quinta-feira, junho 22, 2017
Tags Posts tagged with "cinema lgbt"

cinema lgbt

Mostra de Cinema tem filmes Esteros, Mãe só há uma e Divinas Divas na sua programação

A Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, dentro da programação do Mês do Orgulho LGBT 2017, promove a Mostra de Cinema dia 12, 13 e 14 de Junho no Cine Belas Artes. Entre os filmes escolhidos para exibição gratuita estão Esteros, Os Invisíveis e Divinas Divas.

Segue a programação:

Dia 12 as 21h30
Exibição do filme: Esteros
Data de lançamento 8 de junho de 2017 (1h 17min)
Direção: Papu Curotto
Elenco: Ignacio Rogers, Esteban Masturini, Renata Calmon, Maria Merlino, Marcelo Subiotto, Pablo Cura e Felipe Titto
Gêneros: Drama, Romance
Nacionalidades: Argentina, Brasil
Sinopse: Matias e Jerônimo são dois grandes amigos de infância que cresceram juntos em Paso de los Libres, cidade folclórica na fronteira entre Brasil e Argentina. Durante a adolescência, a atração sexual inesperada entre os dois surge e o desejo floresce. No centro de preconceitos familiares, a história de amor entre eles é interrompida, mas, dez anos depois, eles se reencontram e têm uma nova chance.

Dia 13 as 21h30
Exibição do filme: Mãe só há uma
Data de lançamento 2016 (1h 22min)
Direção: Anna Muylaert
Elenco: atores desconhecidos
Gênero Drama
Nacionalidade Brasil
Sinopse: Após denúncia anônima, o adolescente Pierre é obrigado a fazer um teste de DNA. Ele descobre que foi roubado da maternidade e que a mulher que o criou não é sua mãe biológica. Após a revelação o garoto é obrigado a trocar de família, de nome, de casa, de escola, tudo isso em meio às descobertas da juventude.

Dia 14 as 21h30
Exibição do filme: Divinas Divas
Data de lançamento 22 de junho de 2017
Direção: Leandra Leal
Elenco: Miguel Falabella, Rogéria, Jane di Castro, Valéria, Brigitte de Búzios, Fujika de Holliday, Camile K. E Eloína.
Gênero: Documentário
Nacionalidade: Brasil
Sinopse: A história de Maurice, Monette, Lucien e Thérèse, que nasceram entre as duas guerras mundiais. Hoje, eles são idosos e homossexuais, mas, tirando essas características, não têm nada em comum. Através deles, o filme retrata um século de história da sociedade francesa.

Os ingressos gratuitos para assistir aos filmes serão distribuídos 30 minutos antes de cada exibição. Cheguem cedo! Sujeito a lotação da sala.

Serviço:

Mostra de Cinema do Mês do Orgulho LGBT 2017
Exibição dos filmes Esteros, Mãe só há uma e Divinas Divas
Dias 12, 13 e 14 com exibição de um dos filmes as 21h
Ingressos gratuitos. Retirar 30 minutos antes de cada exibição ((Sujeito a lotação da sala.)
Local: R. da Consolação, 2423 – Consolação, São Paulo – SP

 

Aconteceu no último domingo (07), uma das mais badaladas premiações de filmes nos Estados Unidos, o MTV Movie Awards. A premiação que reconhece os destaques do ano na TV e no Cinema teve um movimento celebrando a igualdade e a diversidade de gêneros: O prêmio de melhor beijo foi para um casal gay.

O beijo em questão é uma cena protagonizada por Jharrel Jerome e Ashton Sanders, em “Moonlight: sob a luz do luar”. A produção estava concorrendo com outras grandes cenas, mas era a única a apresentar um casal LGBT.

“Eu acredito que é seguro dizer, que está tudo bem para nós, jovens atores, especialmente nós, minorias, pensar fora da caixa. Eu acho que está tudo bem pensar fora da caixa e fazer o que for necessário para contar uma história e para fazer uma mudança. Então esse prêmio é para isso. É para nós, artistas por aí que precisam dar um passo ousado e fazer o que for necessário para que as pessoas acordem”, disse Jerome ao receber o prêmio.

“Esse prêmio é maior que nós dois. Representa mais que um beijo. Esse prêmio é para aqueles que se sentem desajustados, nos representa, então, eu amo vocês todos e obrigado”, completou o parceiro de cena.

Apesar de ainda vivermos em tempos onde a homofobia é grande e a intolerância nos divide, o mundo está, aos poucos, dando passos em direção à igualdade. Para as pessoas LGBT, o prêmio significa que, de um jeito ou de outro, elas são aceitas, e que apesar da repressão, a maioria das pessoas já pregam o amor como princípio.

Inédito, o documentário Ingrid apresenta as memórias de uma mulher transexual, sua busca por autoconhecimento e a luta pela igualdade de direitos

Ganhador do Prêmio Aquisição SescTV, na categoria Melhor Filme, durante a 16ª edição do Goiânia Mostra Curtas, realizada no ano passado, o documentário Ingrid (2016, 6’45”, MG), dirigido por Maick Hannder, traz depoimentos de Ingrid Leão, uma jovem que nasceu em um corpo masculino. Ela relembra a infância, a adolescência e o dia em que se tornou mulher. O curta, filmado em preto e branco, será exibido pela primeira vez no SescTV, no dia 20/4, quinta, às 21h (assista também em sesctv.org.br/avivo).

Ingrid recorda seu sofrimento, quando ainda era criança, ao se descobrir em um corpo que, segundo ela, não a pertencia. Sem entender o que estava acontecendo, a menina só queria ter cabelos longos. “Minha mãe sempre me obrigava a cortá-lo e aquilo me machucava de certa forma”, relata. Ela conta que o que mais marcou a sua infância foi ter que ir ao barbeiro, local frequentado apenas por homens. “Eu não me sentia à vontade”.

Com um corpo que não retratava o que se passava em sua cabeça, Ingrid rememora quando começou a entrar em conflitos consigo mesma. “Eu sabia que não ia ter seios, não ia ter quadril largo, não ia ter pernas torneadas. Eu sabia que minha voz não seria delicada”, fala. “Mas uma coisa eu sabia que poderia ser minha, meu cabelo grande, e sempre me tiravam isso”, completa. Ingrid diz que sentiu medo ao pensar sobre as transformações que viriam na puberdade e, na adolescência, começou sua busca por um corpo feminino. Ela também comenta sobre os problemas que devido ao uso de hormônios e sobre o dia em que se tornou mulher. “Ali é onde eu comecei a sentir a verdadeira pessoa que eu sou”.

O filme surgiu da necessidade do diretor de falar sobre a autoimagem, mas por tratar de questões sobre sexualidade e gênero, acabou ganhando um contexto social importante, ao representar minorias invisíveis. “Para um diretor, isso significa uma responsabilidade a mais. Aprendi muito com todo o processo e fico muito grato pela Ingrid ter confiado em mim para contar sua história”, comenta Hannder.

Sobre o SescTV:

SescTV é um canal de difusão cultural do Sesc em São Paulo, distribuído gratuitamente, que tem como missão ampliar a ação do Sesc para todo o Brasil. Sua grade de programação é permeada por espetáculos, documentários, filmes e entrevistas. As atrações apresentam shows gravados ao vivo com grandes nomes da música e da dança. Documentários sobre artes visuais, teatro e sociedade abordam nomes, fatos e ideias da cultura brasileira. Ciclos temáticos de filmes e programas de entrevistas sobre literatura, cinema e outras artes também estão presentes na programação.

SERVIÇO:

Prêmio Aquisição SescTV, na categoria Melhor Filme, na Goiânia Mostra Curtas 2016
Ingrid
Direção: Maick Hannder
Duração: 6’45”
Ano: 2016

Estreia: 20/4, quinta, às 21h
Reapresentações: 22/4, sábado, às 20h; 23/4, domingo, às 6h30; 24/4, segunda, às 22h; e 26/4, quarta, às 6h30.. Classificação indicativa: 14 anos

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv