Policial Militar pede afastamento após vídeo em que beija outro homem vazar nas redes sociais




Também nosso Twtiter e Facebook

Além de alguém ter gravado o vídeo entre o policial militar e outro rapaz conversando e trocando beijos dentro do metrô de São Paulo, o que é ilegal (gravar imagens sem autorização prévia), a mídia não só tem reproduzido o vídeo dos dois como também citado seus nomes.

Mais uma vez, existem jornalistas e jornalistas.

Por isso nós, para não prejudicar mais os envolvidos, não citaremos os nomes e nem as imagens, apenas daremos a notícia para quem ainda não leu nas redes sociais. E o motivo da notícia vim parar em nosso portal, que não é exclusivamente de notícias, mas um portal de uma ONG de militância, é um só: mostrar o quanto a LGBTfobia ainda prejudica a vida de muitas pessoas. Direta ou indiretamente.

Para quem não acompanhou por aí, nós explicamos. O Policial Militar L.B.P, de 27 anos, teve um vídeo gravado escondido dentro do metrô de São Paulo enquanto conversava com um rapaz e, em alguns momentos, o beijava com selinho, dentro da linha 3-Vermelha. O breve beijo aconteceu com ele usando o uniforme militar.

Quando o vídeo vazou na Internet, o PM começou a receber ameaças de diversas pessoas, inclusive, supostamente de outros policiais militares. O vídeo se espalhou tanto que, segundo o advogado do rapaz, o senhor José Beraldo, ele teve que pedir afastamento do trabalho e neste momento encontra-se sobre tratamento.

Segundo o advogado, o boletim de ocorrência foi feito ontem e a maioria das ameaças estão vindo de desconhecidos, inclusive, de supostos policiais. Ainda segundo ele, em nota ao site da Veja, todas as denuncias serão rigorosamente analisadas.

Sabemos hoje que gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros ocupam diversos cargos. Somos muitos e estamos em todos os lugares. Duas coisas chocam, realmente, este incidente. A primeira delas, é terem sido filmados sem autorização. Aliás, qualquer lugar que tenha câmeras, precisa da placa “O ambiente está sendo filmado. As imagens gravadas são confidenciais e protegidas, nos termos da lei!” (LEI Nº 13.541, DE 24 DE MARÇO DE 2003). Gravação por terceiros, termo por escrito. A segunda delas é que, felizmente, o vídeo mostra apenas manifestação de amor: carinho entre os dois.

E mais uma vez, o amor e o carinho entre pessoas do mesmo sexo causa ódio, ameaças e dores.

A pergunta é, até quando?


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram
– Participe também do evento oficial da Parada no Facebook: Parada do Orgulho LGBT de SP 2018

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é jornalista (MTB 80753/SP), gay, escritor premiado e responsável pela assessoria e comunicação da APOGLBT SP, ONG responsável pela maior Parada LGBT do mundo. Mais sobre Viana, aqui



Deixe uma resposta

20 − 13 =