LIVE: Os bastidores e a construção da Parada do Orgulho LGBT de SP

Texto originalmente publicado aqui

A segunda edição online da maior Parada LGBT do mundo, acontece 6 de junho e terá como tema HIV/Aids: Ame + Cuide + Viva +. Serão oito horas de transmissão ao vivo com shows e muita informação sobre diversos assuntos que vão costurar o evento em torno da temática.

Para saber como é construída e realizada, a Agência Aids chamou integrantes da organização da Parada para conversar com a jornalista Roseli Tardelli em sua próxima live que acontece na terça-feira, 25, a partir das 21h.

Histórico

Inspirada nas gay pride parades realizadas desde 1969 nos Estados Unidos, a primeira Parada do Orgulho Gay reuniu em São Paulo cerca de 2 mil pessoas que protestaram contra a discriminação e a violência sofridas por gays, lésbicas e travestis, em 1997.

Em 1999, a ONG Associação da Parada do Orgulho GLBT (APOGLBT), organizadora do evento, alterou o nome para Parada do Orgulho GLBT (gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transgêneros).

Nos anos 2000, a parada de São Paulo cresceu e o número de paradas semelhantes no país também. A edição com maior número de participantes seria a de 2012, com 4,5 milhões de pessoas, segundo organizadores.

Segundo a SPTuris (empresa municipal de turismo de São Paulo), a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo é o evento que mais atrai turistas à cidade.  No Brasil inteiro, fica atrás apenas do Carnaval do Rio, quando se consideram os turistas internacionais.

No dia 24 de maio de 2016, ano em que a manifestação completou 20 anos, o prefeito de São Paulo em exercício, Fernando Haddad (PT), assinou um decreto incluindo a Parada do Orgulho LGBT no calendário oficial de eventos da cidade. Desse modo, o evento se tornou oficial, acontecendo no mês de maio ou de junho, anualmente. Além disso, também ficou determinado que a administração municipal poderá, se quiser, colaborar financeiramente com o protesto.

Apesar de ser uma grande festa, com música e diversão, também é um movimento com importância histórica, sempre pautando temas atuais, políticos e pertinentes.

Confira os temas das paradas anteriores, desde a primeira:

  • 1997 – “Somos muitos, estamos em todas as profissões”
  • 1998 – “Quero mostrar meu rosto, eu também pago imposto”
  • 1999 – “Orgulho gay no Brasil, rumo ao ano 2000”
  • 2000 – “Celebrando o Orgulho de Viver a Diversidade”
  • 2001 – “Abraçando a Diversidade”
  • 2002 – “Educando para a Diversidade”
  • 2003 – “Construindo Políticas Homossexuais”
  • 2004 – “Temos Família e Orgulho”
  • 2005 – “Parceria civil, já. Direitos iguais! Nem mais nem menos”
  • 2006 – “Homofobia é Crime! Direitos Sexuais são Direitos Humanos”
  • 2007 – “Por um mundo sem Racismo, Machismo e Homofobia”
  • 2008 – “Homofobia Mata! Por um Estado Laico de Fato”
  • 2009 – “Sem Homofobia, Mais Cidadania – Pela Isonomia dos Direitos!”
  • 2010 – “Vote Contra a Homofobia: Defenda a Cidadania!”
  • 2011 – “Amai-vos uns aos outros: basta de homofobia!”
  • 2012 – “Homofobia tem cura: educação e criminalização”
  • 2013 – “Para o armário nunca mais – União e conscientização na luta contra a homofobia”
  • 2014 – “País vencedor é país sem homolesbostranfobia: chega de mortes! Criminalização já!”
  • 2015 – “Eu nasci assim, eu cresci assim, vou ser sempre assim: respeitem-me”
  • 2016 – “Lei de identidade de gênero, já! – Todas as pessoas juntas contra a Transfobia!”
  • 2017 – “Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico”
  • 2018 – “Poder para LGBTI+, Nosso Voto, Nossa Voz”.
  • 2019 – “50 Anos de Stonewall – Nossas Conquistas, Nosso Orgulho de ser LGBT+”
  • 2020 – “Sejamos o pesadelo dos que querem roubar nossa Democracia”.

 

Conheça nossos convidados:

Renato Viterbo

Formado em Turismo e Hotelaria, pós graduando em Controladoria e Finanças, faz parte da Diretoria da Associação da Parada desde 2015, atualmente ocupa a função de Vice Presidente.

 

 

 

 

 

Diego Oliveira

Pedagogo, ultramaratonista, drag queen Lindinha, com formação em musical para Teatro pelo Senac e Casa de Artes Operária, modelo da agência HDA Models, ativista brasileiro em favor dos direitos civis LGBT+, ocupando hoje o cargo de secretário na APOGLBTSP – Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, ONG responsável pela Parada do Orgulho LGBT de São Paulo.

 

 

 

 

 

Luiz de França
Jornalista com passagem por veículos de comunicação como Estadão, Gazeta Mercantil, Rádio CBN, Veja.com e Você S/A, além de colaborações para o Valor Econômico e outras publicações. Também é consultor em comunicação, diversidade e inclusão. É voluntário da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo desde 2017 e, desde outubro de 2020, é um dos membros da diretoria da associação.

 

 

 

Serviço:

Live: “Conheça os bastidores e a construção da Parada do Orgulho LGBT de SP”

Quando: terça-feira, 25 de maio de 2021

Horário: 21h

 

Para acompanhar, basta acessar os links abaixo:

 

TV Agência Aids: agenciaaids.com.br (na parte inferior da homepage)

Facebook: https://www.facebook.com/165271196859447/posts/3961232420596620/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCqBcEcgx8QaU–YfJHojVfg


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP Associe-se!

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é o jornalista (MTB 80753/SP), escritor LGBT premiado e responsável pela assessoria de imprensa e comunicação da APOLLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Para a página de Imprensa, aqui. Contato com a Diretoria da ONG, aqui. Seja um Associado/a, aqui