necessidade de trocar experiências e visão de mundo, pessoalmente. “Sentíamos falta desse contato presencial, então, em conversa com um amigo meu, o Altair Leonarde, que é uma pessoa com deficiência, ele deu essa ideia de realizarmos esse piquenique, para que possamos conhecer mais LGBT com deficiência.” disse Matheus Emílio, um dos criadores da página.

A proposta do evento é que cada um leve algo para comer/beber, e passe a tarde conversando e conhecendo outras pessoas que, de uma maneira ou de outra, dividem as mesmas dificuldades de inclusão.

O ponto de encontro será no portão 3 do Parque do Ibirapuera, às 13h. Depois do encontro, o grupo pretende ficar atrás do prédio da Bienal.

Mais informações do evento: https://www.facebook.com/events/1026588700776175/

A família Stronger – coletivo de jovens LGBT da capital paulista – e o Instituto Awuré promovem o I Congresso Diversas Vozes será realizado no dia 17 de maio, visando celebrar a data de combate nacional a LGBTfobia, a partir das 18h, na Câmara Municipal de São Paulo para LGBTs, integrantes de movimentos sociais, religiosos de matrizes africanas, jovens e demais interessados nas temáticas gênero, sexualidade, religiosidade, raça e etnia.

De acordo com a organização, o objetivo é divulgar informações sobre a história do movimento LGBT, promover reflexões sobre questões de gênero e sexualidade aos jovens e, com isso, despertar o desejo de militarem pelos direitos humanos e consequentemente pela comunidade LGBT.

O evento será composto de uma mesa em que os debatedores abordarão temáticas relacionadas à orientação sexual, identidade de gênero, religiosidade, racismo, machismo e misoginia.

Dentre os debatedores estão a professora Sheila Farias Costa, que é pós graduada na UNICAMP em ensino de história e editora executiva da revista Alternativa L (revista voltada para o público LGBT de São Paulo), Micheli Moreira, graduada em administração de empresas, membro do coletiva Luana Barbosa, do coletivo Periferia Preta e da caminhada de mulheres lésbicas e bissexuais, Thiago Oliveira Dias Muniz, graduando em matemática no Instituto Federal de SP e parceiro do Centro de Cidadania LGBT – Zona Sul na região de santo Amaro auxiliando nos encontros de homens Trans na instituição, Amanda Marfree, uma das cem primeiras alunas a concluir ensino médio via programa TRANSCIDADANIA, militante e ativista do movimento trans e Priscila Valentina, conselheira do Instituto Nice, ex-articuladora do Centro de Cidadania LGBT Arouche, frequentadora do candomblé a mais de 20 anos.

Na mediação da mesa estará presente Claudia Rosa, yalorixá, educadora social, ex- técnica de coordenadoria de participação popular e atualmente está envolvida em projetos sociais envolvendo mulheres e pessoas de baixa renda na periferia de São Paulo. Também estará o membro do coletivo família Stronger, Elvis Justino Souza, graduando em Gestão de Políticas Públicas – Universidade Nove de Julho e representante político do grupo. E o convidado Marcelo Monteiro, presidente Nacional do PPLE – Partido Popular da Livre Expressão.

SERVIÇO:

1º Congresso Diversas Vozes
Endereço: Palácio Anchieta – Viaduto Jacareí, 100 – Bela Vista
São Paulo – SP – CEP: 01319-900 – Salão Nobre – 8º andar.
Link do evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/42722720430686

Desde Março de 2016, o jornalista (MTB 80753/SP), escritor e bacharel em psicologia Fabrício Viana é a pessoa responsável pela assessoria de imprensa e comunicação da APOGLBT SP (ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo e outros eventos do Mês do Orgulho).

Fabrício Viana é um nome conhecido dentro da comunidade LGBT. Além de ter idealizado alguns projetos sociais para a comunidade no passado (ver Wikipédia), ele também escreve Literatura LGBT tendo, até o momento, publicado de forma independente quatro livros: O Armário (sobre a homossexualidade e os processos psíquicos que envolvem a “entrada e saída do armário”), Ursos Perversos (contos homoeróticos), Orgias Literárias da Tribo (coletânea LGBT) e seu mais recente sucesso chamado Theus: do fogo à busca de si mesmo (romance homoafetivo). Todos os seus livros podem ser comprados na versão impressa ou digital por meio do seu site pessoal http://fabricioviana.com/livros

Profissionalmente, Viana já trabalhou na ABN AMRO Bank, na multinacional Inter.Net, Catho, EmpregosComBr, Porto Seguro e DigiPronto, ocupando diversos cargos como gerente de negócios digitais e de comunicação e marketing.

Além de cuidar da assessoria de imprensa e comunicação da APOLGBT, ele também é responsável pelas mídias e redes sociais digitais. Todos os assuntos referentes a comunicação, produção de matérias para o site da Parada SP e redes passa por sua análise em conjunto com a diretoria.

Seu perfil no Facebook é:
http://facebook.com/fabricioviana.escritor

Caso você tenha um veículo de comunicação e quiser cadastrar no mailing da Parada SP, o link é:
http://paradasp.org.br/imprensa

Para conhecer todos os eventos/ações da APOGLBT SP de 2017, visite nossa agenda:
http://paradasp.org.br/agenda2017 

 

 

A APOGLBT SP, ONG responsável pela maior parada LGBT do mundo e outros eventos que compreendem o Mês do Orgulho (agenda aqui http://paradasp.org.br/agenda2017) abre uma vaga de estágio na área de jornalismo/assessoria de imprensa para o mês de Abril, Maio e Junho.

Perfil que buscamos:

– Boa redação;
– Vivência em redes sociais/hootsuite;
– Conhecimento/contato com veículos de imprensa;
– Conhecimentos sobre os movimentos sociais LGBTs (história, termos utilizados, vivência, etc);
– Estar devidamente matriculadx (a partir do quarto semestre) no curso de jornalismo ou comunicação social com habilitação em jornalismo;

Sobre o estágio:

O estágio será de segunda a sexta, das 10h as 17h30, com horário de almoço e ajuda de custos. A ONG está localizada na Praça da República em São Paulo (precisa ter fácil acesso ao local).

Envio de currículos:

Os currículos devem ser enviados para o e-mail fabricio.viana@paradasp.org.br até 13/04. Todxs xs candidatxs precisam ter disponibilidade para início imediato. Dúvidas? Apenas por e-mail.

Segundo nota no site do Sindicato dos Bancários/SP desta segunda (03/04), com um ano e seis meses de banco, o trabalhador era gerente de relacionamento Uniclass/PF do Itau no Núcleo de Relacionamentos de Gerentes do ITM.

Mesmo tendo recebido 10 prêmios pelo cumprimento de metas, com resultados acima da média, o trabalhador (não identificado na matéria) foi demitido por ser homossexual e postado fotos com o noivo nas redes sociais.

Segundo a nota, as reações discriminatórias apareceram após ele ter recebido destaque.

“Me repreendiam dizendo que eu me ‘soltava demais’ quando ganhava um prêmio, e que esta postura não é adequada. Também diziam que minhas roupas não eram as ideais para o trabalho, que meus ternos não estavam dentro dos padrões”, relembra o trabalhador.

A discriminação homofóbica chegou no limite na última semana, quando ele retornou de férias e postou fotos e vídeos nas redes sociais. Foi neste momento que ele foi chamado pelo gestor da área e informado que sua demissão era por conta de sua postura não adequada.

Segundo Fábio Pereira, dirigente sindical, “Não é a primeira vez que isso acontece no Itaú e, recentemente, denunciamos demissões de pessoas com deficiência. É preciso que o banco reveja suas posturas, e nós cobramos que esse tipo de coisa não aconteça novamente”.

A GLAAD (Gay & Lesbian Alliance Against Defamation) é um das maiores e mais respeitadas organizações de pesquisas dos EUA. Entre seus trabalhos conhecidos, ela orienta jornalistas e profissionais da mídia a retratar de forma não estereotipada gays e lésbicas. E mais, anualmente, premia atores, personalidades e profissionais que fazem um bom trabalho ligados à diversidade sexual. Esta premiação deles é semelhante ao nosso Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade.

Recentemente, a GLAAD publicou uma pesquisa onde mostra que, 20% da chamada Geração Y, se identificam com uma das siglas LGBT. Para quem não sabe, dentro da sociologia, o conceito “Geração Y”, para alguns autores são pessoas que nasceram após 1980 ou segundo outros, pessoas que nasceram entre 1970 e 1990: em outras palavras, que possuem mais afinidade com a Internet.

A pesquisa foi realizada com mais de 200 adultos em novembro/16 para o estudo chamado “Aceleração e Aceitação 2017”. O resultado analisado demonstrou que, aqueles que tinha entre 18 e 34 anos, são mais sucetíveis a se identificarem com as identidades LGBTs.

Segundo Sarah Kate Ellis, presidente da GLAAD, disse que “Esse estudo mostra que uma maravilhosa era de entendimento e tolerância entre as pessoas mais jovens – um sinal inspirador de esperança para o futuro”.

A pesquisa completa (em inglês) pode ser consultada aqui:
http://www.glaad.org/publications/accelerating-acceptance-2017

Embora acostumados com Facebook e outras redes, precisamos entender que tudo não passa de aplicações fechadas que promovem o contato social de seus membros. Tanto que, se alguém publica algo dentro destas redes e é replicado sem autorização em outra, pode ser processado pelo autor.

Claro que não é disso que iremos falar aqui. Mas sim, da quantidade de aplicações de comunidades existentes atualmente. E, em específico, comunidades LGBTs. Por isso apresentamos hoje uma delas: o AMINO APP.

Para quem não conhece, o aplicativo AMINO, que pode ser instalado em smartphones, tablets ou outros dispositivos com Android ou iOS gratuitamente, nada mais é que uma rede de blogs, links e perfis criados, em um sistema fechado (mas que pode ser compartilhado) sobre diferentes temas: esportes, animes, geeks, estilos de vida e, claro, LGBTs.

Tanto que o aplicativo AMINO ganhou uma versão exclusiva LGBT para Android.

Ao instalar, você cria um perfil, inclui fotos e lê notícias e publicações de outros usuários cadastrados. Quanto mais você interage, mais seu nível nele aumenta. E os níveis de interação são bem fofos e criativos:

Lv1: Novo Arco-íris
Lv2: Unicórnio
Lv3: Fada Arco-íris
Lv4: Ninfa Arco-íris
Lv5: Membro Purpurina
Lv6: Brilho LGBT
Lv7: Estrela LGBT
Lv8: Magia LGBT
Lv9: Reluzente LGBT
Lv10: Orgulho LGBT

E assim vai indo até o Lv20. Passando pelos nomes “Celebridade”, “Monas Amadas”, “Mona Lendária” e o “LGBT Forever”.

Gostou? Então corre lá e instala. O aplicativo é gratuito e, pelo que observamos nas publicações, os membros se ajudam muito nas questões de aceitação, encontros, humor, vida sentimental, cultura e, até mesmo, militância.

APP AMINO LGBT para Android:
https://play.google.com/store/apps/details?id=com.narvii.amino.x228302996

APP AMINO para iOS (dentro da aplicação, pesquise a comunidade LGBT):
https://itunes.apple.com/app/id1115565187

Conhece outros aplicativos? Deixe o nome nos comentários! 🙂

Participe de oficina sobre Estado Laico!

A APOGLBT SP, por meio do seu Grupo de Trabalho chamado Comunicação Cidadã, terá ação inédita neste ano e você é fundamental para realizá-la!

Como forma de propagar o tema da Parada deste ano, a defesa do Estado Laico, a entidade colocará estandes em pontos de grande movimentação de pessoas na cidade de São Paulo. O objetivo é, por meio do diálogo e de material impresso, conversar com o público em geral sobre a importância da separação da religião e do Estado, e o quanto a nossa cidadania corre risco enquanto isso não acontece.

Para você participar dessa ação, inscreva-se na oficina que será realizada neste sábado, dia 1º de abril, entre 14h e 17h30, no Sindicato dos Comerciários (R. Formosa, 99 – Centro, São Paulo – SP). No evento, especialistas falarão sobre Estado Laico e será alinhada a forma de atuação do voluntariado nessa atividade.

Para inscrever-se, preencha o formulário abaixo! E chame mais e mais pessoas! Evento no Facebook, clique aqui.

A Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo – APOGLBT, por meio de uma Petição Online, vêm publicamente solicitar ao nosso Governador do Estado de São Paulo, que dê continuidade ao processo de transferência do Museu da Diversidade Sexual (MDS), da sua atual sede, no Piso Mezanino da Estação República do Metrô de São Paulo, para a sua sede definitiva, na Avenida Paulista, nº 1.919, no Palacete Franco de Mello.
 .
Para isso, solicita a todas as pessoas interessadas neste processo, a assinar a Petição Online abaixo:
.

http://paradasp.org.br/peticaomds

 

ATO BASTA, CHEGA DE LGBTFOBIA!

Em 65 dias de 2017, 70 LGBTS ASSASSINADOS no Brasil!

O cruel assassinato da trans DANDARA no Ceará é apenas mais um de um genocídio diário. 338 HOMOCÍDIOS no ano passado. Precisamos pressionar o Governo Temer para aprovar a criminalização da homofobia!

A APOGLBT SP convoca todas as ONGs de militância, coletivos e militantes independentes para se unirem a este ATO BASTA, CHEGA DE LGBTFOBIA!

O ato será no dia 18/03/2017 na Praça Roosevelt, com concentração as 16h e início as 17h. Sairemos em caminhada pela Av. Ipiranga, Praça da República, Vieira de Carvalho e Largo do Arouche.

Até o momento, estão com a gente:
– Família Stronger
– Mães pela Diversidade
– Associação Cultural Dynamite
– Familia Lobos
– Familia Vallentiny.
– Roda de Conversa
– Comissão da oab de Jundiaí
– Ong Liberdade de Amar
– Instituto Nice
– ONG Aliados (Aliança Pela Livre Identidade e Apoio â Diversidade de Orientação Sexual) de Jundiaí/SP
– Cursinho Transformação
– Forum LGBT de Mogi das Cruzes
– Associação Casarão Brasil
– Instituto Omindaré
– Diversidade Tucana Municipal
– Revolta da Lâmpada
– Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual e de Gênero
– IBRAT
– CAIS – Centro de Apoio e Inclusão Social de Travestis e Transexuais

Faça parte desta lista. Mande um e-mail para parada@paradasp.org.br e vamos, todas as pessoas juntas, promover este ato contra a LGBTFobia que, em 65 dias, já matou 70 pessoas LGBTs.

Serviço:

ATO BASTA, CHEGA DE LGBTFOBIA!
Dia 18/03, concentração as 16h
Local Praça Roosevelt – São Paulo / SP
Link do evento http://paradasp.org.br/atobasta