Primeira Parada LGBT da Ilha do Mel, no Paraná, foi interditada nesta sexta-feira (15)

Nesta sexta-feira (15), às 17h, dois bombeiros da cidade de Paranaguá, chegaram na Pousada e Restaurante Aninha e argumentaram sobre o estabelecimento não estar preparado para receber o evento Primeira Parada LGBT da Ilha do Mel porque o extintor precisava baixar 20 centímetros e o cano do gás mudar para cobre. A Ilha do Mel é uma ilha brasileira situada na embocadura da Baia de Paranaguá, no estado do Paraná.

Como tudo foi interditado na sexta no final da tarde, e a Parada estava programa para ser realizada no sábado, não existiu tempo hábil para que a organização tomasse as providências. Indicando assim, segundo os organizadores, uma LGBTfobia disfarçada em Lei. Afinal, alguns não concordavam com o evento embora mais de 2.000 pessoas estavam aguardando por ele no dia seguinte.

A Pousada foi lacrada e interditada. O advogado Valder Bastos, que interpreta a Drag Queen Tchaka, e que apresenta a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo há alguns anos, foi contratada pela organização para também apresentar a Parada LGBT da Ilha do Mel. Indignado, Valder publicou em sua página no Facebook um vídeo mostrando a interdição:

Ele também publicou o texto em sua página:

Eu Tchaka fui contratada para ser a apresentadora da Parada estou me sentido mutilada, invadida, agredida, violada, impotente e completamente sem chão. Meu marido Carlito Silva, minha produtora Suzi Guerra e seu marido Edson queremos ajuda de você que está lendo essa mensagem vamos mobilizar as redes e fortalecer nossa militância.

Amanhã seria uma grande oportunidade dos moradores, visitantes e frequentadores da ilha do Mel celebrar a diversidade, na construção de uma sociedade com todas e todos (heteros, gay, lésbicas, bissexuais, travestis, mulheres transexuais, homens transsexuais +).

LGBTFOBICOS não irão nos calar! COMPARTILHEM!

Segundo o Ministério Público, a pousada já causou “tumulto” em eventos anteriores. O juiz responsável é Guilherme Moraes Nieto, da 1º Vara Cível de Paranaguá. Ainda segundo o MP, em nota publicada no ParanaPortal, “A Pousada Aninha havia realizado um evento, demoninado ‘Ilha Fest’, no feriado de 7 de setembro de 2017, sem qualquer autorização, gerando tumulto na ilha“, diz o documento.

O MP também afirma que a pousada não tem alvará de funcionamento atualizado e não obteve autorização do Corpo de Bombeiros para sediar o evento, além de uma autorização formal da prefeitura informando a Parada em local público.

Em todo o caso, ativistas e organizadores já estão programando uma nova data da Primeira Parada LGBT da Ilha do Mel, que deverá ser anunciada em breve.


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram
– Participe também do evento oficial da Parada no Facebook: Parada do Orgulho LGBT de SP 2018

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é jornalista (MTB 80753/SP), gay, escritor premiado e responsável pela assessoria e comunicação da APOGLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Mais sobre Viana, aqui