domingo, março 26, 2017
Tags Posts tagged with "parada lgbt"

parada lgbt

A Associação da Parada LGBT de São Paulo (APOGLBT SP) convida outras ONGs de direitos LGBTs, coletivos e militantes independentes para a reunião de apresentação do planejamento de trabalhos dos GTs (Grupos de Trabalho) para o Mês do Orgulho LGBT em 2017.

A reunião será dia 11/03, às 13h30, na União Geral dos Trabalhadores: Rua Aguiar de Barros, 144

Pedimos a gentileza para que, todas as pessoas interessadas, cadastre seus dados abaixo (caso já tenha se cadastrado em outro momento, não é necessário cadastrar-se novamente!):

Publicação alterada em 26/01: Devido a “II Caminhada Pela Paz” que irá acontecer neste sábado (e que estaremos presentes!), o dia da reunião da APOGLBT SP foi alterada: do dia 28/01 para o dia 04/02. Estaremos comunicando todxs xs inscritxs.

CONVITE:

A Associação da Parada LGBT de São Paulo (APOGLBT SP) convida outras ONGs de direitos LGBTs, coletivos e militantes independentes para a reunião de avaliação e organização dos grupos de trabalho para o Mês do Orgulho LGBT em 2017.

A reunião será dia 04/02, às 13h30, no Sindicato dos Comerciários que fica na Rua Formosa, 99 (ao lado do metrô Anhangabaú)

Ao contrário dos outros encontros, pedimos a gentileza de todos confirmarem a presença pelo formulário abaixo (IMPORTANTE: Caso você já tenha se cadastrado para a reunião que iria acontecer dia 28/01, ignore o formulário abaixo):

Após a diretoria da APOGLBT SP detectar um perfil fake da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo no Facebook com mais de 25 mil curtidas, Fabrício Viana, que é jornalista e assessor de comunicação da ONG, entrou em contato com o Facebook para que a página fake fosse excluída e o perfil oficial da Parada fosse autenticado.

“Apesar de ser um evento público de luta pelos direitos LGBTs, hoje considerado a maior manifestação LGBT do mundo, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo tem um responsável, que é a ONG APOGLBT SP. Caso ocorra algo durante a Parada, por exemplo, a única responsável é a ONG. Logo, não podemos deixar que perfis nas redes sociais se passem por nós. Inclusive se comunicando com uma linguagem não apropriada.”, ressalta Viana.

O perfil fake foi deletado pela equipe do Facebook e a página oficial da Parada do Orgulho LGBT de SP foi finalmente autenticada. Ela ganhou um “selo azul” ao lado do nome. O endereço da página é:
http://facebook.com/paradasp

Com relação as outras redes sociais, o link do perfil da Parada LGBT de SP é:
Twitter: http://twitter.com/paradasp
Instagram: http://instagram.com/paradasp

Desde 2016 a APOLGBT SP aumentou seus esforços para atualizar constantemente seu portal http://www.paradasp.org.br e suas redes sociais, garantindo assim uma presença digital mais forte: levando informações sobre a comunidade LGBT, sobre a ONG APOGLBT SP e sua atuação que, ao contrário do que muitos imaginam, ocorre ao longo do ano (e não somente na época da Parada).

Aliás, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo já tem tema, data e slogan neste ano. Será no dia 18/06/2017 a partir das 10h na Avenida Paulista.

O evento oficial da Parada LGBT no Facebook (diferente da página) é:
https://www.facebook.com/events/105978123240834/

Tema de 2017:
Estado Laico
“Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico.”

Como sempre iremos repetir, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, apesar de ser organizada pela ONG APOLGBT SP (www.paradasp.org.br) há 21 anos (aliás, pouca gente sabe que a Parada tem uma ONG que é sua única responsável legal), todo o trabalho é sempre criado de forma democrática em conversas com outras ONGs de direitos LGBTs, coletivos e militantes independentes ao longo do ano (e não somente na época da Parada!). Isso inclui também a criação da Arte da Parada: o cartaz oficial que leva a data, tema e slogan do evento.

No dia 21/11/16 publicamos em nosso portal uma chamada para designers, ilustradores e desenhistas enviarem sugestões para a Arte da Parada 2017. No dia 17/12/16 em reunião com outras ONGs, coletivos e militantes independentes, foi escolhido duas artes e que deveriam ser mesclada. As artes foram enviadas pelo Getúlio Lima (SP) e Pedro Castro (AM) que, logo após aviso, concordaram nesta mesclagem.

O trabalho final (aprovado por todxs) é este cartaz:

Mas, quem seriam estes dois? Getúlio Lima e Pedro Castro?

Justamente por isso resolvemos fazer uma entrevista e conhecer um pouco mais destes dois rapazes.

Vamos lá?

1) Em que estado você mora? Idade, estuda e trabalha com o que?
Getúlio: Sou de São Paulo Capital, tenho 31 anos e trabalho como designer de apps e games, e apresentador da Rádio Geek. Redes sociais: @Getz9 / Snapchat Getz9
Pedro: Eu nasci em Manaus, capital do estado do Amazonas. Tenho 23 anos, sou designer gráfico e tenho uma marca de Moda Praia de Rios chamada Chillique River Wear, um moda voltada inicialmente para a região amazônica, preservando a essência e transformando-as em tendências. Inclusive eu e meu sócio vamos lançar nossa terceira coleção esse ano, com uma pegada voltada para a diversidade de gênero, provavelmente na III Semana de Moda do Amazonas. Minhas redes sociais: @pedrocastros / FB: Pedro Castro

2) Como ficou sabendo sobre a Arte da Parada 2017? E o que te motivou a participar?
Getúlio: Estava eu, em uma semana super atarefada, final de ano, quando vi o post do Fabricio Viana no grupo Design Gráfico. Fiquei super curioso sobre o assunto e na mesma madrugada comecei a rascunhar o cartaz. Então depois de dois dias testando tipografias, cores, peso de fontes cheguei na solução. O que mais me motivou foi poder ajudar a comunidade e perceber que independente de qualquer partido, a religião deve ser neutra e não ser usada para tomar providencias políticas.
Pedro: Eu e uns amigos fomos para a 21ª Parada Gay do Rio de Janeiro no ano passado, e ficamos encantados com a grandiosidade da manifestação, uma coisa é você assistir pela TV outra coisa é você presenciar. Quando retornei à Manaus, fiquei muito interessado sobre a Parada Gay de São Paulo, então fui pesquisar e foi daí que encontrei sobre o concurso no site e decidi participar. A minha decisão em participar foi de mostrar para as pessoas do meu convívio e da minha região que luto por uma classe muito injustiçada e que somos rodeados de preconceito e desrespeitados por todos os lados, inclusive com outros LGBT. Penso eu não vou mudar mundo, mas posso fazer um mundo melhor, um futuro melhor com menos ódio.

3) O que você achou do tema de 2017? “Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico”?
Getúlio: Eu acredito que o estado não pode privilegiar nenhuma religião com isenção de impostos e outras legarias. O ensino religioso também deveria estar fora da sala de aula. É por essas e outras que a educação gera pessoas incapazes de respeitar a sexualidade e o comportamento de outros.
Pedro: Um tema extremamente essencial para ser discutido. O Brasil é o país das manifestações culturais com origens em diversos outras regiões. O nosso país é o encontro de todas elas. Sim, é um Estado Laico, ninguém precisa impor uma religião a ninguém, a religião que toca o seu coração. Costumes existem, tradições também, todavia não é uma regra que se nasci numa família protestante ou espírita, por exemplo, que eu preciso necessariamente seguir a ideologia. A partir de um certo momento na vida somos capazes de escolher qual concepção seguir, e isso não pode ser de nenhum forma forçada, precisa ser espontaneamente.

4) Você já tinha conhecimento dos outros temas da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo? Se sim, qual o mais significativo pra você?
Getúlio: O tema que mais falou comigo foi o da 19 edição: “Eu nasci assim, eu cresci assim, vou ser sempre assim. Respeite-me!” Para mim, esse tema é como a voz de todos que não conseguem se expressar devido a sociedade controladora e preconceituosa que vivemos. Ninguém vira gay ou trans, nascemos assim e gostaríamos de ser respeitados.
Pedro: Eu sempre tinha conhecimento apenas pela internet e/ou televisão. E um tema que me chamou bastante atenção foi a do ano de 2013, que falava sobre “voltar para o armário, nunca mais”, porque o quanto sofremos por conta disso, é como se precisássemos nos assumir, como se estivéssemos cometidos um crime. É um tema que mexe muito com o coração e cabeça de vários LGBTs.

5) Você já participou da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo? Hoje considerado o maior evento de visibilidade LGBT do mundo?
Getúlio: Quase todos os anos eu participo, vou com amigos e família. A abertura é emocionante. Fora os carros de som, drags e todos personagens e artistas que podemos encontrar. Teve um ano que fui de marinheiro sex, heheh. Foi muito divertido.
Pedro: Não, infelizmente ainda não. Essa será minha primeira e será uma estreia cheia de responsabilidade. Eu não estou apenas ansioso para que chegue logo junho, tenho consciência da grande dimensão que o evento possui, e justamente por isso que fico mais nervoso e apreensivo, porém são sentimento de plena felicidade. É a maior janela LGBT para o mundo.

6) Neste ano, tivemos dois contemplados para a Arte da Parda, como foi receber esta notícia e ter que trabalhar em conjunto?
Getúlio:
O resultado saiu no aniversário da minha mãe, foi um presente para ela! Fiquei ainda mais feliz quando descobri que ganhei junto com outro designer, e que iríamos trabalhar em um só projeto, e de quebra ganhei um amigo de Manaus <3
Pedro: Foi maravilhoso, a comunicação é a área que eu escolhi como profissional, logo um bom diálogo é imprescindível seja qual for a situação. Eu e o Getúlio entramos em contato logo depois de sabermos o resultado, e conseguimos mesclar as nossas artes super tranquilo. Ele é um cara muito talentoso, divertido e inteligente.

7) Na sua opinião, o que falta ainda na sociedade para combater o preconceito e a homofobia?
Getúlio:
A educação nas escolas ainda é muito machista, e muito concentrada no poder de quem dirige. Já vi reportagens que diretores não aceitavam meninos trans usarem banheiro feminino. A educação é a base de tudo, constrói pessoas melhores para a sociedade. Já trabalhei em empresas que um funcionário não foi contratado porque acharam que ele sofreria Bullying por ser afeminado. Sendo que quem não contratou, não fez nada para ir contra o preconceito. Fiquei tão indignado que logo saí dessa empresa, cheguei a alertar o RH, mas não adiantou.
Pedro: A sociedade precisa entender que se todos nós fôssemos iguais o mundo seria uma “deprê” total, Deus nos fez diferentes para mostrar e fazer a diferença no mundo. Mas infelizmente muita gente não sabe lidar com as diferenças, o mundo está em constante evolução. Conseguimos várias conquistas de lá até aqui, mas precisamos continuar lutando. Penso eu que o preconceito nunca vai acabar, ele mudará de garras, máscaras e armaduras. Cabe a nós mostrar que sabemos muito bem viver com as diferenças e harmonia através do amor.

8) Obrigado pela entrevista! Podemos contar com sua presença na 21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo?
Pedro: Com certeza! Apesar de morar um pouco longe de vocês, já comecei a me programar para estar presente com vocês em junho. Espero conhecer todos e ver o quanto uma produção minha e do Getúlio será propagada na Parada Gay esse ano. Pretendo causar muito com todos e todas vocês.
Getúlio: Pode contar, pois eu estarei lá lutando com todos para um Brasil melhor, com menos preconceito e mais amor!

Lembrando que a 21ª Parada do Orgulho LGBT já tem data marcada. Será realizada no dia 18/06/2017. Aproveite e confirme sua presença (e convide xs amigxs) no link oficial do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/105978123240834/

Muitos imaginam que a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, hoje a maior Parada LGBT do mundo, é realizada “de um dia para o outro”. Mas não, por isso sempre que podemos, passamos esta informação aqui no site ou nas redes sociais: a Parada é construída ao longo dos anos e envolve não só o trabalho da APOGBLT SP (www.paradasp.org.br), única ONG responsável por sua realização, como também coletivos e militantes independentes que auxiliam em seu trabalho.

Por isso, ao longo do ano, são realizadas várias reuniões para definir, junto da comunidade LGBT, o caminho que a Parada deverá seguir. Recentemente, conseguimos, e em conjunto, definir o tema e o slogan da Parada LGBT de 2017:

Tema: Estado Laico
Slogan: Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico.

E ainda uma justificativa para estes dois, que pode ser lida integralmente aqui

Com a definição do tema e slogan concluído. O próximo passo foi abrir a seleção da Arte da Parada 2017, que também fizemos por meio do nosso site e redes sociais, que podem ser visualizadas aqui.

Felizmente, a repercussão desta seleção foi grande e recebemos um número significativo de trabalhos realizados por ilustradorxs, desenhistas e designers.

Em nossa reunião, realizada dia 17/12/2016, em comum acordo, a diretoria da APOGLBT SP, juntamente com os coletivos e militantes independentes, decidiram premiar duas pessoas, ao invés de apenas uma. E assim, unir parte da arte de um e parte da arte do outro, resultando em uma arte unificada.

Os contemplados foram o Pedro Castro e o Getúlio Lima. Ambos tiveram suas artes aprovadas e receberão dois convites cada para o trio da APOGLBT SP durante a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo em 2017.

Por este mesmo motivo, demoramos para divulgar a arte escolhida: tivemos que agradecer aos dois e pedir, encarecidamente, que eles mesclassem suas artes em uma só (sem alterar os conteúdos individuais aprovados). O que foi feito na semana seguinte.

Após a mesclagem, em reunião da diretoria da APOGLBT SP, firmando o acordo e votação realizado com os coletivos e militantes independentes, finalmente temos a Arte da Parada LGBT de 2017:

Em nome da diretoria da APOLGBT SP, militantes e coletivos, agradecemos a participação de todxs xs envolvidxs e lembramos que a construção deste movimento político, mas que também carrega alegria, é feito em conjunto e por isso conta com todxs.

Nosso trabalho? Está só começando!

A ONG APOGLBT SP, responsável pela maior Parada do Orgulho LGBT do mundo, junto com outras ONGs de direitos humanos LGBTs, coletivos e militantes independentes decidiu o tema, slogan e a justificativa da Parada de 2017. Para isso, abre seleção de arte da Parada 2017 para estudantes e profissionais de designer, desenhistas e ilustradores confeccionarem o cartaz oficial do evento.

Para conhecer os cartazes produzidos até hoje, e seus respectivos temas e slogan, visite:
http://paradasp.org.br/cartazes-oficiais-da-apoglbt-sp-desde-o-inicio-de-suas-atividades

Regulamento:

1. Sobre a participação:
1.1. Qualquer pessoa residente no território brasileiro poderá participar da Seleção de Arte Parada 2017.

2. Sobre o conteúdo:
2.1. No cartaz deverá conter o tema “Estado Laico”, o slogan “Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico.”, a informação “21ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo”, além de um espaço reservado para a data do evento “18 de Junho” e logotipo da ONG e parceiros;
2.2. A arte é livre, porém, caso seja utilizado imagens, o autor deve ser detentor dos direitos autorais das mesmas.
2.3. Para ajudar na inspiração, o autor poderá ler a justificativa do tema no link: http://paradasp.org.br/parada-lgbt-de-sp-em-2017-tema-slogan-e-justificativa-foram-definidos

3. Sobre os direitos autorais:

3.1. Após envio da arte, o(a) autor(a) cederá os direitos de uso à Associação da Parada LGBT de São Paulo (APOGLBT SP) caso a mesma seja escolhida.

4. Sobre o envio, formato e prazo:
4.1. A arte deverá ser enviada no tamanho 30x40cm, com 300Dpi e em 2 formatos: aberto e fechado;
4.2. A arte deve ser enviada até dia 16/12/2016 para o e-mail paradasp@paradasp.org.br;
4.3. É permitido o envio de mais de uma arte por pessoa.

5. Sobre a seleção da arte e comunicação do resultado:
5.1. A seleção e escolha dos trabalhos enviados será feita em reunião pública, com a diretoria da APOGLBT SP, mais ONGs de direitos humanos LGBTs, coletivos e militantes independentes no dia 17/12/2016 em local e horário divulgados no site www.paradasp.org.br

6. Sobre o resultado e sua divulgação:
6.1. O(a) autor(a) do cartaz escolhido ganhará uma pulseira VIP com direito a um acompanhante para fazer parte de um dos trios da APOGLBT SP durante a 21º Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. O resultado será divulgado dia 19/12 no portal www.paradasp.org.br;
6.2. A APOGLBT SP se reserva o direito de não aprovar nenhuma arte nesta seleção se, durante a reunião realizada em 17/12, não for decidido em consenso a arte vencedora.

Quem acompanha nosso portal (www.paradasp.org.br) e nossas redes sociais, sabe que a ONG APOGLBT SP, responsável pela Parada do Orgulho LGBT de São Paulo há 20 anos, trabalha o ano todo para que o evento, que une alegria e militância, se realize (além de outros projetos da ONG).

Após diversas reuniões da diretoria da APOGLBT SP em conjunto com outras ONGs de direitos humanos LGBTs, coletivos e militantes independentes, sempre comunicados ao público interessado por meio de nosso portal, finalmente entramos em um consenso e definimos o tema, o slogan e a justificativa da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, que será realizada dia 18 de Junho de 2017.

São eles:

Tema: Estado Laico
Slogan: Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico.
Justificativa:

“A laicidade do Estado democrático garante respeito à diversidade religiosa, humana e cultural. O Estado deve assegurar todos os direitos humanos, tais como a liberdade religiosa, o Direito de cada cidadão a exercer ou não a religiosidade que quiser, mas deve ser garantida a não discriminação. Além disso, é necessária a autonomia do Estado frente às Igrejas, garantindo sua imparcialidade.

Essa conquista cidadã – inclusive para todas e todos fiéis religiosos – está garantida pelos princípios constitucionais da democracia, liberdade, igualdade e separação entre Estado e Igreja nos artigos 1°, 5°, 19°, inciso I o qual transcrevemos:

Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

I – estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público.

Entretanto vê-se, por meio de políticas de privilégios tributários e de concessão de canais de TVs e rádios, por exemplo, o favorecimento de algumas instituições religiosas em detrimento de outras. Além disso, vivencia-se o crescimento constante da representatividade do fundamentalismo religioso em todas as esferas governamentais.

É uma grave ameaça à cidadania, e à democracia constitucional brasileira, o fato de integrantes dos Três Poderes, em qualquer nível, atuar tendo como guia seus valores religiosos, sem observância à cidadania, à pluralidade e aos direitos humanos. Cargos públicos não podem ser utilizados para imposição de visões religiosas quaisquer sejam elas.

Dentre as diversas vítimas do desrespeito ao Estado Laico, estamos nós LGBT. Os exemplos são inúmeros – e desumanos. É proposta legislativa federal o Estatuto da Família, que, com base unicamente em argumentos religiosos, não reconhece como legítimos e legais diversos arranjos familiares, inclusive com responsáveis legais LGBT.

Vimos nos anos de 2015 e 2016 retrocessos na promoção da igualdade de gênero nos planos de educação articuladas por bancadas legislativas católicas e evangélicas, e referendadas por chefes do Poder Executivo. E ainda há trabalho para que o Ensino Religioso no sistema público de educação seja confessional ao invés de propor visão secular da história das religiões. Seria o Estado a serviço do fundamentalismo religioso.

No Congresso Nacional, o debate sobre a criminalização da discriminação por orientação sexual e identidade de gênero é repleto de ataques de parlamentares da bancada religiosa conservadora, muitos dos quais envolvidos em crimes de corrupção. Seus argumentos? Alguns citam suas visões de fé, como se estivessem em lugares religiosos e não em uma instituição que deveria se orientar pela laicidade, portanto, pelo respeito à Constituição.

O mesmo ocorre no debate sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo no Congresso Nacional. A busca é por reconhecimento legal, e tão somente com foco no casamento civil. Entretanto, seus opositores sacam do coldre, em inadmissível desrespeito à igualdade – outra cláusula pétrea constitucional -, referências religiosas na tentativa de derrubar a necessária separação entre Estado e religião, base do Estado moderno.

São vistas omissões de governantes no Poder Executivo no dever de proteger, garantir e defender os direitos humanos e a cidadania de LGBT por meio de políticas públicas de superação das discriminações contra tal diversidade humana, e de sua inclusão em áreas tais como saúde, trabalho, educação e segurança pública.

E o que dizer do Poder Judiciário, cuja missão é defender a Constituição e, portanto, a laicidade? No entanto, vemos tribunais ostentando crucifixo, em detrimento de outras religiões. Se seguisse a laicidade, nenhum símbolo seria posto, o que serviria como mostra do respeito a todas as crenças.

O direito a escolher ou não a uma religião também nos é fundamental, especialmente quando algumas religiões não aceitam LGBT. Nesse sentido, o ataque a outras religiões, principalmente as de matriz africana – essas majoritariamente inclusivas – e a conivência do Estado aos ataques civis que elas sofrem, também nos prejudica.

Por fim, os direitos reprodutivos e ao próprio corpo não devem ser cerceados por nenhum dogma religioso.

Pelo grande risco que significa ao Estado Laico para a cidadania de todas e todos, convocamos nesse momento e para fortalecer nosso movimento e luta, as mulheres, as pessoas negras, as minorias religiosas, minorias étnicas, ateus e agnósticos, para estar na maior Parada LGBT do mundo, trazendo seu protesto, sua manifestação em favor do Estado Laico e em defesa da igualdade.”


Concurso – Cartaz 2017

Após a definição do tema, slogan e justificativa (todos acima), a APOGLBT SP torna pública a Seleção de Arte Parada 2017. Para isso, convida todos os estudantes e profissionais da área de designer para participar e enviar seus trabalhos até dia 16/12. O regulamento e demais informações podem ser acessados no link abaixo:
http://paradasp.org.br/apoglbt-sp-selecao-arte-parada-2017-participem/

Nossa próxima reunião será dia 17/12/2016.  O local será divulgado em nosso portal. Caso queira receber notícias também por e-mail, cadastre-se aqui.

Nossas principais redes sociais:

Facebook: http://facebook.com/paradasp
Twitter: http://twitter.com/paradasp
Instagram: http://instagram.com/paradasp

Para contatos gerais, utilizem o e-mail paradasp@paradasp.org.br
Para contato com a imprensa, fabricio.viana@paradasp.org.br
Para enviar sugestões, matérias, pautas e artigos para nosso portal, utilizem o pauta@paradasp.org.br

Para quem acompanha as publicações no site da APOLGBT SP (www.paradasp.org.br), sabe que o tema da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo não é decidido apenas por nós e sim por um grupo de coletivos, ONGs de direitos humanos LGBTs e militantes independentes que participam ativamente de nossas reuniões realizadas ao longo do ano (e não somente nos meses que antecedem o evento).

A primeira reunião especifica para decidir o tema de 2017 ocorreu em 22/10, a segunda reunião, já com temas pré-selecionados ocorreu em 29/10 onde foi decidido “Estado Laico“.

Porém, ainda falta o slogan do tema e a justificativa que deverá ser divulgada. E você pode ajudar a escolher! O convite é aberto a todxs xs interessadxs! Participe, convide amigxs e compartilhe essa publicação.

A nossa reunião será realizada neste sábado, 12/11, na sede da UGT, que fica na Rua Aguiar de Barros, 144, a partir das 13h30 (ao lado do metrô Anhangabaú).

 

Neste sábado, 06/08, a APOGLBT SP (Associação da Parada do Orgulho LGBT) fará uma reunião de avaliação do XX mês do orgulho LGBT de São Paulo e, para isso, convida outras ONGs de direitos humanos LGBT, coletivos ou militantes autônomos para participar.

A reunião será realizada das 14h até as 17h no Sindicato dos Comerciários: na Rua Formosa nº 99.

Neste encontro também agendaremos as próximas reuniões para início dos trabalhos do XXI Mês do Orgulho LGBT, começando pela escolha do tema de 2017.

Contamos com a participação de todxs!

Para receber nossos informativos por e-mail, cadastre-se aqui.

Para mais informações, entre em contato com: assessoria.imprensa@paradasp.org.br

 

Foi a primeira vez na história que um primeiro-ministro canadense em exercício participou da marcha do “Dia do Orgulho Gay” em Toronto que reuniu, neste final de semana, com mais de 1 milhão de participantes; a sua presença foi confirmada e compartilhada no Twitter oficial @PrideToronto:

Ele dividiu logo com todos sua ansiedade da primeira participação como primeiro-ministro:

Tradução: “Muito ansioso para estar lá outra vez, dessa vez como primeiro-ministro.”

Além de Troudeau, participaram do evento o ministro das Finanças, Bill Morneau, o prefeito de Toronto, John Tory e Kathleen Wynne, primeira mulher a assumir o cargo de premiê de Ontário.

Notícias como estas são muito importantes. É primordial que políticos e demais personalidades participem das Paradas do Orgulho LGBT ao redor do mundo e mostrem seu respeito à diversidade humana. Parabéns Justin Trudeau!