domingo, março 26, 2017
Segmento L
Segmento L - Lésbicas

Muitos imaginam que a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, hoje a maior Parada LGBT do mundo, é realizada “de um dia para o outro”. Mas não, por isso sempre que podemos, passamos esta informação aqui no site ou nas redes sociais: a Parada é construída ao longo dos anos e envolve não só o trabalho da APOGBLT SP (www.paradasp.org.br), única ONG responsável por sua realização, como também coletivos e militantes independentes que auxiliam em seu trabalho.

Por isso, ao longo do ano, são realizadas várias reuniões para definir, junto da comunidade LGBT, o caminho que a Parada deverá seguir. Recentemente, conseguimos, e em conjunto, definir o tema e o slogan da Parada LGBT de 2017:

Tema: Estado Laico
Slogan: Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico.

E ainda uma justificativa para estes dois, que pode ser lida integralmente aqui

Com a definição do tema e slogan concluído. O próximo passo foi abrir a seleção da Arte da Parada 2017, que também fizemos por meio do nosso site e redes sociais, que podem ser visualizadas aqui.

Felizmente, a repercussão desta seleção foi grande e recebemos um número significativo de trabalhos realizados por ilustradorxs, desenhistas e designers.

Em nossa reunião, realizada dia 17/12/2016, em comum acordo, a diretoria da APOGLBT SP, juntamente com os coletivos e militantes independentes, decidiram premiar duas pessoas, ao invés de apenas uma. E assim, unir parte da arte de um e parte da arte do outro, resultando em uma arte unificada.

Os contemplados foram o Pedro Castro e o Getúlio Lima. Ambos tiveram suas artes aprovadas e receberão dois convites cada para o trio da APOGLBT SP durante a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo em 2017.

Por este mesmo motivo, demoramos para divulgar a arte escolhida: tivemos que agradecer aos dois e pedir, encarecidamente, que eles mesclassem suas artes em uma só (sem alterar os conteúdos individuais aprovados). O que foi feito na semana seguinte.

Após a mesclagem, em reunião da diretoria da APOGLBT SP, firmando o acordo e votação realizado com os coletivos e militantes independentes, finalmente temos a Arte da Parada LGBT de 2017:

Em nome da diretoria da APOLGBT SP, militantes e coletivos, agradecemos a participação de todxs xs envolvidxs e lembramos que a construção deste movimento político, mas que também carrega alegria, é feito em conjunto e por isso conta com todxs.

Nosso trabalho? Está só começando!

Daniel Moreira e Guilherme Viana decidiram ler livros com temática LGBT e, logo em seguida, resenhar em áudio um pouco do conteúdo e publicar no site que criaram chamado Semtions.

E, engana-se quem acha que as resenhas são simples ou superficiais. Nada disso. Gui e Ton, como um chama o outro carinhosamente durante as apresentações, leem os livros juntos e no decorrer da gravação do áudio, eles comentam o que mais gostaram, o que o livro aborda, a construção de alguns personagens e a melhor parte: contam sem contar, ou seja, não dão spoilers.

O projeto, que tem pouco tempo de vida, já resenhou quatro livros com temática LGBT e o áudio, sobre os livros lidos até o momento, podem ser escutados tanto pelo site quanto pelos seus perfis no Soundcloud e Youtube.

Ficaram curiosxs? Escute agora mesmo os quatro livros resenhados até o momento (em ordem cronológica):

Semitons #04 – Theus – Fabrício Viana

Semitons #03 – Condicional – Paulo Sérgio Moraes

Semitons #02 – Scarlet – Reynaldo Araújo

Semitons #01 – 30 dias – Moa Sipriano

Participe, comente e compartilhe o projeto Semitons:

www.semitons.com.br

Todos os livros podem ser adquiridos na Amazon em ebook ou em sites específicos, basta fazer uma busca no Google.

O grupo Rainbow Cities Network (RCN), que até o momento integrava 29 cidades mundiais que possuem políticas públicas LGBTs, agora tem mais dois municípios em sua lista: São Paulo e a Cidade do México, no México.

Totalizando agora 31 cidades, o grupo RCN busca promover o intercâmbio de experiências, intervenções e iniciativas em políticas LGBTs, facilitando assim o aprendizado nas melhorias sociais para esta comunidade.

A adesão da cidade de São Paulo à RCN não é a primeira atividade internacional LGBT paulista. Em 2014, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos (ACNUDH) lançou no Brasil, em parceria com a SMDHC, a campanha Livres e Iguais, para aumentar a conscientização sobre a violência e a discriminação a população LGBT.

Recentemente, o Programa Transcidadania foi selecionado para se apresentar no Congresso da Associação Internacional de Cidades Educadores (AICE) em Rosário (Argentina), integrando também seu banco online de melhores experiências.

As políticas LGBTs do município já tiveram repercussão internacional por meio de diferentes canais de notícias como o El Pais e o The Guardian.

Vale dizer, também, que a maior Parada do Orgulho LGBT do mundo, é realizada em São Paulo, tendo como única e responsável a ONG APOGLBT SP, que pode ser acessada pelo site www.paradasp.org.br

 

Fora do Brasil, em países desenvolvidos, é comum ver publicidade direcionada ao público LGBT em jornais, revistas, portais e TVs. Porém, também é comum vermos que muitas multinacionais, que fazem estas propagandas direcionadas lá fora, não tem a mesma “coragem” por aqui. As vezes, parecem até serem outras empresas.

A desculpa velada que chega aos nossos ouvidos? A “cultura brasileira”. Porém, nestes longos anos, já tivemos exemplos fantásticos de publicidade que respeita as diferenças por aqui. Algumas delas, inclusive, foram premiadas pela APOLGBT SP por meio do prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade (aliás, assista ao vídeo do último evento realizado neste ano, clicando aqui).

O fato é que, sempre que vemos alguma empresa demostrando esse respeito com publicidades direcionadas, todos nós vibramos. É o caso da Unimed, unidade de Itapetininga que, no dia 12 de dezembro, publicou em seu Facebook o texto “O mundo mudou, mas a Unimed permanece valorizando a vida e respeitando a diversidade. Para o amor, respeito. Para sua família, Unimed! ” com a seguinte imagem:

Até este momento, a propaganda teve mais de 10 mil reações, 4.172 compartilhamentos e 879 comentários: a maioria são positivos!

Existem muitos trabalhos de qualidade voltados para a cultura e militância LGBT sendo produzidos em São Paulo. Um deles é o Drag Contest, evento que reúne grandes personalidades LGBTs em um gostoso concurso de Drag Queens.

Realizado há 9 anos pelo CCJ Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso (Vila Nova Cachoeirinha), o evento conta com o apoio da Secretaria de Cultura e Prefeitura de São Paulo e esta sendo organizado nos últimos anos pelo diretor artístico Claudinei Hidalgo, com produção de Diego Oliveira e Adalberto Ladislau, apresentação da Drag Tchaka e sua assistente de palco, a Drag Queen Sabrina Aprendiz de Feiticeira.

Entre os jurados deste ano, estiveram Jal Vieira, do projeto Auqeenda, Pyetrah Hass, a Rainha da Virada 2016, a ganhadora da primeira edição do Academia de Drags Gisele Papovick, a travesti Luana, uma das representantes do Grupo Valéria e a travesti Luiza Marilac, com seus “bons drinks”.

Em conversa com nossa redação, Claudinei Hidalgo disse que o principal foco do projeto são os workshops e palestras passados aos candidatos: temas importantíssimos ligados a saúde, legislação e arte.

Após um saudável empate, neste ano, a ganhadora foi Morgana Striker. Confira o vídeo dos melhores momentos em 2016:

Para participar do Drag Contest 2017, Hidalgo disse que a data ainda não foi marcada, mas que todxs xs interessadxs podem curtir a página do CCJ por meio deste link:

https://www.facebook.com/Centro-Cultural-da-Juventude-Ruth-Cardoso-149676065087416

Assim que abrirem vagas, a nota será divulgada na página deles.

Miguel Silvestre, ator que interpreta o personagem gay Lito Rodrigues na série Sense 8 da NetFlix, lamenta a homofobia existente no Brasil em entrevista dada durante a CCXP em São Paulo.

A CCXP – Comic Con Experience ocorreu entre os dias 1 e 4 de Dezembro e recebeu convidados, artistas, empresas e diversos profissionais da área do entretenimento no Brasil e no mundo. Um deles, foi Miguel Silvestre que, conhecendo a história e casos homofóbicos no Brasil, disse:

É mesmo muito triste que isso aconteça. Ainda mais em um país como o Brasil com a maior parada gay no mundo, onde as pessoas expressam como amam. O que eu admiro em Sense8 é como ele mostra que por mais diferentes sejam as culturas e as pessoas, no final somos muito semelhantes.

A segunda temporada da série, comandada por Lana e Lilly Wachowski e que teve cenas gravadas durante a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo neste ano, esta prevista para ir ao ar em Maio de 2017. Segundo rumores, um especial de Natal deve ir ao ar no dia 23 de Dezembro.

Vamos aguardar!

O MDS, Museu da Diversidade Sexual, apresenta o Sarau Literário LGBT de Natal. A atividade tem como objetivo promover uma tarde descontraída entre leitores e autores de livros com temática LGBT.

Entre xs autorxs convidadxs, estarão Drikka Silva, Karina Dias, Mayti Ulian, Priscila Cruz, Ana Luiza Libânio, Lis Selwyn, Marisa Medeiros, Ana Paula Enes, Ruth Vanessa, Lara Orlow, Fabricio Viana e Dario Neto. Além de editoras especializadas em literatura LGBT.

sarau-literatura-lgbt-natal

O evento vai das 14h as 18h e diversos livros poderão ser adquiridos diretamente com seus autores/editoras. Quem desejar recitar textos, trechos de livros, etc, será bem recebidx.

O MDS fica dentro do Metrô República em São Paulo, mais especificamente no mezanino (fora das catracas). Caso não consiga encontrar, basta perguntar aos funcionários do metrô.

Para confirmar sua presença no Facebook, o link é:
https://www.facebook.com/events/1871925469704784

Aproveite e convidem xs amigxs. Incentive autores nacionais e a produção literária LGBT.

A 16ª edição do Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade foi realizada na Academia Paulista de Letras dia 27 de Maio de 2016 e contou com várias personalidades, ONGs e empresas que promovem a cidadania em respeito à diversidade. Segue a lista dos homenageados e, logo em seguida, o vídeo do evento!

Categoria / Homenageado

Ação Social- Cultural: A Revolta da Lâmpada
Artes Cênicas: BR – Trans
Cinema Internacional: A Garota Dinamarquesa
Cinema Nacional: As Bodas do Diabo
Direitos Humanos: Comissão da Diversidade da OAB
Documentário: Bichas
Educação: ⁠⁠⁠Luíza Coppieters
Educação: Roberto Muniz Dias
Especial: Lady Gaga – Ativismo pró LGBT
Esporte: Adidas
Esporte: Técnica de Futebol Gretchen Silva
Imprensa: Carteira assinada para Transexuais
Internacional: França – Doação de Sangue
Internet: Facebook – Campanha Casamento Igualitário
Jovens: Matheus Emílio
Literatura: A Princesa e a Costureira
Memória: Márcia Gianete
Memória: Phedra de Cordoba
Memória: Vitor Angelo
Memória: Welclegno Araújo
Militância: André Pomba
Militância: Fábio de Jesus – Arco-Íris
Militância: Luiz Uchoa
Música: Luana Hansen
Publicidade: L’Oréal Paris
Saúde: Ministério da Saúde – Campanhas LGBT
Trabalho: Site TRANSEmpregos
TV: Amor e Sexo – Fernanda Lima

 

Em nota divulgada nesta terça, 30/11, a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que pelo menos 40% dos portadores do vírus HIV no mundo, não sabem que possuem o vírus no corpo.

Segundo Margaret Chan, diretora geral da OMS, “Milhões de pessoas que têm o HIV não se beneficiam do tratamento indispensável e que, igualmente, pode impedir que transmitam o vírus a outros indivíduos”.

Uma das principais razões do desconhecimento das pessoas é a dificuldade de acesso aos lugares que realizam o diagnóstico. Para piorar, dos que sabem que tem o vírus, aproximadamente 18 milhões não tem acesso ao tratamento de antirretrovirais.

Diante desta estimativa, a OMS incentiva o autoteste, que pode ser feito com um pouco de saliva ou furando a ponta do dedo com uma agulha. Além do mais, o autoteste proporciona um resultado privado, em lugar confortável e com resultado pronto em até 20 minutos.

Nos últimos 10 anos, o total de pessoas que souberam que tinham HIV passou de 12% a 40% na escala mundial. E, conforme alguns estudos, quem tem HIV, toma antirretrovirais e tem carga viral indetectável, não transmite HIV para outras pessoas. Um dos problemas do HIV é, realmente, não saber que tem. Quem não sabe, tem carga viral alta, uma probabilidade de transmissão maior e, quando descobre o vírus, geralmente é tarde demais.

Por isso, na dúvida, a melhor forma de prevenção é o uso da camisinha. Agora, se você praticou sexo desprotegido, faça o teste. É um bem que você fará para você mesmo e para todos aqueles que tem contato.

A SEDPAC (Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania), por meio do EFDH (Programa Escola de Formação em Direitos Humanos) promoverá, a partir de dezembro, os cursos “Direitos Humanos e Cidadania: Proteção, Promoção e Reparação dos Direitos das Pessoas LGBT e de Identidade de Gênero” e o curso “Direitos Humanos e Cidadania: Proteção, Promoção e Reparação dos Direitos das Mulheres”.

Oferecidos na plataforma EAD (Ensino à Distância), por meio da plataforma Moodle, e com carga horária de 60horas/aulas, os cursos são destinados aos agentes públicos estaduais e municipais, estudantes universitários e membros da sociedade civil.

Com término previsto para 5 de fevereiro de 2017, os cursos terão disciplinas com temas relacionados aos Direitos Humanos e Dignidade da Pessoa Humana, Classificações dos Direitos Humanos, Cidadania e Direitos Humanos, Legislação, Identificação e enfrentamento das violações de Direitos Humanos, Redes de Atendimento e Proteção, Planejamento, monitoramento e avaliação em Ações de Direitos Humanos.

Outros temas serão oferecidos em módulos específicos para cada curso, como Proteção, Promoção e Reparação dos Direitos das Mulheres e dos Direitos das Pessoas LGBT e de Identidade de Gênero.

Todxs xs interessadxs devem fazer sua inscrição pelo site www.direitoshumanos.mg.gov.br, menu Cursos e Capacitações, digitando o código SEDPAC280 para o curso sobre direitos LGBT e SEDPAC281 para direitos das mulheres.