Movimento Social LGBT de SP: Nota De Repúdio

“Nós, do movimento LGBT abaixo-assinado, vimos por meio desta externar toda nossa solidariedade à Dra. Eloísa Arruda, ex-Secretária Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, por todo o processo de machismo, sexismo, misoginia e fisiologismo enfrentado no processo de mudança na Coordenação de Políticas LGBTI de São Paulo.

Uma gestora que sempre esteve ao lado do movimento social LGBT, ouvindo nossas demandas e se colocando ao nosso lado no enfrentamento à LGBTfobia deveria ter sido tratada com mais respeito e dignidade e o partido não deveria permitir que seus integrantes a chamassem pela alcunha de “desequilibrada”, reforçando a desigualdade de gênero dentro do PSDB. Foi com choque que recebemos a informação da exoneração da Dra. Eloisa em razão desses fatos, até porque esperávamos ser recebidos(as) pelo Senhor Prefeito Bruno Covas, para tratar dessa polêmica, antes de alguma decisão. Mas ele se recusou a nos atender, rasgando a democracia da qual tanto enche a boca para pronunciar em discursos ocos. Afinal, expusemos todas essas questões em carta aberta encaminhada ao senhor Prefeito, mas ele claramente decidiu que não precisava dialogar com o movimento social, em atitude inegavelmente antidemocrática.

De qualquer forma, obviamente estamos abertos(as) ao diálogo com a nova Secretária de Direitos Humanos já nomeada, por colocarmos a causa LGBT acima de disputas partidárias. Esperamos que ela não sofra o machismo sofrido pela Dra. Eloisa caso tome alguma decisão contrária aos interesses partidários da Diversidade Tucana, aliás, presidida pelo Senhor Ivan Batista (podemos ver claramente porque esse setorial atuou tanto na defesa de seu presidente…).

Queremos, ainda, avisar ao Senhor Prefeito Bruno Covas, que não aceitaremos o retorno do ex-coordenador Ivan Batista, põe todo o exposto na citada carta aberta. Levaremos nossas demandas à nova Secretária, diretamente.

Reforçamos que Ivan não representa a população LGBT e sequer dá ouvidos às demandas dessa população, agindo como dono de um espaço construído pelo movimento social, com o qual ele tem se recusado a dialogar, como atestam entidades aqui signatárias.

Não à Ivan Batista! Não ao fisiologismo! Não ao machismo! Não ao sexismo! Não a misoginia partidária!

Assinam:

Agripino Magalhães
APOGLBT SP – Associação da Parada do Orgulho LGBT
Associação Mães pela Diversidade
Consulado das Famílias LGBT
Diversa Cultura e Arte -Dac.
Família Braction
Família d’ Matthah
Família Durell SP
Família Mad Queen
Família Mó chavão
Família Smorffets
Família Stronger
GADVS – Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual e de Gênero
Heitor Werneck
IBRAT – Instituto Brasileiro de Transmasculinidades
Instituto Omidare
Ivone de Oliveira – Blog Gata de Rodas
Matheus – Portal Menino Gay
Salete Campari”


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram
– Participe também do evento oficial da Parada no Facebook: Parada do Orgulho LGBT de SP 2018

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é jornalista (MTB 80753/SP), gay, escritor premiado e responsável pela assessoria e comunicação da APOGLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Mais sobre Viana, aqui