Homofóbico que matou gay queimado vivo é preso em Riacho Fundo (DF)

Nesta última quarta-feira (29/01) um homem de 19 anos foi preso, suspeito de matar e colocar fogo no corpo de Jeferson Marques Ferreira (foto), de 28 anos.

O crime aconteceu no final de Dezembro de 2019, na QN 8E de Riacho Fundo, DF.

Segundo as investigações da 29ª Delegacia de Polícia (Riacho Fundo) e depoimentos do suspeito, Jeferson convidou o rapaz para sua casa e ofereceu R$ 200 e um relógio interessado no encontro.

O suspeito percebeu que Jeferson era homossexual, não gostou do flerte e aplicou um “mata-leão”, deixando-o desacordado.

Ao recobrar os sentidos, Jeferson disse que iria “ter troco”, que um parente dele iria matá-lo. Foi então que o suspeito pisoteou seu pescoço, provocando a morte.

Em seguida, o suspeito foi até um posto e pediu gasolina emprestado, dizendo que iria utilizar no carro de sua namorada. Ele voltou para a casa de Jeferson e ateou fogo no corpo da vítima.

De acordo com exames, há indícios de que Jeferson ainda estava vivo quando foi queimado junto com seus pertences.

O suspeito fugiu e levou diversos pertences da vítima. Dias depois, anunciou a maioria deles em um grupo de Whatsapp do condomínio onde reside, facilitando assim o rastreamento e sua identificação.

O preso vai responder por homicídio triplamente qualificado, em razão de motivo fútil, uso de fogo e sem chance de defesa do ofendido, seguido por furto qualificado.

Esse é o retrato da homofobia e do machismo ainda frequente em nossos dias..


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Nosso evento no Facebook para 2020 foi criado: ParadaSP 2020
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é o jornalista (MTB 80753/SP) responsável pela assessoria de imprensa e comunicação da APOGLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Para a página de Imprensa, aqui. Contato com a Diretoria da ONG, aqui. Seja um Associado/a, aqui