Sesc pagará estudos de jovem trans que sofreu discriminação no CE

Como ressarcimento aos danos morais, o Sistema Fecomércio-CE que gerencia a Escola Educar Sesc, pagará a jovem transexual Lara, de 13 anos, sua formação até o ensino médio independente de onde a menina estudar.

Como parte do acordo, o Sesc se comprometeu a promover campanhas sobre direitos LGBTs.

Para quem não lembra, a mãe, Mara Beatriz, acusou a escola localizada em Fortaleza de transfobia. Ela afirmou que a filha Lara estuda desde pequena e teve sua rematrícula negada em 2018, orientada a buscar outra escola, uma que “atenda ‘as necessidades’ dela”. O que caracterizava um caso claro de transfobia.

Após decisão, a mãe comemora: “E é uma coisa que não envolve só a Lara, é uma questão de direitos. Às vezes, a pessoa está em situação de vulnerabilidade tão grande que não se sente fortalecida a dar a cara a tapa. Eu dei a minha”, disse Mara Beatriz.

Segundo o assessor jurídico do Sesc, Eduardo Oliveira Leão, o colégio também considerou o entendimento do acordo bastante satisfatório. “Acreditamos na solução acordada, porque é a mais eficaz que existe. Queremos que os pais saibam que este acordo é real, de verdade, e que o Sesc espera resgatar o que, eventualmente, tenha sido perdido em sua relação com a família da Lara”, comentou ele.


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram
– Participe também do evento oficial da Parada no Facebook: Parada do Orgulho LGBT de SP 2018

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é jornalista (MTB 80753/SP), gay, escritor premiado e responsável pela assessoria e comunicação da APOGLBT SP, ONG que realiza a maior Parada LGBT do mundo. Mais sobre Viana, aqui