Exposição “Plural 24h” no Museu da Diversidade Sexual em São Paulo

Coletiva exibe trabalhos de 12 artistas, entre fotografias e desenhos

O Museu da Diversidade Sexual, equipamento do Governo do Estado de São Paulo administrado pela organização social de cultura APAA, inaugura no dia 24 de janeiro uma nova exposição. Intitulada “Plural 24h”, a mostra coletiva traz obras de 12 artistas produzidas nas técnicas fotografia e desenho, abordando situações rotineiras vividas por pessoas da comunidade LGBTI+. A entrada no Museu da Diversidade Sexual é gratuita.

Os trabalhos exibidos em “Plural 24h” retratam as mais diversas ações e situações presentes nesse universo: a vida de trabalho – do formal às apresentações em casas noturnas –, a construção do próprio corpo e a relação com o corpo do outro, o preconceito e a reação em forma de empoderamento, entre outros.

Carolina Carettin nos mostra o ambiente de trabalho de um homem trans: uma sala de aula. Iano Coimbra, em contraste, apresenta cenas de bastidores e apresentações de performers da noite LGBTI+ de Santa Clara, no centro da ilha de Cuba.

Fe Maidel, através de desenhos, relata o processo cronológico de construção de seu próprio corpo, ao passo que Melina Rezende nos convida à intimidade de um quarto de motel e Barbara Cunha explora a estética do fetiche.

Rosa Luz, através de fotografias em preto e branco, trata da posição de marginalidade à qual as pessoas trans ainda são tratadas em nossa sociedade, enquanto Cleiton de Paula, também com fotos em P/B, exibe registros da Revolta da Lâmpada, movimento que surge com a ideia do “fervo como protesto”, uma reação à agressão, praticada com uma lâmpada, sofrida por um jovem na Avenida Paulista em 2010.

“A exposição faz um registro de como a população LGBTI+ vive ou sobrevive suportando o peso do preconceito ao longo do dia, que é um substantivo singular, formado pelas horas, plural, que constroem o tempo, também singular”, observa Franco Reinaudo, diretor do Museu da Diversidade Sexual e curador da exposição. “Que o tempo consiga mudar essa lógica de exclusão e que possamos um dia respeitar as diferenças de cada um, de cada uma”, finaliza.

Serviço

“Plural 24h” – Alexia Zuñiga, Barbara Cunha, Carolina de Areia Leão, Carolina Gracindo, Cleiton de Paula, Fe Maidel, Iano Coimbra, Kadu Nunes, Luan Bittencourt, Melina Rezende, Patricia Amorim e Rosa Luz
Abertura: 24 de janeiro, quinta-feira, às 17h
Em cartaz até 11 de maio
Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h
Estação República do metrô, piso mezanino
Rua do Arouche, 24, República – São Paulo
Entrada gratuita


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram
– Participe também do evento oficial da Parada no Facebook: Parada do Orgulho LGBT de SP 2018

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é jornalista (MTB 80753/SP), gay, coach, escritor premiado e responsável pela assessoria e comunicação da APOGLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Conheça Viana e seus livros aqui fabricioviana.com