sábado, abril 29, 2017
Segmento L
Segmento L - Lésbicas

Em entrevista ao Guia Gay São Paulo, um dos veículos LGBTs mais atuantes da comunidade, Ivan Batista, 46 anos, disse que irá priorizar o projeto Transcidadania, criar capacitação para o respeito LGBT, estabelecer parcerias com empresas e trabalhar junto com a APOLGBT SP para a realização da 21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo e outros trabalhos da comunidade.

Para quem não conhece, Iva Batista sempre foi um nome conhecido dentro do movimento social LGBT. Isso porque ele já trabalhou no órgão municipal de ações pró-LGBT do município paulista. O convite, para retornar como coordenador, partiu da secretária de Direitos Humanos Patrícia Bezerra.

Segundo Ivan, ainda em nota ao Guia Gay, o convite só foi aceito por conta de sua atuação em programas como o Programa Operação Trabalho (POT), hoje chamado de “Transcidadania”.

Com uma personalidade impar, Ivan não comenta sobre a administração passada, diz apenas que irá aproveitar todas iniciativas positivas, ampliar e melhorar.

Ontem mesmo, Ivan recebeu a diretoria da APOGLBT SP, Ong responsável pela Parada LGBT de São Paulo, para conversar sobre possíveis projetos e trabalhos em conjunto. Reunião, inclusive, publicada no Instagram oficial da APOGLBT.

O que todxs esperamos, e torcemos, é que Ivan realize um ótimo trabalho. Competência ele sempre teve. Vamos aguardar.

Nesta última reunião, realizada sábado (04/02), foi decidido em conjunto alguns GTs (Grupos de Trabalho) que deverão realizar projetos e atividades antes, durante e/ou após o Mês do Orgulho LGBT.

Ficou decidido democraticamente (assim como seus membros participantes):

01 – GT – JUVENTUDE
Elvis, Jal, Cristiano, Franklin, Kadu e Carlos Henrique

02 – GT – FAMÍLIA LGBT
Lolita Sala e Nelson Matias

03 – GT – Inter-religioso
Wellington, Jean, Mafra, Cássio, Miguel, Pérsio, Gabriel, Renato e Franklin

04 – GT – Movimentos Sociais e Coletivos
Jean, Nelson, Cleide, Patricia, Miguel, Mafra, Brunna Valin, Diego Veiga e Gabriel

05 – GT – Articulação Política
06 – GT – Mulheres LB
Lolita Sala, Tâmara Smith, Gorete e Bruna Svetlic

07 – GT – Gays e Bi
Renato Viterbo, Gilson Ney e Welton.

08 – GT – Identidades Trans, Não-binários e Intersexo
Brunna Valin, Adriana Bonita e Flávia Carvalhaes

09 – GT – Pessoas com deficiência
Cássio Rodrigo, Claudio Rubino, Ivone Oliveira e Adilson Vieira

10 – GT – Comunicação Cidadã/Ações de Divulgação do tema Estado Laico
Welton, Diego Veiga, Miguel, Cristiano, Gilson Ney e Clovis Casemiro

11 – GT – Esportes
Erico, Diego Oliveira, Adilson, Renato, Fátima, Cássio e Mafra

Para a próxima reunião que informaremos aqui no site e em nossas redes sociais, os GTs deverão apresentar proposta de trabalho e cronograma. Os GTs que não apresentarem, serão excluídos.

Aproveitando sua visita, participe também dos nossos eventos no Facebook:

Bloco da Diversidade – Carnaval 2017
https://www.facebook.com/events/1851424821805060/

21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo 2017 – Evento Oficial
https://www.facebook.com/events/105978123240834/

Idealizado por Isadora Fraga, 23 anos, e Vicky Fechine, 25 anos, o objetivo do canal no Youtube é falar sobre o “mundo das lésbicas”.

Com o nome de “Vlog Censuradas”, Fraga e Fechine contam que falar sobre o “mundo das lésbicas” é desmistificar a imagem criada pela sociedade sobre a comunidade LGBT, mostrando seu estilo de vida que, se formos observar, não é tão diferente da maioria.

Com atualizações frequentes, o canal tem fanpage no Facebook e conta no Instagram. Só o perfil no Youtube já conta com mais de 3 mil pessoas inscritas totalizando mais de 170 mil visualizações.

Entre os vídeos mais acessados, estão:

5 apps de paquera lésbica

10 séries para Lésbicas

5 filmes de Comédia Lésbica

Para conhecer outros vídeos, acesse o canal:
https://www.youtube.com/CensuradasVlog

E se tiver mais canais interessantes, de gays, lésbicas, bissexuais ou pessoas trans, indique pra gente! 🙂

Após a diretoria da APOGLBT SP detectar um perfil fake da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo no Facebook com mais de 25 mil curtidas, Fabrício Viana, que é jornalista e assessor de comunicação da ONG, entrou em contato com o Facebook para que a página fake fosse excluída e o perfil oficial da Parada fosse autenticado.

“Apesar de ser um evento público de luta pelos direitos LGBTs, hoje considerado a maior manifestação LGBT do mundo, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo tem um responsável, que é a ONG APOGLBT SP. Caso ocorra algo durante a Parada, por exemplo, a única responsável é a ONG. Logo, não podemos deixar que perfis nas redes sociais se passem por nós. Inclusive se comunicando com uma linguagem não apropriada.”, ressalta Viana.

O perfil fake foi deletado pela equipe do Facebook e a página oficial da Parada do Orgulho LGBT de SP foi finalmente autenticada. Ela ganhou um “selo azul” ao lado do nome. O endereço da página é:
http://facebook.com/paradasp

Com relação as outras redes sociais, o link do perfil da Parada LGBT de SP é:
Twitter: http://twitter.com/paradasp
Instagram: http://instagram.com/paradasp

Desde 2016 a APOLGBT SP aumentou seus esforços para atualizar constantemente seu portal http://www.paradasp.org.br e suas redes sociais, garantindo assim uma presença digital mais forte: levando informações sobre a comunidade LGBT, sobre a ONG APOGLBT SP e sua atuação que, ao contrário do que muitos imaginam, ocorre ao longo do ano (e não somente na época da Parada).

Aliás, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo já tem tema, data e slogan neste ano. Será no dia 18/06/2017 a partir das 10h na Avenida Paulista.

O evento oficial da Parada LGBT no Facebook (diferente da página) é:
https://www.facebook.com/events/105978123240834/

Tema de 2017:
Estado Laico
“Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico.”

O ministro do Turismo Marx Beltrão (PMDB) recebeu nesta terça (10) em Brasília o presidente da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, o advogado Fernando Quaresma, junto com ativistas e empresários LGBTs para discutir ações de interesse da comunidade LGBT.

Na reunião, também estiveram presentes Welton Trindade, sócio-proprietário da Guiya Editora, Michel Platini e Rafael Lira, da Associação da Parada do Orgulho LGBT de Brasília, Maria do Céu, representante do Ministério da Cultura no Nordeste e empresária LGBT, Nildo Correia, presidente do Grupo Gay de Alagoas, Tuca Sutanum, organizador do festival LGBT Love Noronha, Toni Reis, presidente da Aliança Nacional LGBTI e Thiago Malva, sócio-proprietário do clube Victoria Haus.

O coletivo entregou ao ministro o documento “Turismo LGBT: Cidadania, Diversidade e Desenvolvimento Econômico”, com propostas para o setor.

Marx Beltrão disse que atenderá às seis demandas apresentadas:

– Criação de Comitê pelo Desenvolvimento do Tursimo LGBT;
– Inclusão de homossexuais em campanhas de mídia feitas pelo órgão;
– Divulgação no exterior do Brasil como destino turístico LGBT;
– Envio de carta ao Congresso Nacional com pedido para apoio da aprovação da Lei João W. Nery;
– Realização de oficina de capacitação em turismo para as Paradas;
– Apoio financeiro aos eventos de grande potencial de atração de viajantes por todo o País.

Para Fernando Quaresma, advogado e presidente da APOGLBT SP, esse encontro significa o início de uma grande parceria uma vez que a Parada LGBT de São Paulo traz um grande número de turistas, gerando renda para diversos segmentos.

A União das Escolas de Samba Paulistanas vai promover concurso para eleger a Corte UESP LGBT, que será composta por Rainha Trans, Rainha Transformista, Rainha Drag e Passista LGBT.

As inscrições devem ser feitas entre os dias 9 e 23 de janeiro. Para se inscrever, o(a) candidato(a) deve ter entre 18 anos e 40 anos e apresentar carta de indicação de uma agremiação filiada à UESP, foto e ficha de inscrição preenchida, a serem entregues na sede da UESP.

Ao buscar uma maior integração com a comunidade LGBT, a UESP quer dar visibilidade à arte transformista e drag queen e valorizar a diversidade no Carnaval”, destaca Kaxitu Ricardo Campos, presidente da UESP.

O concurso será realizado no dia 9 de fevereiro, a partir das 20 horas, na quadra da Unidos de Vila Maria (Rua Cabo João Monteiro da Rocha, 448).

Mais informações: (11) 96173-3388.

Centro Cultural Banco do Brasil do Rio demitiu uma funcionária acusada de homofobia. O fato ocorreu na última sexta-feira, 30, quando um casal de lésbicas visitava o local. Ao saírem dali, modificaram um quadro e escreveram “Fora Lésbica!”

Em uma publicação na página oficial do CCBB Rio de Janeiro, o CCBB pede desculpas pelo lamentável fato ter ocorrido dentro do seu espaço e que repudia qualquer tipo de preconceito. Também, na mesma publicação, informam que fizeram o registro do boletim de ocorrência na 1ª Delegacia de Polícia Centro Rio, relatando a discriminação sofrida pelas duas frequentadoras.

Para ilustrar a postagem, o CCBB usou uma foto tirada no Programa Educativo realizado em 17/05/2016 – Dia Internacional Contra a Homofobia:

Foto/Reprodução CCBB – Programa Educativo realizado em 17/05/2016 – Dia Internacional Contra a Homofobia

Além da funcionária, que teria visto e debochou da situação, um homem que também estava junto, foi considerado suspeito do ato e também estará sendo investigado. Se comprovado sua participação, ele poderá ser acusado pelos crimes de constrangimento ilegal e injúria.

Para Claudio Nascimento, coordenador do programa Rio Sem Homofobia, em entrevista ao site G1, “Após registrar a ocorrência, ela vai continuar recebendo nosso apoio jurídico e psicológico. A companheira dela está tão desconfortável com a situação que não quis vir registrar a ocorrência. Mas ainda espero que, após ver que a companheira foi bem tratada na delegacia, ela se anime a fazer o registro.”

E que mais gente não se cale diante das agressões homofóbicas.

Já estava tudo programado: nesta quinta, 05/01, a cantora Kim Burrell interpretaria uma canção ao lado de Pharrel Williamns no programa de Ellen DeGeneres. Entretanto, a participação de Burrell foi cancelada após ela deixar claro que não pediria desculpas sobre um vídeo onde ela aparece discursando contra homossexuais dentro de uma igreja.

No vídeo, Burrell se refere aos homossexuais como “pervertidos” e diz que “Deus os ama, mas odeia o pecado deles”. O discurso homofóbico foi feito na Igreja de Amor e Liberdade de Houston, nos Estados Unidos.

Ellen DeGeneres, uma das lésbicas mais respeitadas da televisão americana, postou em seu twitter:

Traduzindo:

“Para quem perguntou, Kim Burrell não aparecerá em meu show”.

E assim começamos bem o ano. Homofobia? Não!

Tchau querida Burrell!

O psicólogo Pedro Sammarco e o advogado Bryan W. Suárez criaram um grupo no Facebook onde discutem e ajudam, na medida do possível, homossexuais que possuem homofobia internalizada.

Para quem não sabe, a grosso modo, quando um homossexual nasce, ele (ou ela) – durante toda a sua vida – acaba escutando da sociedade que a homossexualidade é algo ruim (em vários sentidos). Mesmo que ele se assuma e seja “resolvido”, saindo inclusive do armário, é comum que ele ainda tenha resíduos desta homofobia em seu inconsciente: condenando, inclusive, beijo gay em público ou coisas que não deveriam incomodar.

Então, se você conhece alguém que “tem homofobia contra si”, indique o grupo para esta pessoa.

O endereço é:

https://www.facebook.com/groups/autopreconceito/

E ajude a divulgar este conceito “homofobia internalizada”. Afinal, muitos homossexuais, inclusive “assumidos” tem e precisam eliminar de sua vida.

Por um mundo mais saudável. Sempre!

Com casais heterossexuais, gays e personagens trans, a campanha do Governo Federal foi lançada agora, no final de Dezembro, e inclui cartazes e vídeos que falam a respeito da prevenção ao HIV.

No vídeo abaixo, por exemplo, citam não apenas o uso da camisinha, mas também sobre PreP e até mesmo comentam, rapidamente, que quem tem HIV e toma medicação, geralmente tem carga viral baixa e não transmite HIV.

Bacana, não? Assista ao vídeo completo aqui:

Entre os cartazes, alguns deles, aqui: