Jeffrey McCall, fundador do grupo de “ex-gays”, admite que tem várias recaídas!

Pra quem já leu o livro Homossexualidade. Uma Historia, de Colin Spencer, sabe muito bem que as histórias de pessoas ou grupos que promovem a falsa “cura gay” e ou que se denominam “ex-gays” é bastante perversa. Perversa no sentido de que, em quase todos eles é muito comum, após alguns anos, os fundadores ou co-fundadores irem até a mídia e pedirem perdão ou, no mínimo, deixarem claro que a “cura gay” que eles tanto promoviam é realmente uma farsa e que eles mesmos nunca conseguiram abandonar os desejos homossexuais.

E não precisamos ir tão longe. Aqui no Brasil, por exemplo, existiu um grupo chamado MOSES (Movimento pela Sexualidade Sadia) que durou por quase 15 anos onde homossexuais eram levados para sítios religiosos com o objetivo de “curar a homossexualidade”. Como sabemos hoje que a homossexualidade não é doença, o MOSES se desfez quando um dos seus fundadores, o atual ativista Sérgio Viula apareceu na capa da Revista Época e disse pra todas as pessoas que os 15 anos de atividade do MOSES era uma grande farsa: só tinham pessoas infelizes, tentando se livrar da homossexualidade e que, vez ou outra, eles mesmos tinham encontros de sexo gay sem ninguém ficar sabendo. Uma hipocrisia só. O caso do MOSES por exemplo foi inspiração pra escrita do romance gay chamado Theus: do fogo à busca de si mesmo e que hoje tem mais de 50 comentários positivos na Amazon.

O fato é que, mesmo que Jeffrey McCall tenha aparecido na mídia enfatizando que teve várias recaídas (não foi uma ou duas, foram várias), o grupo chamado Freedon March continua nos Estados Unidos (a pergunta é, até quando? Já que a cura da homossexualidade não existe: não dá pra curar o que não é doença!).

Esse sofrimento, de tentar curar algo que não tem cura porque não é doença, só finaliza quando a pessoa assume, pra ela mesma, que os desejos homossexuais são desejos saudáveis, assim como todas as vertentes saudáveis da sexualidade humana. Como consta no livro O Armário ou neste vídeo no Youtube, pra quem tem ainda estes conflitos e deseja se livrar e viver uma vida plena e satisfatória.


>> Aproveitando sua visita:

– Receba notícias em 1ª mão, entre no grupo do TELEGRAM!
– Ajude a ONG APOGLBT SP Associe-se!

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é o jornalista (MTB 80753/SP), escritor LGBT premiado e responsável pela assessoria de imprensa e comunicação da APOLGBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Para a página de Imprensa, aqui. Contato com a Diretoria da ONG, aqui. Seja um Associado/a, aqui