Parada do Orgulho LGBT pode se tornar Patrimônio Imaterial da cidade de São Paulo

A vereadora Sâmia Bomfim (PSOL-SP), protocolou no último dia 14, o projeto de Lei que quer transformar a Parada LGBT de SP em Patrimônio Imaterial da cidade. O texto também é assinado pelo Vereador Eduardo Suplicy.

Patrimônios Imateriais podem ser práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas, que transmitidos de geração em geração, geram um sentimento de identidade e continuidade.

Com a aprovação, Sâmia espera preservar o evento com base na lei 14,406/2017, que garante a proteção e conservação do Patrimônio Imaterial do Município de São Paulo.

“Em tempos de retrocessos em direitos conquistados, a realização dessa grande manifestação política e cultural, por liberdade, direitos e resistência, é um alento e precisa ser preservada para que não seja atacada”, declara a vereadora.

Vale lembrar que nós temos a maior Parada LGBT do mundo, e reunimos, só neste ano, mais de 3 Milhões de pessoas lutando pelo Estado Laico.


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Nosso evento no Facebook para 2020 foi criado: ParadaSP 2020
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é o jornalista (MTB 80753/SP) responsável pela assessoria e comunicação da APOGLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Para a página de Imprensa, aqui. Contato com a diretoria da ONG, aqui. Mais sobre Fabrício Viana, clique aqui.