Eliseu Neto que ajudou para que a LGBTfobia se tornasse crime no Brasil sofre LGBTfobia

O fato ocorreu no último sábado (4), quando o secretário parlamentar no Senado, coordenador nacional da área de diversidade do partido Cidadania e ativista LGBT Eliseu Neto estava com seu namorado Ygor Higino e resolveu solicitar um carro pelo aplicativo da empresa 99.

Ao se dar conta de se tratar de um casal gay, o motorista expulsou os dois. Eles então foram pedir ajuda para um policial que fez pouco caso:

“O agente policial foi agressivo e leniente. Tirei foto do palco, pedi a identificação. Meu namorado ficou assustado e preferimos ir embora na hora”, contou. Em seu Twitter, ele ainda denunciou o sistema de BO online que não tinha a opção de inserir o crime de LGBTfobia:

Em resposta, a 99 afirmou que este tipo de atitude não é aceito pela plataforma: “Seguimos com todas as informações repassadas à vítima e informamos que, após análise, o motorista foi descredenciado do aplicativo”.

Em nova publicação no Twitter, Eliseu informou:

A Polícia Civil de Pernambuco instaurou inquérito para apurar o caso. A investigação ficará sob responsabilidade do delegado Breno Varejão, da Delegacia da Boa Vista.


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Nosso evento no Facebook para 2020 foi criado: ParadaSP 2020
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é o jornalista (MTB 80753/SP) responsável pela assessoria e comunicação da APOGLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Para a página de Imprensa, aqui. Contato com a Diretoria da ONG, aqui. Seja um Associado/a, aqui