Suspeito de matar a travesti Letícia Campos é preso no Rio de Janeiro




Também nosso Twtiter e Facebook

O crime aconteceu em 2015. Mas só agora as investigações levaram à prisão o suspeito identificado como Igor Cassiano de Oliveira, de 26 anos, morador de Marechal Hermes (bairro planejado de classe média localizado na zona norte do Rio de Janeiro).

Com o nome social de Letícia Campos, ela tinha o costume de sair com homens sem deixar claro para eles que se tratava de ser uma travesti. Entretanto, em entrevista ao site G1, uma amiga, que não desejou se identificar, afirma que nesta ultima ela corria perigo de vida.

Ao verificar mensagens em seu celular, o áudio enviado pela Letícia Campos a amiga deixava bem claro o perigo: “Amiga, eu tô no Valqueire, num sítio do coronel da Aeronáutica. Eu faço é b… na minha vida, entendeu? Pelo amor de Deus, se acontecer alguma coisa comigo eu tô aqui. Ele não sabe que eu sou travesti.”

Igor, o suspeito, tinha se apresentado como coronel da Aeronáutica, mas, na verdade, ele era filho de um sargento reformado e tinha um quiosque comercial em uma galeria. Eles se conheceram em um pagode na Zona Oeste do Rio e saíram juntos da festa.

Depois daquele dia, ninguém mais teve notícias de Letícia. Mas as investigações continuaram. Até que, um amigo do Igor resolveu falar e confessou o assassinato cometido pelo Igor e também sua ajuda em esconder o corpo.

Segundo a delegada Elen Souto, da Delegacia de Descoberta de Paradeiros do Rio, Igor já tinha histórico de agressão a mulheres. Quando ficou sabendo que Letícia era uma travesti ficou irado. Disse que jamais sairia com um homem. Foi quando eles começaram a se agredir, resultando na morte dela.


>> Aproveitando sua visita:

– Ajude a ONG APOGLBT SP, Associe-se!
– Curta as redes sociais da Parada LGBT de SP: Facebook / Twitter / Instagram
– Participe também do evento oficial da Parada no Facebook: Parada do Orgulho LGBT de SP 2018

Publicado por: Fabrício Viana
Fabrício Viana é jornalista (MTB 80753/SP) e responsável pela assessoria e comunicação da APOGLBT SP, ONG responsável pela maior Parada LGBT do mundo. Mais informações sobre Viana, aqui.


Deixe uma resposta

17 + três =