Fúvio Rodrigues Matos é preso por matar homossexual na Av. Paulista

Plínio Henrique de Almeida Lima, de 30 anos, era cabeleireiro e homossexual, ele estava com o namorado no Parque do Ibirapuera vendo o show de Natal quando, ao subir até a Avenida Paulista a pé, foi surpreendido por Fúvio Rodrigues Matos e um amigo por volta das 22h do dia 21 de Dezembro.

Fúvio, que é auxiliar de cozinha, percebendo que Plínio era homossexual, partiu para agressão e esfaqueou Plínio no peito que morreu poucas horas depois no Hospital das Clinicas.

Mesmo foragido, Fúvio foi reconhecido graças as câmeras de segurança dos prédios e também do metrô. Segundo nota no site G1, testemunhas alegam que Fúvio começou a agredir Plínio gratuitamente, o chamando de “bichinha”, que “gays deveriam morrer” entre outras agressões homofóbicas.

Segundo o delegado Hamilton Costa Benfica, do 78º DP que investiga o caso, o crime foi realmente motivado por homofobia, exatamente o que pensa a família da vitima, namorado e amigos.

“É um homicídio, no meu entender, de forma qualificada porque a questão homofóbica é o motivo fútil”, disse o delegado ao G1. E complementa “Uma pena muito alta de 12 a 30 anos, que é justificada por tirar a vida de uma pessoa por um fato tão banal”.

O amigo de Fúvio não será indiciado. Segundo as investigações, ele não participou dos xingamentos e nem das agressões. Ao contrário, pediu para seu colega de trabalho não fazer aquilo.


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Nosso evento no Facebook para 2020 foi criado: ParadaSP 2020
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é o jornalista (MTB 80753/SP) responsável pela assessoria e comunicação da APOGLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Para a página de Imprensa, aqui. Contato com a Diretoria da ONG, aqui. Seja um Associado/a, aqui