#HOMOFOBIA: Funerária se recusa a cremar corpo de homem gay

Existe o consenso popular de que depois que morremos, encontramos o descanso e a paz eterna. Esse não é o caso de Robert Huskey e John Zawadski, um casal americano vítima de homofobia “póstuma” nos Estados Unidos: uma funerária se recusou a cremar o corpo de Robert ao descobrir que ele era marido de John, o contratante dos serviços.

Robert Huskey e John Zawadski

John Zawadski está processando a funerária “Picayune” por danos morais e quebra de contrato. De acordo com o processo registrado por John e seu sobrinho, a empresa teria se recusado a executar os serviços contratados por “não lidar com o tipo dele”. Zawadski está sendo representado pela Lambda Legal, um ONG que luta pelos direitos LGBT.

A funerária fechou um acordo com o sobrinho de Zawadski, afirmando que o corpo seria buscado e cremado, e que a documentação seria entregue após o procedimento. Mas foi quando John preencheu o formulário se identificando como o viúvo que a empresa cancelou o contrato.

A ação potencializou o sofrimento da família, que precisou encontrar outra empresa de última hora. John havia planejado um memorial ao marido, mas teve que ser cancelado devido a logística, já que o novo crematório ficava 90 Km de distância do atual.

“Eu senti como se o ar tivesse sido tirado de mim. Bob (apelido de Robert) foi a minha vida, e nós sempre nos sentimos tão bem-vindos nessa comunidade. E agora, num momento de tanta perda e dor, alguém fazer o que eles fizeram comigo, conosco, com o Bob, eu não consigo acreditar”, lamenta o viúvo.

A família quer ser indenizada por danos morais e quebra de contrato. Nos Estados Unidos não existe uma lei para auxiliar esse tipo de caso.

Em nota, a funerária nega as acusações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 1 =

Pin It on Pinterest